NOTÍCIAS

Calçadas: espaço da cidadania

por Michel Rosenthal Wagner*

Publicado em

Desde 2005, na cidade de São Paulo, as calçadas, áreas públicas de uso coletivo que permeiam linearmente todo espaço e fluxo de pessoas a pé, acompanhando todo parque edificado do município, têm sido objeto de atenção especial, segundo o Decreto Municipal 45.904/05.
São espaços por onde o cidadão exerce seu direito de ir e vir a pé – mobilidade natural; onde se dão os encontros entre as pessoas da cidade e o relacionamento humano a céu aberto – o que é saudável. Tais aspectos ressaltam a importância do tema, que agora emerge como mais uma prioridade na capital paulista e em outras cidades do País.
É também nessa área imensa que se pode agregar permeabilidade, ajudando a evitar as enchentes, e, se plantar as árvores, trazendo efeito climático favorável. É de onde as pessoas enxergam, apreciam e identificam as edificações, sua arquitetura. Nas calçadas se acomodam as sinalizações da cidade (muitas desnecessárias), em postes por onde passa toda a eletricidade da cidade (emaranhado caótico que ceifa a possibilidade de crescimento das árvores).
A questão das calçadas tem de ser olhada de forma holística e sistêmica, compreendendo os outros focos da urbanização, também com um olhar o verde, includente e responsável.
Recentemente, foram promulgadas novas leis que tratam do calçamento da cidade, que vieram para regular a construção e a manutenção de passeios públicos do município de São Paulo, sob um novo padrão arquitetônico, com soluções simples e que prometem melhorar em muito a qualidade de vida (Lei municipal 15.442/11).
Um bom encaminhamento para a dinâmica proposta é que o cidadão é quem tem melhores condições de assumir a responsabilidade de cuidar do passeio público na frente da sua residência, se bem orientado. Pelas novas regras, a responsabilidade pela construção e conservação das calçadas, antes exclusiva do proprietário do imóvel, agora é do seu usuário (inquilino, por exemplo), e isso vale para imóveis comerciais e residenciais, em toda região urbanizada. Se o munícipe não fizer a sua parte, a prefeitura pode realizar o trabalho e cobrar em dobro o custo despendido.
Inclusive, podem emergir movimentos associativos pontuais entre vizinhos para otimizar recursos econômicos e até mesmo para “adotar“ calçadas que não lhes pertençam pela contiguidade.
Assim, podemos balizar dois olhares para a questão: 1) que os munícipes devem sustentar e cuidar dessas áreas da cidade; 2) que uma vez públicas, devem ou podem ser ocupadas no uso previsto, a toda população. A questão das calçadas toca a relação público-privada na cidade.
A nova legislação traz claramente os parâmetros para o cuidado das calçadas, em que o mais importante é manter 1,20 m de largura para a passagem e passeio de pedestres (antes eram 90 cm), se liberando o restante para o plantio de árvores, paisagismo, instalação de postes e serviços municipais, aspecto que promete um impacto assemelhado com a Lei Cidade Limpa.
A legislação é didática. Apresenta modelos ou tipos de acabamento e tratamento, declividades, rebaixamentos, indicações de acessibilidade a pessoas portadoras de necessidades especiais etc. No aspecto “vegetação“, traz diretivas do como tratar a permeabilidade do piso, de forma a permitir o desenvolvimento das árvores e suas raízes, tão mal cuidadas.
A “faixa de serviço“, local onde ficam postes, lixeiras, telefones públicos e placas de trânsito, segue inalterada. Nessas áreas, hoje em dia, está instalado um sem número de guaritas de plástico e lixeiras irregulares, o que poderá causar sérios problemas operacionais na realocação do imobiliário urbano, mas que devolverá ao público o que é público.
Não foi previsto um plano de divulgação e conscientização quanto à importância do tema para a qualidade de vida de toda população. Na prática, a lei regulamenta as penalidades para quem inadimplir com esta obrigação: morador, proprietário, condomínio e quem quer que seja o responsável pela manutenção. A multa, que era calculada por espaço irregular, passa a ser proporcional à extensão da calçada, computada por metro linear. Espera-se que o valor iniba a transgressão, porém o fundamental é que os cidadãos entendam a relevância do cuidado com esse espaço comum.
De dentro das propriedades, era por esse espaço que se via a vida passar. Hoje, tanto no imaginário como na realidade, é onde passa o perigo que ameaça a segurança, a vida e o patrimônio dos cidadãos. Assim, com toda certeza, sua correta “ocupação“ contribui para afastar e minimizar esse mal.
Em 2010 o IBGE já publicava que 77 milhões de brasileiros acima de dez anos têm medo de andar pelas ruas – uma questão de mobilidade e qualidade. A sensação de segurança se relaciona intimamente com o como o cidadão se sente nas ruas, mais que nos transportes automotores. Vale registrar que “queda da própria altura“, é o maior índice de acidentes físicos (se cai enquanto está no chão, não da escada do banquinho ou outro lugar mais alto).
O tema é importante também quanto à iluminação e tem reflexos no trânsito, pois a cada poucos metros lineares há uma entrada e saída fluída de automóveis.
O uso dos passeios por pessoas com limitações físicas, idosos, carrinhos de bebê nos ralis da cidade, grávidas etc. deixa claro o quão urgente é a necessidade desse atendimento.
Para que mais podem servir as calçadas? Podem ter bancos para descansar no caminho, observar e contemplar a vida; é um lugar de interação por excelência. Hoje, as pessoas andam pouco nas cidades, e dá saudade das campanhas “mexa-se“, quando as calçadas e mesmo praças e parques, outrora sem cercas nem horários para acesso, eram ocupados em todos os níveis – físicos, psicológicos e espirituais.
O tema é multidisciplinar. Outras áreas de estrutura da cidade poderiam aproveitar este embalo e acertar os serviços de água e energia elétrica, limitando e regulando a liberdade da boa prestação destes serviços, todos.
A prefeitura disponibiliza, pelo “disque calçadas“ 156, orientação aos munícipes, e em seu site pode ser baixada uma apostila sobre o tema. É indispensável que todos se comprometam. Afinal, a calçada é o espaço da cidadania.

 

*Michel Rosenthal Wagner
Membro das vice-presidências de Sustentabilidade e de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP e diretor do escritório MRWAdvogados.

Originalmente publicada no site Terra.com, em 19.04.2012.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.