NOTÍCIAS

Série Motociclistas | ‘Sei que o meu trabalho é perigoso, não quero continuar muito mais tempo nessa profissão’

Entrevista com Andrea Sadocco Gianini, a motogirl de São Paulo

Publicado em
Série Motociclistas | ‘Sei que o meu trabalho é perigoso, não quero continuar muito mais tempo nessa profissão’

A luta das russas por melhores condições de trabalho e de vida inspirou a Organização das Nações Unidas (ONU) a decretar o dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher. No Brasil, a exemplo das manifestantes de 1917, os rostos da Revolução Russa, os cromossomos XX invadiram espaços que antes eram exclusivamente masculinos, como o uso da motocicleta.
Em fevereiro, o Ministério da Saúde (MS) divulgou dados preocupantes: as mulheres estão morrendo mais em cima das duas rodas. Embora o índice masculino ainda ocupe 90% desse quadro, o Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério revela que, entre 1996 e 2010 o número de mulheres mortas em acidentes com moto cresceu 16 vezes. A frota apresenta crescente nas estatísticas dos modos de transporte há anos. No último levantamento do MS, 10,2 mil dos 41 mil brasileiros que perderam a vida no trânsito em 2010 utilizavam motocicletas.
Apesar dos números, a opção pela profissão de motofretista tem crescido entre as mulheres. Nesta segunda reportagem da Série Motociclistas, a Perkons ouviu uma motogirl de São Paulo, o maior centro urbano da América Latina, onde a regulamentação da profissão aconteceu há mais de dez anos. Em São Paulo, 139 mulheres morreram em acidentes com moto em 2010.
O Sindicato dos Motoboys de São Paulo, um dos maiores da categoria, conta também com algumas mulheres filiadas. Segundo o presidente do SindiMotosSP, Gilberto Almeida dos Santos, “a motogirl ainda é uma parcela muito, muito pequena da força de mão de obra no motofrete. Porém, isso está mudando. Aos poucos, com dedicação e seriedade, competência e uma postura diferente, elas têm conquistado um espaço cada vez maior”. Uma delas é Andrea Sadocco Gianini. Confira a entrevista exclusiva para a Perkons, em homenagem ao Dia Mundial da Mulher

“Sei que o meu trabalho é perigoso, não quero continuar muito mais tempo nessa profissão”

Divulgação

Andrea: anda de moto há 20 anos e optou pela profissão de motogirl por conta da liberdade e da remuneração

Na última sexta-feira (3), Andrea acordou normalmente para trabalhar. Saiu de sua casa e foi até a empresa de motofrete em que trabalha para fazer seu primeiro trajeto da Barra Funda até o Jabaquara – bairros relativamente distantes da cidade de São Paulo. Durante o percurso, precisou passar pela Avenida Paulista, onde a ciclista Juliana Dias acabava de ser atropelada por um ônibus de linha.
“Eu fiquei chocada. Foi terrível assistir àquela cena. O problema é que as pessoas não se respeitam. Eu me cuido, sigo as leis. Mas de que adianta, se o motorista ao lado não faz a mesma coisa? O trânsito não é feito só de leis e sinalização. O trânsito é feito de pessoas”, diz.
Andrea tem 40 anos, 20 deles sobre a moto. A profissão de motogirl veio por necessidade, há mais ou menos cinco anos. “O meu salário é semelhante ao de uma auxiliar administrativo. Mas eu prefiro trabalhar como motogirl por causa da liberdade, além da possibilidade de ganho extra, com alguns trabalhos particulares”, conta.
Andrea não escapa à realidade da classe dos motofretistas, que cobrados pela rapidez e pela quantidade de entregas, sentem na pele a pressão de um serviço que necessita apresentar resultados imediatos. Para reverter o cenário, ela encara uma rotina dura. “Meio dia, eu levo meu filho de sete anos para a escolinha. Depois, volto para o trabalho. Após as 17h30, começa a outra rotina: pegar o meu filho, dar banho, fazer comida e ir para a faculdade. Escolhi uma área que gosto muito, a de Tecnologia da Informação. Sei que o meu trabalho é perigoso, não quero continuar muito mais tempo nessa profissão. Mas ainda não posso trocar o certo pelo duvidoso”, confessa.
Sobre a falta de segurança, Andrea conta que já sofreu quatro acidentes enquanto conduzia a moto. “Três desses acidentes aconteceram porque havia óleo na pista. O primeiro foi porque um caminhão de lixo havia derramado chorume na pista. A minha moto deslizou e eu caí. Graças a Deus, estava com uma roupa adequada e sofri apenas alguns arranhões. Depois desse primeiro ‘tombo’, comecei a ficar com medo. Mas no último acidente, quando um taxista me fechou e sequer parou para prestar socorro, eu estava cheia de trabalho para fazer. Levantei minha moto e voltei para a pista”, lembra.
Por fim, Andrea fala com serenidade do planejamento urbano pessoal que traçou para si. “Minha profissão é perigosa, cansativa. Preciso me preparar psicologicamente e estudar o melhor trajeto todos os dias antes de sair de casa. Por isso, procurei um trabalho que fosse próximo à minha casa. Também fiz isso com a escola do meu filho, que eu levo a pé todos os dias. O ideal seria que as pessoas fizessem isso, que facilita muito a vida. Não adianta trabalhar do outro lado da cidade. Perde-se tempo, dinheiro, além da saúde. O trânsito depende muito mais das pessoas do que das leis”, conclui.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.