NOTÍCIAS

Câncer em motociclistas e motoristas

por Dirceu Rodrigues Alves Jr.*

Essa atividade expõe o operador da máquina à radiação solar durante várias horas e em momentos críticos onde a radiação ultravioleta tem ação degenerativa e cumulativa sobre a pele. São necessários cuidados, orientação e proteção.

Publicado em

A atividade diurna submete motociclistas e motoristas a um fator de risco que muitos nenhuma importância dão, e que é capaz de produzir lesões e complicações graves. Em alguns casos, pode ser considerada uma doença ocupacional.

Para o motorista, o fato de ter o volante do lado esquerdo predispõe a maior incidência dos raios solar na janela esquerda do veículo, logicamente comprometendo mais esse lado do corpo.

Dessa forma, deixa exposto crânio, pescoço, braço e mão. Já o motociclista, dependendo dos equipamentos de proteção utilizados terá toda pele exposta ao sol sujeita a lesões. A exposição é duradoura, importante lembrar que esses profissionais do trânsito exercem suas atividades em jornadas extremamente longas.

Pesquisas mostram que 53% das lesões cancerosas de pele ocorrem do lado esquerdo dos motoristas sendo a incidência maior nos homens, chegando a 64%. Nos motociclistas não há área de predominância, ocorre nas áreas expostas.

Quando o veículo tem janelas grandes, teto solar ou teto conversível ocorre logicamente maior exposição aos raios ultravioleta do tipo A, B e C. O mais nocivo é o do tipo B que pode causar três tipos de câncer:
Basocelular – 67,7 %                   que é benigno
Espinocelular – 19,8 %                 maligno
Melanoma maligno – 12,5 %        grande malignidade

O basocelular aparece mais em indivíduos de pele clara, com mais de quarenta anos. Está relacionado ao acúmulo de radiação solar ao longo dos anos. É mais comum na ponta do nariz e o prognóstico é bom.

Vale lembrar que a radiação solar é cumulativa, quero dizer, vai produzindo lesão imperceptível ao longo do tempo. Para melhor caracterizar, ela causa lesão das fibras elásticas da pele levando ao enrugamento da mesma, favorecendo o envelhecimento precoce e é conhecida como pele de marinheiro ou pescador.

O espinocelular corresponde a quase 20% dos casos. Aparecem em áreas de cicatrizes antigas, queimaduras e áreas de acúmulo de radiação solar. É comum em homens acima de cinquenta anos. Cresce rapidamente e se espalha para outros órgãos com muita facilidade. Locais comuns são a face e o braço.

O melanoma maligno é o mais perigoso e tem alto potencial para se disseminar para todo o organismo. Comum em pele clara e em queimaduras de raios solares. São extensos e profundos, podem produzir coceira, ulcerar e sangrar.

Diante de tal risco tem-se que recomendar:
– Reduzir a exposição aos raios solar principalmente no período de 10 as 16 h
– Uso de filtro solar em toda área exposta (fator 30)
– Óculos escuros
– Roupas próprias que reduzam a exposição
– Manter preferencialmente janela fechada
– Películas protetoras para a vidraria

 

*Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior
Diretor de Comunicação e do Departamento de Medicina de Tráfego ABRAMET
www.abramet.org.br
dirceurodrigues@abramet.org.br
dirceu.rodrigues5@terra.com.br

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.