NOTÍCIAS

Atração fatal

por Cristina Baddini Lucas*

Publicado em

As constantes notícias de tragédias, em rodovias e vias urbanas, envolvendo jovens motoristas e seus acompanhantes, tornaram-se uma incômoda e triste rotina do trânsito brasileiro. Jovens, em seu período de formação social e de afirmação de personalidade, têm o perfil alicerçado na impulsividade, no desafio ao perigo, no comportamento competitivo exacerbado, na ilusão de invulnerabilidade. Tal perfil, transportado para o volante de um carro – quanto mais potente o veículo maior a sensação de poder – e, uma vez associado ao uso de bebida alcoólica, energéticos, excesso de velocidade, manobras arriscadas, sono, cansaço, formam uma perigosa mistura explosiva, muitas vezes fatal.

A propaganda estimula
Filmes publicitários para a TV podem estimular comportamentos que comprometem a segurança no trânsito. É o aspecto mais nocivo das campanhas, aquele que trabalha o emocional do consumidor em favor do individualismo e competitividade exacerbados deixando de lado valores como: união, cooperação, solidariedade, inclusão e convivência, aspectos fundamentais para um trânsito mais humano e melhor qualidade de vida. Os consumidores também passam a adotar um comportamento de risco muitas vezes induzidos pela falsa segurança propiciada pelas propagandas de automóveis. Como construir a mobilidade urbana sustentável quando, além de diversos obstáculos, ainda não há cooperação dos fabricantes de automóveis?

O que fazer
A proporção de investimentos governamentais para pregar atitudes seguras no trânsito é equivalente a um décimo do volume de investimentos da indústria automobilística em suas propagandas no país. O poder da publicidade é avassalador e as três esferas de governo deveriam investir mais em educação no trânsito que hoje está circunscrita e isolada, representada somente por algumas iniciativas ou campanhas desenvolvidas em salas de aula e tão somente na semana de trânsito que se realiza em setembro de cada ano. Uma alternativa viável  seria usar parte do valor arrecadado das multas e DPVAT para essa finalidade por meio da mídia, mais precisamente da publicidade preventiva.  A melhor maneira de mudar a consciência do povo brasileiro seria buscar meios de vender automóveis sim, porém, aproveitando a conhecida capacidade criativa da indústria publicitária nacional, produzindo campanhas com forte apelo de responsabilidade social e segurança ao dirigir.
O Estado também deveria ser mais firme como regulador do setor publicitário, evidentemente que não como censura, mas sim, como já fazem outros países em que a regulamentação da publicidade certamente não permite anúncios como os do Brasil. A sociedade organizada também deve participar nesse processo de busca da cidadania no esforço de reduzir tais propagandas enganosas e abusivas.

Pelo mundo
A Nova Zelândia é taxativa ao proibir anúncios que exaltem a velocidade excessiva e na Inglaterra, também há restrições do tipo. Em muitos países, o que interessa é a segurança que o automóvel oferece não o status que ele vai dar. Essa questão já está sendo discutida no Brasil e agora é lei que todos os carros do país tenham, até 2014, itens de segurança que venham de fábrica, como air bag e freios ABS. Os melhores carros não devem ser os mais rápidos e fortes, e sim os completos, com itens de segurança de série.
É claro que não podemos atribuir unicamente à publicidade a responsabilidade exclusiva pelo mau comportamento dos motoristas no trânsito, mas devemos tentar transformá-la em uma grande aliada, na construção de uma sociedade mais harmônica, equânime, justa e responsável. Essa deve ser a função da comunicação social. Queremos veículos em que equipamentos de segurança não sejam meros acessórios ou itens opcionais. Por que comprar veículos que são mais rápidos se o limite de velocidade no Brasil que é 120 km/h? A indústria, automobilística deveria se empenhar mais no sentido de que o carro por ela produzido não se torne mais uma perigosa arma mortífera!

 

*Cristina Baddini Lucas
Assessora do MDT, colunista do Diario do Grande ABC (Coluna De Olho no Trânsito)

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.