NOTÍCIAS

Restaram apenas nove anos para a Década

Representantes dos poderes e entidades internacionais participaram do Congresso da ANTP, mas não apresentaram o que o Brasil vai fazer de fato para reduzir os acidentes de trânsito.

Publicado em
Restaram apenas nove anos para a Década

O mais aguardado dos painéis de discussão do evento que debateria a questão da Década e ações efetivas de cada um dos poderes brasileiros, no entanto, não trouxe nenhuma novidade. O Legislativo, na figura do deputado Hugo Leal, o Executivo, representado por Otaliba Libânio, do Ministério da Saúde e organizações internacionais, representadas por Eugênia Maria Rodrigues, da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), se reuniram para falar do tema.
O que se esperava era que as propostas do Governo Federal fossem finalmente apresentadas num plano de ações e projetos em prol da segurança viária. O que se viu foi um misto de relatório de atividades que já aconteciam antes do lançamento da campanha da ONU e uma lacuna da participação do executivo de trânsito, na ausência de um representante do Ministério das Cidades ou Denatran.

O QUE AS ENTIDADES INTERNACIONAIS ESTÃO FAZENDO
Segundo a especialista representante da (Opas), Dra. Eugênia Maria Rodrigues, mundialmente, o trânsito é uma das maiores causas de mortes: “90% das mortes e lesões no trânsito ocorrem em países de baixa renda. Isso nos deixa concluir que as mortes não estão relacionadas com a quantidade de veículos. Por que isso está tão determinante em países em que a motorização não é tão alta?”, questiona.
A meta da ONU é salvar cinco milhões de vidas em dez anos. “Temos o objetivo claro de estabilizar, reduzir e, depois, mudar a realidade. Os pilares do plano são gestão da segurança no trânsito, vias e mobilidade mais seguras, veículos mais seguros, segurança para todos os usuários e resposta após colisão e atropelamento”, pontua Eugênia.
Ela explica o papel do conselho responsável pelas ações que a Opas vai desempenhar na Década. “O nosso objetivo é dar orientação detalhada aos países, possibilitando que eles possam tomar decisões e coordenar atividades de todos os setores. Outra meta é reduzir os fatores de risco e dos elementos de distração, com ênfase para o uso de celular”, detalha.

O QUE O MINISTÉRIO DA SAÚDE ESTÁ FAZENDO
Será que é possível reduzir em dez anos 50% da mortalidade no trânsito? Segundo Otaliba Libânio, representante do Ministério da Saúde, o governo está trabalhando para isso. “A situação atual dá conta que em 2010 morreram mais de 40 mil pessoas no trânsito. O aumento das mortes no ano passado com relação aos três últimos anos é porque houve uma melhora no levantamento, mas também porque os motociclistas morreram mais”, analisa.
Nesse contexto, o diretor do Departamento de Análise de Situação de Saúde celebra a Lei Seca, que teve excelente impacto na redução entre 2006 e 2007, mas que, após esse período destacado, teve aumento no número de mortes. “Além disso, foram gastos 187 milhões de reais com internações por acidentes de trânsito. Disso, 45% foram gastos com motociclistas”, expôs.
Os compromissos do Ministério da Saúde, segundo Otaliba, se orientam pelo aprimoramento das informações. “Um dos nossos primeiros papeis é ser um forte advogado da integração da base de dados. Outra ação é montar um sistema de vigilância dos fatores de risco, de prevenção e a implementação da rede de atendimento a essas urgências, entre outros”, coloca.
O especialista defende maior poder aos órgãos de trânsito, a criação de um observatório de trânsito e de um sistema integrado de informações de acidentes de trânsito com vítima, além de um fundo nacional. “Sobre o observatório, o objetivo é produzir análises das informações integradas, identificar os maiores problemas e recomendar intervenções, ou seja, será uma inteligência do Sistema Nacional de Trânsito para dar suporte aos órgãos”, conclui.

O QUE O EXECUTIVO ESTÁ FAZENDO
Para o deputado federal Hugo Leal, autor da Lei Seca e um dos únicos representantes do trânsito no Legislativo, a grande importância dessa revolução é a mobilização, mas ainda há lacunas. “Como vamos chegar a esse resultado? Tudo o que foi exposto aqui precisa ser aplicado. O que vamos realmente fazer? Não podemos viver no país com essas situações episódicas ou até mesmo de impulso. As duas reduções de acidentes significativas que tivemos no Brasil foram na implantação do novo CTB [Código de Trânsito Brasileiro] e da Lei Seca”, pontua o deputado. E indaga: “então, por que temos uma redução logo que a lei entra em vigor e depois tudo volta ao normal?”.
Segundo Leal, o impacto da lei é que causa essa redução. “O que vai acontecer comigo? Será que eu vou perder a carteira, serei preso? O desconhecimento leva à prevenção”, relata. “Muita coisa foi feita. Já temos diagnósticos para saber como agir, temos projetos. Agora, o que nos falta é colocar em prática”, encerra.

O QUE A INICIATIVA PRIVADA ESTÁ FAZENDO
A Perkons foi a primeira empresa brasileira a assumir um compromisso com a Década de Ação pela Segurança no Trânsito. Já em 2010, a corporação criou um selo que representa suas ações e começou a desenvolver uma série de trabalhos que estimulam a adoção de práticas seguras por seus funcionários e demais steakholders.
Para Walter Alberto Schause, diretor da Perkons, “o Brasil precisa entender que está pagando caro, que o trânsito é um problema cultural: o motorista que dirige em alta velocidade não sabe que, na prática, está agindo como um criminoso. É mais ou menos como uma dieta de uma semana: não adianta emagrecer e depois voltar a comer normalmente. O que realmente vai fazer a diferença no peso é a reeducação”, que lembra “dez anos significam uma geração inteira de cidadãos no trânsito”.
Confira aqui o que mais a Perkons está fazendo em prol da campanha da ONU


Pauta do último dia foi sobre as ações para atingir a meta proposta pela ONU.

COMPARTILHAR

Veja

também

Perkons, uma das empresas mais inovadoras do país, completa 31 anos

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Aumento nos combustíveis pode diminuir número de veículos circulando

Crianças e adolescentes por um trânsito mais seguro

Maio Amarelo mostra como cada pessoa pode salvar vidas

Cresce o número de mulheres motoristas profissionais

Tecnologia facilitando a vida dos condutores

Sinalizar corretamente um acidente evita mais vítimas e infrações

Volta às aulas exige cuidados redobrados com o transporte escolar

Cruzamentos ainda são locais com grandes números de acidentes

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.