NOTÍCIAS

Caminhoneiro sem saúde trabalha com sacrifícios

NULL
Publicado em

Trabalho de sacrifícios do homem e da família. De submissão, restrições ao bem estar físico, mental e social nos leva a concluir que o trabalho é penoso. Ainda por ser submetido a múltiplos fatores de risco nos conduz a necessidade de redução da jornada de trabalho já que não se tem como reduzir as condições inseguras, geradoras de doenças e acidentes na atividade.

    Desde 1985, pesquisamos o trabalho desenvolvido por motoristas e a repercussão sobre seu estado físico e mental, e desde então, já recomendávamos redução das jornadas. Nossa pesquisa evoluiu a ponto de muitas vezes observarmos que além do trabalho como condutor fazia o carregamento e participava do descarregamento.
    Desde então, passamos a aceitar como limite máximo tolerável seis horas para esse trabalho.
    A lógica, após pesquisa, mostrou que o trabalho era submetido a cinco fatores de risco: físico, químico, biológico, ergonômico e de acidentes. Além disso, era submetido ao estresse físico, mental e social.
    O trabalhador dava mais do que podia. Chegava ao seu limite de tolerância, resistindo, outras vezes se adaptando a uma condição de trabalho inusitada.
    A busca ao ambulatório médico sempre foi freqüente, o absenteísmo intenso, as queixas e os acidentes se somam, as ações trabalhistas e judiciais acumulam-se. A qualidade de vida no trabalho e na vida social precárias. A relação com a família prejudicada pelo afastamento, jornadas longas e a não participação no convívio com a esposa e filhos.
    A vida isolada, sofrida, trazendo verdadeiro martírio para produção de um salário que não traduz as agressões sofridas nessas jornadas.
    Sofre o homem e a família.
    Dentro de uma cabine, onde trabalha, come e dorme, sem as condições de higiene necessárias com relação ao sono, a confecção do seu alimento, na eliminação dos despojos, na higiene corporal, sem o lazer, isolado e confinado em ambiente tão restrito e hostil para tal. E mais, submetido às doenças endêmicas e tropicais por onde circula. Temos que concluir que tal trabalho pode ser configurado como trabalho forçado, bem próximo do trabalho escravo.
    A falta de liberdade diante das opressões, bem como essas características de condições subumanas de vida e de trabalho, ainda de absoluto desrespeito à dignidade de uma pessoa, pela imposição de chefias, gerências, tanto do remetente como do destinatário.
    É pressão de todo lado, é o martírio do nosso motorista rodoviário, caminhoneiro e carreteiro.
    É a saúde física, mental e social comprometida. Lembramos que saúde é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o bem estar físico, mental e social.
    Concluímos conseqüentemente que nossos caminhoneiros e carreteiros não gozam de saúde e não sabemos como resistem a tantos sacrifícios.


Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior
Diretor do Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional da ABRAMET
dirceu.rodrigues5@terra.com.br

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.