NOTÍCIAS

Movimentos repetitivos no trânsito causam doenças em motociclistas

O diretor de Comunicação da Abramet, Doutor Dirceu Rodrigues Alves, fala sobre as doenças causadas por atividades repetitidas nos motociclistas. Confira entrevista dada à Perkons.

Publicado em

Os profissionais que desempenham atividades no trânsito também estão sujeitos às doenças causadas por movimentos repetitivos. O diretor de Comunicação da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego) e do Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional da Associação, Doutor Dirceu Rodrigues Alves, fala sobre as principais enfermidades relacionadas à rotina dos motociclistas profissionais. O especialista explica como prevenir e tratar lesões por esforço repetitivo. Confira a entrevista:
                                                

Perkons:    Quais são os principais movimentos repetitivos que o motociclista profissional executa durante o dia e que podem acarretar em lesões?  
 
Doutor Dirceu: Frenagem, mudança de marcha, aceleração, movimentos para girar o guidão, força muscular aplicada nesses movimentos e postura incorreta (vícios posturais).
 
Perkons:    Quais são as principais lesões ocasionadas por movimentos repetitivos?
 
Doutor Dirceu: Síndrome do túnel do carpo (punhos), tenosinovite de cotovelo e tendinite de supra espinhal (ombro) são os mais comuns. É preciso lembrar que existe um fator de risco que acelera esses processos degenerativos que é a vibração segmentar (braços) e de corpo inteiro. O veículo vibra por seu molejo e nos pisos irregulares.

Perkons:    Existe alguma forma de prevenir estas lesões?
 
Doutor Dirceu: Reduzir a jornada de trabalho. Quanto maior a exposição maior a possibilidade de lesões. Interromper o trabalho a cada duas horas quando, em local seguro, irá fazer o que chamamos de ginástica laboral. Alongar músculos, tendões e mexer com grupos musculares que não estavam sendo utilizados durante o trabalho. Fazer uma caminhada com objetivo de melhorar o processo circulatório oxigenando o tecido muscular que estava sendo usado na tarefa. Manter sempre bom condicionamento físico.

Perkons:    Depois de acometidos pela Lesão pelo Esforço Repetitivo (LER), qual o melhor tratamento? 
 
Doutor Dirceu: LER é uma doença degenerativa, progressiva e muitas vezes incapacitante. Afastar da atividade temporariamente, imobilização do local comprometido, uso de antinflamatórios e analgésicos, fisioterapia, infiltração de medicamento no local doente são os arsenais que temos para minimizar a queixa do paciente. Algumas vezes, o paciente tem indicação cirúrgica, mas o tratamento é paliativo. O processo tem períodos de melhora e outros de piora. Não há cura definitiva. Caso haja melhora, voltando a sobrecarregar aquele músculo, tendão ou articulação volta a ter queixas.

Perkons:    Existe cura para LER? 
 
Doutor Dirceu: Como já citei não há cura. Pode o indivíduo viver sem queixas não sobrecarregando a área doente.
 
Perkons:    Estas lesões são frequentes em motoqueiros profissionais? 
 
Doutor Dirceu: Tornam-se frequentes naqueles mais suscetíveis, ou seja, nos que mais se expõem e nos portadores de doença pré-existente.

COMPARTILHAR

Veja

também

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Aumento nos combustíveis pode diminuir número de veículos circulando

Crianças e adolescentes por um trânsito mais seguro

Maio Amarelo mostra como cada pessoa pode salvar vidas

Cresce o número de mulheres motoristas profissionais

Tecnologia facilitando a vida dos condutores

Sinalizar corretamente um acidente evita mais vítimas e infrações

Volta às aulas exige cuidados redobrados com o transporte escolar

Cruzamentos ainda são locais com grandes números de acidentes

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.