NOTÍCIAS

Na prática, a preferência não é do pedestre

A rua é a segunda casa do cidadão, mas é pública, compartilhada e deve acolher com prioridade os pedestres

Publicado em

Quando um pedestre ou um ciclista são atropelados ou um carro em alta velocidade causa acidente, as fotos do desastre sempre ocupam as capas dos jornais. A violência é notícia. Dados do Ministério da Saúde mostram que em 2010 houve 40.610 mortos no trânsito. A cada 100 mil brasileiros, 76,5 foram internados em decorrência de acidentes de transportes no período. As maiores taxas são entre os motociclistas (36,4 por 100 mil) e pedestres (20,5 por 100 mil). 
De acordo com o Relatório Global da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a segurança viária em 178 países, publicado em 2009, 91% das mortes por acidentes de transportes acontecem em países de baixa e média renda. O Brasil está entre as dez nações com as mais altas taxas de mortalidade no trânsito.
& nbsp;   A cultura, as políticas públicas e a história são alguns fatores que permitem entender a diferença do trânsito para os pedestres no Brasil em comparação a outras localidades.  Para aprofundar o tema, a Perkons buscou brasileiros residentes em Madri, na Espanha, e em Copenhage, na Dinamarca, além de ouvir a opinião do presidente da Associação Brasileira de Pedestres, Eduardo Daros, e a especialista em trânsito da Perkons, Maria Amélia Franco. E a conclusão alcançada é de que é necessária uma mobilização em várias vertentes – nenhuma surpresa para quem acompanha o mínimo de notícias sobre o trânsito.
Segundo Maria Amélia Franco, especialista em trânsito e gerente de Marketing da Perkons, empresa que atua há 20 anos com informação e tecnologia voltada para mobilidade, “o Código de Trânsito Brasileiro, quando passou a viger em 1998, foi anunciado à época como o código da vida por prever que os pedestres têm prioridade, embora o status e domínio do automóvel e, hoje em dia, também das motos, faça parecer que a prioridade é deles. São diversos os dispositivos que estabelecem regras de circulação e conduta aos condutores pautadas em atitudes preventivas e de cautela, em especial em zonas de tráfego de pedestres”, analisa.

Segunda chance
Embora na prática o CTB ainda não tenha garantido o respeito ao pedestre brasileiro, na opinião da especialista, ele teve um quinhão de atenção com o advento da Lei da Mobilidade. “A nova Política Nacional de Mobilidade Urbana traz diretrizes para o incentivo do transporte coletivo e não motorizado que garantem supremacia sobre o uso individual do carro, o que significa avanço cultural. Se analisarmos que são ofertadas vias mais largas e melhores condições de tráfego aos veículos enquanto os pedestres têm suas calçadas estreitadas e o acesso limitado, observaremos que a locomoção a pé vem sendo discriminada pelos governantes. Essa discriminação aparece em forma de incentivo ao transporte individual motorizado, ao status incrustado na compra de um automóvel e à cultura de que quem tem mais dinheiro é, por algum motivo, mais importante do que quem não tem. Além disso, a exigência da elaboração de um plano de mobilidade para cidades com mais de 20 mil habitantes é bem interessante. Muitos municípios poderão avançar no caminho certo e sair na frente, enquanto as grandes cidades já sofrem com os erros do passado”, pontua.
Para Maria Amélia, é muito importante que os engenheiros responsáveis pela estruturação da mobilidade pensem, sobretudo, no pedestre. “Situações de conflito comuns entre veículos e transeuntes acontecem quando centros comerciais, terminais de ônibus, escolas, indústrias e outros polos atrativos de viagens a pé estão localizados em vias arteriais ou de trânsito rápido, onde o fluxo de veículos é intenso. Estes cenários revelam muitas vezes uma deficiência no planejamento do uso do solo e requerem cuidados redobrados à segurança dos pedestres. Outro contexto importante de destacar está em trechos urbanos de rodovias, onde a ocupação lindeira se dá às margens da via, que corta a cidade, fazendo com que os moradores de um lado busquem serviços do outro lado da rodovia”, exemplifica.
Como forma de melhorar a segurança nestes casos, Maria Amélia sugere priorizar o tratamento do fator de risco mais predominante e com maiores impactos à segurança, que é a velocidade. “Além de estabelecer limites de velocidades compatíveis, lançar mão de técnicas de traffic calming e garantir a obediência por meio de fiscalização. Uma situação lamentável que vivenciamos é a ausência de fiscalização eletrônica de velocidade para faixas exclusivas ao transporte público que resulta no crescente índice de acidentes graves e fatais envolvendo ônibus, natural pela natureza de seu tamanho e retardo ainda maior na frenagem de emergência”, diz.
O sucesso em campanhas de educação no trânsito, segundo Maria Amélia, passa necessariamente pela integração de ações de engenharia, educação e fiscalização, assim como a atuação por meio da mobilização da sociedade e de ampla comunicação e abrangência na mídia. “Em São Paulo, as intervenções nas vias, batizadas de Zonas de Máxima Proteção ao Pedestre, como em sinalização, melhoria de calçadas, estreitamento da via, adequação e manutenção das faixas de travessia e avaliação da segurança quanto à visibilidade do pedestre nos cruzamento são algumas medidas que CET-SP lançou mão e acertou”, sintetiza.

COMPARTILHAR

Veja

também

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Aumento nos combustíveis pode diminuir número de veículos circulando

Crianças e adolescentes por um trânsito mais seguro

Maio Amarelo mostra como cada pessoa pode salvar vidas

Cresce o número de mulheres motoristas profissionais

Tecnologia facilitando a vida dos condutores

Sinalizar corretamente um acidente evita mais vítimas e infrações

Volta às aulas exige cuidados redobrados com o transporte escolar

Cruzamentos ainda são locais com grandes números de acidentes

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.