NOTÍCIAS

Câncer em motociclistas e motoristas

por Dirceu Rodrigues Alves Jr.*

Essa atividade expõe o operador da máquina à radiação solar durante várias horas e em momentos críticos onde a radiação ultravioleta tem ação degenerativa e cumulativa sobre a pele. São necessários cuidados, orientação e proteção.

Publicado em

A atividade diurna submete motociclistas e motoristas a um fator de risco que muitos nenhuma importância dão, e que é capaz de produzir lesões e complicações graves. Em alguns casos, pode ser considerada uma doença ocupacional.

Para o motorista, o fato de ter o volante do lado esquerdo predispõe a maior incidência dos raios solar na janela esquerda do veículo, logicamente comprometendo mais esse lado do corpo.

Dessa forma, deixa exposto crânio, pescoço, braço e mão. Já o motociclista, dependendo dos equipamentos de proteção utilizados terá toda pele exposta ao sol sujeita a lesões. A exposição é duradoura, importante lembrar que esses profissionais do trânsito exercem suas atividades em jornadas extremamente longas.

Pesquisas mostram que 53% das lesões cancerosas de pele ocorrem do lado esquerdo dos motoristas sendo a incidência maior nos homens, chegando a 64%. Nos motociclistas não há área de predominância, ocorre nas áreas expostas.

Quando o veículo tem janelas grandes, teto solar ou teto conversível ocorre logicamente maior exposição aos raios ultravioleta do tipo A, B e C. O mais nocivo é o do tipo B que pode causar três tipos de câncer:
Basocelular – 67,7 %                   que é benigno
Espinocelular – 19,8 %                 maligno
Melanoma maligno – 12,5 %        grande malignidade

O basocelular aparece mais em indivíduos de pele clara, com mais de quarenta anos. Está relacionado ao acúmulo de radiação solar ao longo dos anos. É mais comum na ponta do nariz e o prognóstico é bom.

Vale lembrar que a radiação solar é cumulativa, quero dizer, vai produzindo lesão imperceptível ao longo do tempo. Para melhor caracterizar, ela causa lesão das fibras elásticas da pele levando ao enrugamento da mesma, favorecendo o envelhecimento precoce e é conhecida como pele de marinheiro ou pescador.

O espinocelular corresponde a quase 20% dos casos. Aparecem em áreas de cicatrizes antigas, queimaduras e áreas de acúmulo de radiação solar. É comum em homens acima de cinquenta anos. Cresce rapidamente e se espalha para outros órgãos com muita facilidade. Locais comuns são a face e o braço.

O melanoma maligno é o mais perigoso e tem alto potencial para se disseminar para todo o organismo. Comum em pele clara e em queimaduras de raios solares. São extensos e profundos, podem produzir coceira, ulcerar e sangrar.

Diante de tal risco tem-se que recomendar:
– Reduzir a exposição aos raios solar principalmente no período de 10 as 16 h
– Uso de filtro solar em toda área exposta (fator 30)
– Óculos escuros
– Roupas próprias que reduzam a exposição
– Manter preferencialmente janela fechada
– Películas protetoras para a vidraria

 

*Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior
Diretor de Comunicação e do Departamento de Medicina de Tráfego ABRAMET
www.abramet.org.br
dirceurodrigues@abramet.org.br
dirceu.rodrigues5@terra.com.br

COMPARTILHAR

Veja

também

Inovação e Gestão Urbana: temas centrais do Perkons Connect

Segurança no trânsito em foco no Perkons Connect

Primeira edição do Perkons Connect será em São José do Rio Preto

Relatório de Transparência Salarial

Visão Zero é capaz de transformar a mobilidade urbana no Brasil

Maio Amarelo 2024: Paz no trânsito começa por você

Perkons destacará suas soluções inovadoras e impacto na segurança viária na Smart City Expo Curitiba 2024

Lei da Cadeirinha completa 16 anos

Celebrando o aniversário do Código de Trânsito Brasileiro: 26 anos de avanços e transformações

Um alerta para o risco das ultrapassagens indevidas

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.