NOTÍCIAS

Mototáxi/motofrete – fiscalização. Todas as motos estão irregulares

por Marcelo José Araújo*

Publicado em

As atividades de motofrete (transporte de cargas remunerado) e mototáxi (transporte de passageiros remunerado) precisam se submeter a uma série de exigências, tanto ao condutor quanto ao veículo, e essas atividades já estariam sujeitas a fiscalização, PORÉM NENHUMA MOTOCICLETA ESTÁ REGULAR, MESMO AS QUE FORAM REGULARIZADAS EM PARTE. Explicamos:

A Resolução 356 do Contran, que regulamenta a atividade, estabelece que para a atividade de motofrete, a motocicleta que receber aparatos para transporte de cargas (baús, grelhas, etc.) deve ser registrado na espécie CARGA junto ao órgão de trânsito, após inspeção em organismo credenciado. Ocorre que nos termos do Art. 117 do Código de Trânsito os veículos de carga precisam conter em local de fácil visão a inscrição da TARA (peso próprio do veículo), LOTAÇÃO (capacidade de carga), PBT (soma dos anteriores) e CMT (capacidade máxima de tração), informações que devem ser obtidas no organismo de inspeção mediante ensaios próprios, caso as informações não sejam fornecidas pelo fabricante. A ausência dessas informações caracteriza infração ao Art. 237 do CTB pela falta de inscrições ou simbologia. Isso vale para qualquer veículo de carga, desde uma caminhonete pequena até um veículo de grande porte. A motocicleta de CARGA não está isenta dessas obrigações.

A própria Resolução 356 também prevê em seu Art. 3º, § 3º que tanto motofrete (reforçando o Art. 117 do CTB) quanto mototáxi devem ter registrado no CRV (certificado de registro) a informação do CMT (capacidade que o veículo possui de tracionar outro veículo). Outro equívoco na documentação das motos de carga transformadas. No campo do documento onde consta ‘CAPACIDADE’, que é a Lotação, em veículos de passageiros deve constar o número de pessoas incluído o motorista, e nos de carga o peso que o veículo suporta incluído o peso do(s) ser(es) humano(s) embarcados.

A conclusão é que se for realizada fiscalização nos pontos indicados nenhuma motocicleta estará regular para a atividade, sujeita inclusive ao recolhimento, mesmo as que supostamente se submeteram a regularização, que foi parcial.

*Marcelo José Araújo
Advogado e Consultor de Trânsito, Professor de Direito de Trânsito e Membro da Comissão de Trânsito da OAB/PR
marceloaraujotransito@gmail.com

COMPARTILHAR

Veja

também

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Aumento nos combustíveis pode diminuir número de veículos circulando

Crianças e adolescentes por um trânsito mais seguro

Maio Amarelo mostra como cada pessoa pode salvar vidas

Cresce o número de mulheres motoristas profissionais

Tecnologia facilitando a vida dos condutores

Sinalizar corretamente um acidente evita mais vítimas e infrações

Volta às aulas exige cuidados redobrados com o transporte escolar

Cruzamentos ainda são locais com grandes números de acidentes

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.