NOTÍCIAS

Paixão pelo amarelo

NULL
Publicado em

    Nas ruas de grandes cidades americanas e europeias sempre me admiro com o respeito, e o temor, dos motoristas pelas leis de trânsito. Não há horário ou pretexto para que algum carro avance com o sinal amarelo.
    Pode até ranger freios e pneus, dar um susto no passageiro, até mesmo levar uma encostada na traseira, mas ninguém cruza a faixa de pedestres no amarelo. Não só a multa é pesadíssima, como o infrator tem que comparecer ao tribunal, perde pontos na carteira, tem uma grossa chateação.
    É um comportamento profundamente arraigado nos motoristas e um símbolo de convívio urbano civilizado.
    Entre nós é justamente o contrário.
    Porque no Brasil em geral, e no Rio de Janeiro em particular, a regra é aproveitar até o último restinho de amarelo antes do vermelho e ser mais esperto do que os outros. Pelo menos até o próximo sinal.
    Em cidades mais violentas e inseguras como Rio, Recife, Belo Horizonte e Vitória, nem o sinal vermelho é respeitado, por motivos óbvios: para não ser assaltado, hoje um clássico urbano brasileiro.
    O Estado é incapaz de dar segurança ao cidadão e não pode puni-lo por proteger sua própria vida. Mas mesmo em nossas cidades mais civilizadas o amarelo é como um extra, um bônus, um “chorinho”” do verde.
&nbsp

COMPARTILHAR

Veja

também

Maio Amarelo reforça preocupação com conscientização e segurança dos motociclistas

Perkons lidera mercado de segurança e gestão no trânsito

Maio Amarelo volta a acontecer nas ruas do país em 2023

Primeira lombada eletrônica do mundo agora está na Escola Pública de Trânsito de Curitiba

Brasileiro encontra um ponto crítico nas estradas a cada 44km 

Mesmo depois de 25 anos de obrigatoriedade, não usar cinto de segurança continua no TOP 5 das infrações de trânsito 

Cresce a paixão dos brasileiros pelas bicicletas

Volta às aulas exige cuidados redobrados com o transporte escolar

Brasileiros intensificam uso de celular ao volante e novo projeto de lei quer aumentar o valor da multa

Pesquisa mostra que 43% dos usuários têm medo de usar transporte público no pós-pandemia

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.