NOTÍCIAS

Traffic Calming é alternativa para diminuir impacto dos acidentes

Reduzir a velocidade dos carros pode incentivar pedestres e ciclistas a se deslocarem, afirma Luiz Gustavo Campos

Publicado em
Traffic Calming é alternativa para diminuir impacto dos acidentes

Uma das medidas adotadas para reduzir os riscos dos acidentes de trânsito é o controle da velocidade. De acordo com o Manual de Segurança Viária publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2008, os pedestres, ciclistas e motociclistas são agentes vulneráveis e têm suas chances de sobrevivência reduzidas quando são atropelados ou colidem com um carro em velocidade igual ou superior a 50 km/h. Já as chances de sobrevivência aumentam se o veículo   trafega a menos de 30 km/h.

Uma alternativa para reduzir o limite de velocidade utilizada nas vias da Alemanha, Estados Unidos, Canadá, Bélgica, Holanda e Reino Unido e que traz bons resultados, é a implantação do traffic calming, um conjunto de medidas que inclui a adaptação do volume, velocidade e comportamento do tráfego, para que as ruas sirvam a todos e não apenas aos carros.

De acordo com o diretor da Perkons e especialista em gestão de trânsito e mobilidade urbana, Luiz Gustavo Campos, o traffic calming geralmente é empregado em áreas com alta densidade de habitações, fluxo de pedestres e ciclistas. “A redução da velocidade máxima diminui os ruídos e a emissão de poluentes no ar, isso sem considerar outros ganhos, como a menor probabilidade de perda do controle do veículo, maior tempo para reconhecimento dos perigos e maior chance efetiva de evitar colisões”, destaca.

Conforme disposto no artigo 29 do Código de Trânsito  Brasileiro, a prioridade no tráfego é sempre para o mais vulnerável, ou seja, o ciclista e o pedestre têm prioridade em relação ao carro, independente de ser uma zona acalmada ou não. “Reduzir a velocidade dos carros pode ajudar a tornar a convivência com pedestres e ciclistas mais segura e incentivá-los a se deslocarem”, afirma o especialista.

A via calma de Curitiba tem extensão de 6,3 km – 3 km no sentido centro e 3,3 km no sentido bairro e conta com faixas preferenciais do lado direito da pista, onde carros e bicicletas compartilham o mesmo espaço
Crédito: Maurilio Cheli

A implementação do traffic calming têm sido associada ao uso de dispositivos que controlam e diminuem a velocidade, como os equipamentos de fiscalização eletrônica. Ainda assim, a maioria da população não tem consciência da importância das zonas acalmadas. “Enquanto não houver uma mudança cultural no comportamento do brasileiro no trânsito, a fiscalização e a punição são formas eficazes de garantir a aplicação da legislação, a segurança e integridade de condutores e pedestres. Sabemos que esse processo de transformação poderá levar anos ou décadas, mas não podemos desistir”, avalia Campos.

Medida começa a ganhar as vias brasileiras

No Brasil, algumas experiências para reduzir a velocidade das vias já estão acontecendo. No Rio de Janeiro, por exemplo, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) implantou, o projeto Zona 30 em algumas ruas dos principais bairros da cidade. Já em Recife, a velocidade estabelecida próximo às ciclofaixas é 40km/h e a fiscalização eletrônica é uma grande aliada, incorporando segurança no pedalar da população.

Recentemente, em Curitiba houve a implantação das vias calmas. A Avenida Sete de setembro recebeu algumas mudanças no trecho que se estende da Rua Mariano Torres até a Praça do Japão, na região central da cidade. A via calma tem extensão de 6,3 km – 3 km no sentido centro e 3,3 km no sentido bairro e conta com faixas preferenciais do lado direito da pista, onde carros e bicicletas compartilham o mesmo espaço. A velocidade máxima permitida para os veículos é de 30 km/h.

A medida, que está em fase final de implantação, tem dividido a opinião dos usuários sobre sua eficiência. O ciclista Luis Henrique Fonseca utilizou a via uma vez e não sentiu confiança nos motoristas. “Por ser uma região central percebo que os condutores ainda não estão respeitando os cliclistas e é preciso mais orientação para que eles aceitem dividir o espaço com as bicicletas”, comenta.

A designer Cristina Pagnoncelli, é moradora da região onde a via calma foi implantada e circula pelo local como motorista e ciclista. Ela acredita que se todos respeitarem as regras os benefícios serão significativos. “Dependendo da necessidade e da distância opto pelo carro ou pela  bicicleta. É uma mudança que incentiva a qualidade de vida e se a população respeitar e aderir à ideia, só temos a ganhar. A partir do momento que as pessoas são informadas e aprendem que é um recurso que funciona, as atitudes também mudam”, completa.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.