NOTÍCIAS

Não estamos apostando corrida

por José Mario de Andrade*

Publicado em

Contagem regressiva para que o semáforo fique vermelho estimula o motorista a aumentar ou reduzir a velocidade? Uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP), realizada pela tecnóloga Luciana Maria Gasparelo Spigolon, aponta que, talvez, os motoristas de São Carlos, Piracicaba e Ribeirão Preto estejam preparados para trafegar com os chamados temporizadores.
O levantamento testou os dispositivos em 29 cruzamentos dessas cidades, resultando numa redução média de 25% dos acidentes nas localidades; em São Carlos, a análise foi ainda melhor: 35% de redução de colisões e outros tipos de violências no trânsito.
Mesmo com os bons números, qualquer intervenção no trânsito precisa considerar seus impactos, condições de absorção e dinâmica. Quando apresentamos ao motorista mais um display com números decrescentes, pede-se ao condutor que processe mais essa informação, o que pode implicar num déficit de atenção aos outros componentes do trânsito: pedestres, outros automóveis e tantos outros fatores que podem gerar acidentes.
O uso do temporizador precisa ser considerado caso a caso, de acordo com características do cruzamento, volume de tráfego. Mas, em hipótese alguma deve ser uma obrigação o seu uso, como prevê um projeto de lei 6052/09, do deputado Manato (PDT-ES). A proposta do parlamentar contempla semáforos que estejam integrados aos equipamentos de fiscalização eletrônica (radares) para dar ciência ao motorista sobre a possibilidade de seguir ou não. Esse projeto já está sob análise das comissões competentes da Câmara Federal: Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
Se o objetivo da instalação dos temporizadores é maior segurança no trânsito, faz-se necessário, acima de tudo, observar o perfil do motorista daquela região. O verdadeiro caldeirão cultural brasileiro não permite um simples decreto – como alinhar hábitos regionais, permissões de velocidades diferentes e a realidade dos milhares de motoristas despreparados?
O estudo da mestre em Engenharia de Transportes da USP também fala da questão da fluidez do tráfego: precisamos considerar uma frota crescente em velocidade vertiginosa, o que a perda de tempo no trânsito acarreta para a economia e também a questão do aproveitamento das tecnologias já existentes, que não podem ser ocultadas por novas aparentes soluções. As leis e sinalizações presentes nas vias estão aí para serem cumpridas.
A verdade é que, mesmo depois de 13 anos de Código de Trânsito Brasileiro, algumas revisões e remendos, o trânsito trilha o mesmo caminho: a tecnologia só pode ser bem explorada quando a mola mestra dele – o motorista – se conscientizar de que não estamos disputando uma corrida, mas trabalhando em prol da mobilidade como um todo.

 

*José Mario de Andrade
Especialista em trânsito e diretor da Perkons – empresa especializada em tecnologia para a segurança e gestão integrada de tráfego.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.