NOTÍCIAS

O trânsito mais assassino do mundo

NULL
Publicado em

    Em 2004, escrevi um artigo no JB, intitulado “Estradas Assassinas“, que tratava justamente do alto número de acidentes nas rodovias brasileiras. Eu disse, há seis anos, que, quando um avião comercial, Boeing ou Airbus, sofre um acidente, são mortas dezenas de pessoas ao mesmo tempo e todos os jornais colocam a notícia em manchetes, sensibilizando e chocando a todos. Por outro lado, quando ônibus, caminhões e automóveis são envolvidos diariamente em acidentes em nossas rodovias e no trânsito das grandes cidades, os jornais noticiam alguns deles e as pessoas consideram tais acidentes como fatos corriqueiros.
    Estamos em 2010 e a situação piorou muito, pois os acidentes continuam e as rodovias, as vias urbanas, as sinalizações, as fiscalizações e as punições continuam as mesmas, ou ficaram também piores, pois o Brasil é campeão mundial em vítimas de trãnsito, conforme mostrou uma reportagem jornalística recente.
    No Brasil, de 1990 à 2008, ocorreram, em média, na aviação civil, “apenas“ 99 mortes por ano. Essa média está alta devido aos três acidentes ocorridos com aviões de grande porte, Focker 100 da TAM (99 mortes), em 1996, Boeing da GOL (154 mortes), em 2006 e Airbus da TAM (199 mortes), em 2007, que, juntos, mataram 452 pessoas.
    Em contraposição, de 2002 à 2008, morreram 247.722 pessoas no trânsito brasileiro, segundo fontes oficiais do governo. Esse número corresponde a cerca de 97 pessoas mortas por dia, em média, enquanto a aviação matou 111 pessoas, em média, no mesmo período, de 2002 à 2008. Em resumo, o trânsito vem matando cerca de 4 pessoas por hora, ou uma morte a cada 15 minutos. Isso corresponde à queda de um Boeing ou Airbus a cada 2 dias.
    Esses acidentes podem ser atribuídos a quatro razões fundamentais: estradas mal conservadas, sinalização deficiente, falta de policiamento e gerenciamento de tráfego ineficaz. A malha rodoviária brasileira é um exemplo de desleixo com o dinheiro do contribuinte e de malversação do patrimônio público, principalmente por parte da classe política.
    O trânsito brasileiro, segundo uma recente matéria de um jornal carioca, em média, vem matando o mesmo que a Guerra do Iraque e 80% mais que o terrorismo mundial. Esse trânsito assassino supera em 10 vezes as mortes ocorridas na gerra civil de Angola.
    Os números acima deveriam sensibilizar a todos os brasileiros, principalmente àqueles que têm o poder de mudar esta situação. Diante da magnitude do problema, as ações deveriam ser iniciadas imediatamente, independentemente de correntes político-partidárias, pois estamos falando de um gravíssimo caso de saúde pública e de seres humanos que correm risco de morte, todos os dias.

Marcus Quintella


Originalmente publicado no jonral JB Online, em 07/01/2010.

COMPARTILHAR

Veja

também

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Aumento nos combustíveis pode diminuir número de veículos circulando

Crianças e adolescentes por um trânsito mais seguro

Maio Amarelo mostra como cada pessoa pode salvar vidas

Cresce o número de mulheres motoristas profissionais

Tecnologia facilitando a vida dos condutores

Sinalizar corretamente um acidente evita mais vítimas e infrações

Volta às aulas exige cuidados redobrados com o transporte escolar

Cruzamentos ainda são locais com grandes números de acidentes

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.