NOTÍCIAS

“O tempo é um elemento importante quando falamos em trânsito”

NULL
Publicado em
“O tempo é um elemento importante quando falamos em trânsito”

Nesta entrevista concedida a Perkons, o psicólogo Fábio de Cristo fala sobre a relação da psicologia com o trânsito e avalia o comportamento das pessoas. Ele é doutorando em psicologia na Universidade de Brasília. Como pesquisador do Laboratório de Psicologia Ambiental, desenvolve estudos sobre o comportamento no trânsito. Além disso, ele escreve no blog Psicologia e Trânsito (http://colunas.digi.com.br/author/fhvcs/) e administra o Portal de Psicologia do Trânsito (www.portalpsitran.com.br).

Perkons – Na sua opinião, qual a maior contribuição da psicologia ao trânsito?
Fábio de Cristo – São várias as contribuições da psicologia, no Brasil e no mundo. De maneira geral, a psicologia tem buscado compreender muitos dos comportamentos no trânsito e os processos psicológicos associados, colaborando com temas socialmente relevantes relacionados à (in)segurança no trânsito (exemplo, infrações e acidentes) e à qualidade de vida urbana (medidas de gerenciamento de tráfego e promoção de transportes sustentáveis).

Perkons – Nos dê exemplos!
FC – Além de atuar no processo de habilitação de condutores, alguns psicólogos têm colaborado junto a coordenações do DENATRAN (Qualificação do Fator Humano no Trânsito), câmaras temáticas do CONTRAN (Câmara Temática de Saúde e Meio Ambiente) e na direção de órgãos municipais e estaduais de trânsito. A psicologia também tem contribuído na produção de conhecimentos científicos e na formação de outros profissionais do trânsito (instrutores e diretores de autoescolas). Espero que nos próximos anos possamos contribuir mais na elaboração e implementação de políticas públicas de trânsito e transporte. 

Perkons – Você esta fazendo doutorado no Laboratório de Psicologia Ambiental da UNB. O que você está estudando dentro do tema trânsito?
FC – Estou estudando o hábito de dirigir automóvel. Além pesquisar formas de medi-lo, estou interessado em avaliar a influência da percepção da qualidade da infraestrutura de transporte na manutenção desse hábito. Espero colaborar cientificamente com o debate sobre a redução do uso do automóvel nas cidades e a melhoria dos transportes públicos. O Brasil deverá discutir melhor essas questões tendo em vista os intensos problemas atuais de congestionamentos.

Perkons – Em sua opinião, como deveriam ser as campanhas educativas para estimular um comportamento mais seguro no trânsito?
FC – A elevada quantidade de automóveis e o aumento da potência dos motores têm exigido de nós algo mais do que conhecimentos de como manobrar o veículo, por exemplo, a habilidade de conviver com muitas pessoas, o que não era tão exigido antigamente. As campanhas devem ampliar o foco de intervenção; devem caminhar do simples controle dos veículos para o controle da nossa vida; estimular o conhecimento das nossas limitações e potencialidades para agir coletivamente. Isso nos levará a um trânsito mais harmonioso.

Perkons – Por que é difícil controlar as emoções no trânsito?
FC – O tempo é um elemento importante quando falamos em trânsito. Recentemente, uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) identificou que 35% dos brasileiros percebem que a rapidez é a principal característica de um bom transporte. Queremos chegar rápido nos lugares, queremos nos deslocar rápido até um compromisso para, logo em seguida, ir a outro. Mas, e quando não conseguimos a rapidez esperada? Em muitos casos, nos comportamos inadequadamente pela pressão que o tempo exerce na organização das nossas atividades.

Perkons – Que dicas você costuma dar para que as pessoas aprendam a se controlar na direção e fazer a razão falar mais alto que a emoção?
FC – Um desafio para o moderno treinamento de motoristas é o desenvolvimento da nossa capacidade de nos autoavaliarmos a fim de controlarmos nossas emoções e impulsos. No trânsito, encontramos situações que exigem de nós conhecimentos, habilidades e atitudes que, muitas vezes, não encontramos em outro ambiente, por exemplo: ter paciência com o carro da frente, acelerar e frear logo em seguida em outro semáforo, controlar os pensamentos que desviam a atenção etc. E quase tudo isso ao mesmo tempo. Em algum momento, é natural que as nossas emoções se aflorem, especialmente nas ocasiões nas quais percebemos que a nossa vida está em risco e/ou acreditamos ter sido injustiçados após a conduta de algum motorista. A autoavaliação, portanto, nos dará elementos para analisar as situações e as nossas habilidades para lidar com ela e decidir sobre como se comportar adequadamente.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.