NOTÍCIAS

Candidatos devem se comprometer a reduzir acidentes de trânsito, por Coca Ferraz.

NULL
Publicado em

    Os acidentes de trânsito constituem uma tragédia mundial. Atualmente, são cerca de 1,3 milhão de mortos e 30 milhões de feridos (muitos permanecendo com sequelas graves e definitivas).
    Desde o aparecimento do automóvel, perto de 40 milhões de pessoas já perderam a vida em acidentes. As mortes no trânsito estão entre as principais causas de óbitos.
    Inúmeras ações têm sido empreendidas por organizações internacionais para combater esse grande e crescente mal. A ONU (Organização das Nações Unidas) proclamou o período 2011-2020 como o “Decênio de Ações para a Segurança Viária“, visando reduzir as mortes.
    Agências de financiamento internacional, como o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, têm disponibilizado recursos para o financiamento de estudos e ações voltados à segurança viária nos países em desenvolvimento.
    No Brasil, são quase 40 mil mortes por ano e milhares de pessoas ficam com sequelas graves. Os índices de mortalidade no trânsito são trágicos: a relação entre o número de mortes e a frota de veículos é cinco a dez vezes superior à dos países desenvolvidos.
    E isso custa ao país mais de R$ 30 bilhões (algo como 1,2% do PIB). Mais importante que o custo econômico dos acidentes é o custo humano e social: sofrimento físico e psicológico das vítimas e de pessoas próximas.
    Apesar de todo o esforço feito no país nos últimos anos para reduzir as mortes e os acidentes de trânsito, como a adoção de leis mais rígidas, punições mais severas, fiscalização mais intensa, melhoria das rodovias etc., o número de mortes e feridos graves não tem diminuído.
    Parte, cabe reconhecer, em razão do elevado crescimento da frota, fruto do desenvolvimento econômico e social dos últimos anos.
    É consenso internacional que, para reduzir a acidentalidade viária, é necessária a criação de uma Agência Nacional de Segurança no Trânsito responsável pela definição e implementação de uma política de Estado -e não de governo-, voltada para a segurança viária.
    Como estamos próximos da eleição presidencial, é tempo de os candidatos assumirem com a sociedade o seu compromisso com a redução da acidentalidade viária. Afinal, atuar para salvar vidas é obrigação prioritária de todo e qualquer governo.

Coca Ferraz é coordenador do Núcleo de Estudos de Segurança no Trânsito da USP e autor, entre outros, dos livros “Segurança no Trânsito“ e “Transporte Público Urbano“.

Originalmente publicado no jornal Folha de São Paulo, no dia 26/10/2010.

COMPARTILHAR

Veja

também

Pesquisa mostra que 43% dos usuários têm medo de usar transporte público no pós-pandemia

Perkons é uma das melhores empresas para trabalhar

Cidades apostam na Muralha Digital para gestão de trânsito e repressão a crimes

Perkons apresenta primeiro carro 100% elétrico da frota para manutenção dos equipamentos de Curitiba

Perkons e Prefeitura de Curitiba iniciam teste de equipamento que promete identificar condutores barulhentos no trânsito

Juntos salvamos vidas é o tema da Semana Nacional de Trânsito

Lombada eletrônica completa 30 anos e já ajudou a salvar mais de 80 mil vidas

Homens continuam a ser mais imprudentes no trânsito

Perkons, uma das empresas mais inovadoras do país, completa 31 anos

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.