NOTÍCIAS

Este ano pode ser diferente

por Maria Amélia Marques Franco*

Publicado em

A correria, a desatenção e os desgastes causados pelo trânsito no final do ano podem ser evitados, ou ao menos, amenizados. A receita não é nova, os ingredientes são bem conhecidos e precisam ser apenas lembrados.

Uma dica é planejar e antecipar as compras de presentes, da ceia de Natal e de Ano Novo para evitar as enormes filas nos shoppings e áreas comerciais, que fazem com que aumentem o já caótico trânsito nas cidades. Para poupar tempo e stress, há ainda a opção de comprar pela internet ou no comércio local, no seu bairro ou regiões próximas ao trabalho, assim os deslocamentos podem ser a pé.

Outras formas de contribuir para a mobilidade nessa época, são praticar a carona solidária e sair em horários alternativos. Funcionários de empresas que adotam horários flexíveis de trabalho podem programar sua jornada para sair mais cedo e evitar os horários de pico. Com isso, quem opta pelo carro, dribla o engarrafamento e perde menos tempo buscando vagas. Quem sai a pé, usa táxi ou outros meios de transporte também ganha nos seus deslocamentos e todos evitam os transtornos das chuvas de verão, comuns no fim da tarde.

E, claro, deixar o espírito do Natal, de solidariedade e de respeito ao próximo aflorar também no trânsito. Parar em fila dupla, sobre a faixa de pedestres, bloquear cruzamentos para aproveitar o sinal, fazer conversões proibidas como forma de atalho são exemplos de condutas comuns e que só prejudicam a tão desejada mobilidade.

Não menos importante, quando se vai viajar para aproveitar as férias alguns cuidados são imprescindíveis para evitar transtornos, como checar se a documentação do veículo e do condutor estão em dia, conferir o funcionamento de faróis, lanternas, freios e limpadores de para-brisa, o nível de água e de óleo, as condições dos pneus e a presença de estepe e triângulo, entre outros itens de revisão.

Mas os cuidados não devem ser apenas com o veículo. A segurança no trajeto está também nas mãos do motorista. Usar o cinto e manter a velocidade segura oferece melhores condições de manobras e frenagem diante de obstáculos, curvas ou problemas nas pistas, e a redução do impacto em caso de acidente é o que pode fazer a diferença entre sair ileso ou não. Da mesma forma, a ultrapassagem só deve acontecer com total segurança, quando a sinalização permitir e se tiver ampla visão da pista à frente.

Além disso, as viagens mais longas requerem paradas para descanso. Nem pensar em emendar mais algumas horas de direção, ou achar que conversar com os passageiros vai tapear o sono e o cansaço. Os reflexos diminuem e é um engano pensar que está em condições de dirigir; os efeitos podem ser comparados aos de quem bebeu antes de pegar a direção. Se a questão é não parar para ganhar tempo, a dica é revezar a direção com outros passageiros. A segurança deve vir sempre em primeiro lugar.

Maria Amélia Marques Franco* é gerente de Marketing da Perkons, empresa especializada em segurança e gestão de trânsito.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.