NOTÍCIAS

A revolução das bicicletas

Londres inaugurou, na última semana, duas Cycles Superhighways. Embora eficaz, o projeto ainda precisa evoluir, o que só pode ser feito com a conscientização e mobilização da sociedade. Será que o projeto é viável no Brasil?
Publicado em

CURITIBA, 27/7/2010 – A mobilidade no trânsito é, cada vez mais, pauta para discussão, não somente entre órgãos responsáveis pelo seu funcionamento, mas também na sociedade. Acompanhando os conceitos de sustentabilidade e fluxo eficaz, Londres inaugurou na última semana mais algumas Cycles Superhighways – vias exclusivas para o trânsito de bicicletas.
    O projeto, considerado inovador, é uma otimização das vias para ciclistas já existentes há bastante tempo na Europa, especialmente por oferecer rotas contínuas que comutam regiões da periferia da cidade ao centro. O objetivo é agilizar o deslocamento, oferecendo a bicicleta como meio efetivo de transporte: seja para trabalhar, lazer ou qualquer outro intuito.
    O projeto ainda é novo em Londres e os usuários estão experimentando a novidade e avaliando seus benefícios. As “vias azuis” contam com grande apoio dos seus usuários, que formaram grupos de discussão e representação perante a prefeitura. Além disso, entidades da sociedade civil organizada trabalham insistentemente em campanhas de educação dos condutores, ciclistas e pedestres. Exemplo dessas organizações é a London Cycling Campaign (LCC), que atua angariando membros e reivindicando melhorias.
    As superhighways de bicicletas estão invadindo Londres. São previstas mais dez rotas até 2015. E, ao contrário do que pode parecer, a medida veio por necessidade extrema, já que a cidade enfrentava congestionamentos absurdos. Além disso, o advento do congestion charging (conhecido como pedágio urbano) tornou a circulação na parte central da cidade custosa e, diante isso, os londrinos precisaram buscar alternativas para o transporte.
    Esse conceito de mobilidade sustentável ganha espaço e inicia sua discussão também no Brasil. A questão intrínseca aqui é: seria este modelo viável em terras nacionais? Para Hartmut Günther, especialista em psicologia do trânsito e professor da Universidade de Brasília, ainda não.
    O professor pondera que há muitos passos a serem dados antes da implantação da cultura da bicicleta como meio de transporte oficial no Brasil. “Precisamos analisar vários aspectos: o clima no país não favorece. Por exemplo, é difícil alguém se locomover até o trabalho de bicicleta sem chegar suado. Outra questão é a falta de estrutura, de vias específicas para os ciclistas: a maioria delas começa do nada e leva a lugar algum. É preciso que, acima de tudo, isso seja eficiente, o que ainda não acontece”, avalia.
    O psicólogo com formação internacional afirma que o modelo, para ser consolidado, precisa também de um trabalho muito forte em cima de campanhas de educação e conscientização: “No trânsito, sempre quem tem mais proteção, é maior e mais potente, acaba vencendo. O comportamento intolerante do motorista sobre o ciclista e do ciclista sobre o pedestre é evidente e precisa ser trabalhado por meio de exemplos. Em Munique, na Alemanha, o próprio prefeito se locomove de bicicleta”, exemplifica.
    Günther conclui falando sobre o status da bicicleta hoje, no Brasil: “A bicicleta ainda é vista como brinquedo de criança com poder aquisitivo alto e transporte para pobres. Paralelo a isso, há falta de segurança – não existe uma via dedicada ao veículo. Para completar o debate, há a violência: uma falta de respeito para com o outro e isso não se estende apenas ao motorista”, encerra.

Fonte: Transport for London (www.tfl.gov.uk)

Bicycles Highways: Londres avança na proposta de transporte sustentável

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.