NOTÍCIAS

Fé em Deus e Pé na Tábua, por Cristina Baddini Lucas

NULL
Publicado em

    Este é o nome do livro que será lançado pelo antropólogo Roberto Da Matta que mostra que o trânsito reproduz valores de uma sociedade moderna, mas atrelada ao passado. Ele assessorou estudos feitos no Rio Grande do Sul que constataram uma contradição percebida facilmente por quem circula por ruas, avenidas e estradas. Para os motoristas gaúchos, os responsáveis pelo trânsito violento e incivilizado são sempre os outros, Mas, como interpretar as causas desta visão distorcida da realidade? 69% dos entrevistados disseram que não cometem imprudências ao volante.
    Ficou demonstrado que o espaço de todos pertence a quem ocupar este espaço primeiro, com mais agressividade. Todo mundo é cidadão, todo mundo tem direitos, mas respeitando a igualdade do outro. E é exatamente o que caracteriza o trânsito. Por quê? Porque pessoas que estão submetidas às regras das vias públicas brasileiras e do espaço público brasileiro, em geral, não aprenderam a ser igualitárias. A igualdade para nós é menos importante do que a liberdade.

Hierarquias bem definidas
    Obedecer no Brasil é um sintoma de inferioridade. É um aspecto que a pesquisa identificou. Quem obedece, quem segue lei no Brasil, é bobo, idiota. Como o estilo brasileiro de dirigir é agressivo, também fomos criados com uma visão da casa como inimiga da rua. É como se o mundo da rua não fosse regrado pelas mesmas regras de casa, que é a regra do acolhimento.

Lei Seca
    No Brasil nós não preparamos a sociedade para as mudanças. Quando se discute a questão da igualdade, o fazemos de maneira retórica. Há uma elasticidade grande na cultura brasileira, que tem uma grande inércia. Você freia, mas o peso da tradição continua. A Lei Seca foi maravilhosa neste sentido, pois atingiu o comportamento da classe média. A Lei Seca provocou uma visão ambígua e paradoxal na classe média.

Os incomodados que se mudem
     Não é verdade! Precisamos falar mais em equidade e ensinar mais igualdade além de praticá-la no cotidiano. Quem que tem carteira de motorista e já não passou muitos sufocos?  Um carro que leva o retrovisor do outro carro e simplesmente vai embora. Motoristas que atropelam e não prestam socorro. Inconcebível! As pessoas quando estão dentro de um carro, parecem imaginar que estão dentro de uma bolha blindada ou algo parecido, e que só elas importam. O cúmulo do egoísmo, por exemplo, é aquela situação onde alguém pretende mudar de faixa, observa que há uma boa distância do carro que vem vindo na faixa em que vai entrar, mas perceber que o outro carro acelera simplesmente para impedir a manobra pretendida e sinalizada. O que ele ganha com isso? Mas o contra ataque vem com aquela tática incrível e imprudente  para mudar de faixa quando o motorista primeiro joga o carro, depois liga a seta e assim o carro de trás não acelera e se houver batida pode-se argumentar que o carro estava dando seta. Situações esdrúxulas como passar sobre as poças espalhando água suja nos pedestres que estão próximos são comuns mas intoleráveis. O pedestre é tratado como um cidadão de segunda classe. É a tal “Lei de Gérson”!
    Esse tema não tem fim, concordam? São tantos os absurdos que vemos por aí, tanto egoísmo, falta de delicadeza, agressividade e violência que nos fazem apenas sonhar com o dia em que veremos o trânsito deixar de ser uma selva com irracionais dirigindo carros!

Cristina Baddini Lucas –  Consultora do Diário do Grande ABC, Diretora da ONG Rua Viva, Assessora do MDT
Visite os blogs:  http://olhonotransito.blogspot.com&nbsp

COMPARTILHAR

Veja

também

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Aumento nos combustíveis pode diminuir número de veículos circulando

Crianças e adolescentes por um trânsito mais seguro

Maio Amarelo mostra como cada pessoa pode salvar vidas

Cresce o número de mulheres motoristas profissionais

Tecnologia facilitando a vida dos condutores

Sinalizar corretamente um acidente evita mais vítimas e infrações

Volta às aulas exige cuidados redobrados com o transporte escolar

Cruzamentos ainda são locais com grandes números de acidentes

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.