NOTÍCIAS

Correr, matar e morrer. Até quando?

NULL
Publicado em

    Ouvir uma notícia pela manhã, que uma menina de dezessete anos perdeu a vida em acidente de trânsito e que supostamente o motorista participava de um “racha“` na madrugada, nos traz uma sensação de impotência e uma profunda tristeza.
    Não é de hoje que os jovens são as maiores vítimas da violência nas ruas e estradas de nosso País.
    Com a chegada das férias, verão, praia, bares e noitadas vem o álcool no volante que revela facetas cruéis para estes jovens que nesta idade se julgam invencíveis onde tudo é permitido, com certeza não sabem ou não querem saber que o álcool, mesmo em pequenas quantidades, diminui a coordenação motora e os reflexos, comprometendo a capacidade de dirigir.
    Está mais que na hora de as famílias assumirem sua grande responsabilidade na orientação destes novos condutores, pois de nada adianta termos uma legislação rigorosa se não transmitirmos aos nossos filhos educação e limites.
    Geralmente transferirmos aos Centros de Condutores a responsabilidade dos ensinamentos para obtenção da Carteira Nacional de Habilitação, mas é nesta fase de transição que o nosso novo habilitado está passando para fase adulta, período que ocorrem as grandes transformações de ordem física, psíquica e social, pois é nesta fase da vida que eles geralmente escolhem sua profissão, entram na faculdade, fazem novos amigos e enfrentam diferentes desafios.
    Pegam os carros de seus pais e com namoradas e amigos são incentivados a beberem e participarem de “rachas e pegas“ – o ambiente do trânsito é usado para se destacarem perante seu grupo e se autoafirmarem.
    Infelizmente os acidentes de trânsito em nosso País já se incorporaram ao nosso dia, à nossa rotina, é como se aceitássemos pacificamente as mortes, mutilações e o fim de muitas famílias.
    Basta de comparações que os acidentes de trânsito matam por ano mais pessoas que os soldados americanos mortos em toda guerra do Vietnã.
    É preciso agir, faz-se necessário urgentemente o comprometimento de todos, pais, instituições de ensino, meios de comunicação e da sociedade em geral de transmitirmos incessantemente que trânsito se faz com educação.
    Sem isso, não mudaremos nossas estatísticas e continuaremos a assistir diariamente a carnificina ceifando a vida daqueles que amamos.

Ronaldo Sindermann
Advogado


Originalmente publicado no Jornal do Comércio (RS) em 18/02/2010.

COMPARTILHAR

Veja

também

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Aumento nos combustíveis pode diminuir número de veículos circulando

Crianças e adolescentes por um trânsito mais seguro

Maio Amarelo mostra como cada pessoa pode salvar vidas

Cresce o número de mulheres motoristas profissionais

Tecnologia facilitando a vida dos condutores

Sinalizar corretamente um acidente evita mais vítimas e infrações

Volta às aulas exige cuidados redobrados com o transporte escolar

Cruzamentos ainda são locais com grandes números de acidentes

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.