NOTÍCIAS

Travessia Segura

por Cristina Baddini Lucas*

Publicado em

Segundo o Código de Trânsito Brasileiro – CTB basta o pedestre pôr o pé na faixa, e o motorista é obrigado a dar-lhe passagem. Colocando o pé sobre a faixa, o pedestre garante sua imunidade. A faixa amparada por um semáforo, conta com um aliado dotado do maior dos instrumentos educativos — a punição. Passou no sinal fechado, é multa. Muitas vezes, o agente nem precisa estar presente, pois a infração é registrada por radar e, por esta razão, geralmente ela é respeitada. O CTB, estabelece que o desrespeito à faixa de pedestres é infração “gravíssima”, sujeita à punição com multa de 191,54 reais e 7 pontos na carteira. No entanto, é a faixa sem semáforo que costuma ser ampla e irrestritamente desrespeitada aqui no Brasil.

Campanha de Respeito à Faixa
Os motoristas serão o alvo inicial da campanha Travessia Segura, que foi lançada quarta passada pelo Consórcio Intermunicipal do Grande ABC. Técnicos da entidade avaliaram que o foco nos condutores é importante para garantir a segurança dos pedestres. A primeira fase deve durar aproximadamente um mês. As autuações por desrespeito às faixas começarão a ser aplicadas em março, segundo a entidade.
Não adianta falarmos para o pedestre que a faixa é segura se os carros continuarem desrespeitando. Na segunda quinzena de janeiro, a campanha será intensificada nas travessias. Serão desenvolvidas ações para que o pedestre entenda que a faixa é o local correto para atravessar. Apesar de ser idealizada pelo Consórcio, a ação será feita individualmente por cada uma das sete prefeituras da região.

Números
Na Capital, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego, o número de mortes por atropelamento caiu 30% entre janeiro e julho deste ano na comparação com o mesmo período do ano anterior. O número de atropelamentos sem morte teve queda de 19,3%.
Em São Bernardo, mesmo sem a criação de nenhuma campanha, o número de atropelamentos teve pequena queda entre janeiro e agosto deste ano na comparação com 2010. O número caiu de 395 para 356, redução de 9,9%. Em Santo André, as ocorrências tiveram alta de 15%, subindo de 299 para 342.
Em São Caetano, os atropelamentos caíram de 137 em 2009 para 98 em 2010, uma queda de 28,5%. Até agosto, 53 pessoas foram atropeladas na cidade.

Brasília
Multas e colisões: foi o que ocorreu na única capital brasileira em que a população aprendeu a respeitar a faixa de pedestres. Não há educação que não acene com a punição ao infrator. Tantos casos de atropelamento se acumularam na cidade que, em 1996, o Governo, com apoio do jornal “Correio Braziliense” iniciaram uma campanha contra os desmandos dos motoristas. As notícias de atropelamentos passaram a ser publicadas na primeira página. Na mesma edição, vinham editoriais e comentários. Houve uma passeata articulada pela imprensa e Governo à qual compareceram de 25.000 pessoas.
O governo primeiro cobriu as vias expressas com radares, para coibir os excessos de velocidade. Em seguida, em janeiro de 1997, iniciou campanha para o respeito à faixa de pedestres. A campanha consistiu em anúncios nos meios de comunicação e na ação de guardas que orientavam os motoristas. Mas desde o início estes foram avisados de que, a partir de abril, seriam aplicadas multas.  O motorista brasiliense aprendeu que, ao avistar um pedestre com um único pé na faixa, no simples gesto de iniciar a travessia, deve parar.
Catorze anos se passaram e Brasília continua a dar a mesma atenção à faixa de pedestres. Em 2010, registraram-se apenas sete mortes por atropelamento em todo o Distrito Federal. Nos últimos catorze anos, 77.  No ano passado, foram aplicadas 3.512 multas por desrespeito à faixa.

Motorista, sinta orgulho ao parar para o pedestre passar.

*Cristina Baddini Lucas
Assessora do MDT, colunista do Diario do Grande ABC (Coluna De Olho no Trânsito)

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.