NOTÍCIAS

Redes sociais viram utilidade pública no trânsito

A velocidade com que as informações são divulgadas e absorvidas num processo online, em que, muitas vezes, o órgão não participa, obrigou o poder público a se inserir na esfera das redes sociais
Publicado em

    Ferramenta já consolidada e de uso irreversível, a internet também passou a ser um meio de informação essencial sobre o trânsito no Brasil. Sem a burocracia do atendimento no balcão, a rede social é aproveitada pelo poder público não apenas para promoção institucional, mas como dispositivo de fiscalização e diálogo direto com a população.
    Exemplos como o monitoramento do congestionamento e blitze via Twitter, denúncias e atendimento à população por meio de comunidades do site de relacionamentos Orkut demonstram como as redes sociais estão influenciando e modificando a perspectiva do trânsito.
    Para poder falar com um perfil em especial, os órgãos públicos estão utilizando, cada vez mais, as redes sociais. Em São Paulo, o Metrô, Polícia Militar e Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), monitoram redes sociais como Facebook, Twitter e Orkut e conseguem melhorar o atendimento ao cidadão.
    Segundo o Detran/ES, no Brasil, 83% dos envolvidos com acidentes em trânsito são homens com idade entre 18 e 29 anos. Durante algum tempo, o grande problema foi como acessar esse público. Agora, como forma mais efetiva de levar informações sobre e orientações, os órgãos relacionados ao trânsito deram início a um verdadeiro marketing de guerrilha contra a imprudência e falta de responsabilidade dos motoristas e pedestres, utilizando campanhas online.
    No Rio de Janeiro, a história do publicitário que utilizava o Twitter entitulado “Lei Seca RJ” expressa bem como esses meios podem ser utilizados para o bem ou para o do trânsito. Antes, ele avisava aos condutores alcoolizados onde estavam sendo realizadas blitze. Depois, acabou juntando forças ao deputado Hugo Leal, criador da referida.lei, e passou a divulgar mensagens educativas.
    Segundo o parlamentar, há pontos negativos sobre o uso de redes sociais como meio de informação sobre o trânsito, mas eles não diminuem a necessidade de inserção dos órgãos nessas mídias: “O trânsito, o maior espaço democrático que existe, em que pessoas de todos os tipos convivem, não pode ficar à margem desses recursos de integração e inter-relacionamento pessoal. Com o passar do tempo, a sociedade vai compreender melhor o alcance e a importância desses meios, não só como difusão dinâmica de informações e de relacionamento pessoal mas, principalmente, como serviço de utilidade pública”, analisa.
    O deputado vislumbra ainda, em um futuro próximo, a otimização e oficialização desses serviços: “Penso que, em breve, teremos GPS automotivos com links diretos para esse tipo de informação. É a tecnologia ‘embarcada’ a serviço da segurança, comodidade e mobilidade do cidadão motorista”, diz.
O Detran do Espírito Santo também colhe bons resultados a partir de ações estratégicas online. O órgão trabalha, desde março deste ano, com seu público por Twitter, Orkut e Youtube. “Buscamos uma agência especializada, treinamos nossos colaboradores e criamos várias ações para estimularmos a mudança de comportamento e mobilização social. Em uma das ações, criamos um perfil no Twitter sem a marca institucional do Detran. Pudemos perceber que a aceitação e a interação foram maiores”, conta Margô Devos, gerente de comunicação do órgão.
    Margô explica que agora todas as campanhas de educação tem planejamento online: “Qualquer ação que envolva mudança de comportamento e mobilização social, que é o objetivo maior da educação de trânsito, não tem alternativa, a não ser conhecer e utilizar as redes sociais. Atingimos um público mais jovem do que conseguíamos com a mídia convencional, que abraçou o tema e multiplicou as informações”, conta.
    Questionada sobre a forma ideal de utilização das mídias sociais para interação no ambiente de trânsito, a gerente de comunicação do Detran/ES traça um panorama das barreiras que o órgão enfrentou. “Foi necessário fazer um exercício de desprendimento para abrir a discussão e ficar preparado para ouvir e responder. No nosso projeto não inserimos a marca do DETRAN e monitoramos os resultados dos comentários”. Segundo ela, em breve o projeto será levado para as escolas do ensino médio e faculdades, estimulando a produção de material para inserção nas redes. “A marca do DETRAN não aparece ostensivamente. O nosso objetivo é provocar a discussão entre os usuários da Rede e não `vender` o órgão”, pondera Margô.


Campanhas de educação voltada para a wb deram resultado com o perfil de motorista que mais morre e mais mata no trânsito.

Saiba mais
ENDEREÇOS DAS REDES QUE O DETRAN/ES UTLIZA PARA INTERAÇÃO COM OS INTERNAUTAS
Twitter: @detranes @ligadotransito
Sites: www.ligadonotransito.com.br e www.eudecidipelavida.com.br
Orkut: Ligado no transito (comunidade)
Facebook: Ligado no transito (perfil)

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.