NOTÍCIAS

Funções visuais no trânsito

NULL
Publicado em

    Dirigir é, essencialmente, uma tarefa visual. Porém, a principal questão que emerge é: quais são os requisitos visuais para obter ou manter uma carteira de habilitação? Neste contexto, há duas variáveis que podem ser analisadas: segurança e desempenho do motorista. Segurança é definida pelos eventos adversos ao dirigir, tipicamente o envolvimento em colisões. O desempenho refere-se ao comportamento do motorista dirigindo, podendo ser mensurado através das medidas físicas das ações de dirigir, tais como, velocidade, frenagem, latência, posição na pista, monitoramento visual e, também, por avaliações, em escalas padronizadas, dadas por avaliadores treinados viajando ao lado do motorista.
    Um revisão, publicada na Vision Research (2010), analisou o papel de diferentes funções visuais na segurança e desempenho do motorista. Conclusões principais foram: (1) acuidade visual é, fracamente, associada à segurança e, portanto, é um pobre teste de triagem para identificar motoristas que podem se envolver em colisões futuras. Não obstante, acuidade visual é relacionada a vários aspectos do desempenho de dirigir, principalmente, o reconhecimento de sinais trânsito. (2) escores elevados no comportamento de dirigir foram correlacionados com melhor sensibilidade ao contraste. Sensibilidade ao contraste melhor prediz o reconhecimento de sinais, obstáculos e pedestres, enquanto dirigindo à noite, do que a acuidade visual. (3) rapidez de processamento visual e atenção dividida foram associadas a problemas no desempenho de dirigir. Motoristas idosos, com déficits na atenção dividida, foram menos prováveis de detectar, reconhecer sinais e pedestres, e necessitaram de mais tempo para completarem um circuito interno experimental. (4) muitos dos estudos que examinaram a relação entre deficiências no campo visual e envolvimento em colisões automotivas, revelaram resultados nulos. (5) em motoristas com perdas intensas no campo visual binocular, os movimentos oculares podem servir como estratégia compensatória para que mais áreas no mundo visual possam ser vistas. (6) motoristas monoculares possuem certas limitações em algumas funções visuais comparados com os binoculares, mas, as diferenças no desempenho, na maioria das funções cotidianas de dirigir, não foram aparentes, tais como, busca visual, alinhamento na pista, detecção de perigos, julgamentos de distância/altura e reconhecimento de informação. (7) percepção de cores, de movimento, estereoacuidade e ofuscamento, são funções visuais importantes para reconhecimento de sinais coloridos, atender painel interno e na detecção de perigos.
    Os dados recomendam a necessidade de delinear e desenvolver testes de triagem que possam ser mais prontamente transladados para as políticas de habilitação de motorista.

José Aparecido da Silva,
professor da USP


Originalmente publicado no site Gazeta de Ribeirão em 11/07/2010.

COMPARTILHAR

Veja

também

Visão Zero é capaz de transformar a mobilidade urbana no Brasil

Maio Amarelo 2024: Paz no trânsito começa por você

Perkons destacará suas soluções inovadoras e impacto na segurança viária na Smart City Expo Curitiba 2024

Lei da Cadeirinha completa 16 anos

Celebrando o aniversário do Código de Trânsito Brasileiro: 26 anos de avanços e transformações

Um alerta para o risco das ultrapassagens indevidas

“Lei Seca” completou 15 anos em 2023

Cinto de segurança: mais de 70 anos ajudando a salvar vidas

Inovações em segurança no trânsito ajudam a evitar sinistros

Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito e os perigos do excesso de velocidade

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.