NOTÍCIAS

Educação no trânsito – Semana Nacional do Trânsito

NULL
Publicado em

    Tudo absolutamente igual, ano após ano, feriado após feriado: os efeitos do álcool; menores ao volante; profissionais `rebitados`, brigas, subornos, multas, etc. Tudo isto é o trânsito nosso de cada dia.
    Por que só nos mostram depois do feriadão a imagem do motorista de caminhão que dormiu ao volante colidindo com um ônibus lotado, matando não sei quantos e ferindo outros tantos? Adolescentes ao volante: irresponsáveis, sempre em alta velocidade, achando que com ele não acontece?. Famílias chorando a perda de seus filhos queridos aparecendo na telinha nos alertando para cuidarmos dos nossos.
    Mas será que é só isto? E o outro lado, não existe?
    Aquele dos motoristas exemplares, dos cidadãos conscientes, dos policiais dedicados, da prudência e da paciência? O profissional do volante dedicado que dirige defensivamente, Por que ele não é notícia? Cadê a imagem do jovem responsável que bebe e não pega no volante, do jovem que freqüentou todas as aulas no Centro de Formação teórica com bons instrutores depois foi para o prático e realmente aprendeu a dirigir com responsabilidade e respeito? Ele existe, ele preserva o trânsito, por que ele foi EDUCADO para isto, e por mais que ele tente desrespeitar as normas fica difícil para ele, pois ele foi doutrinado a obedecer.
    Podemos ir mais longe falando do tiozinho que não fica somente grudado ao volante do seu Del Rey 90 `atrapalhando` a fluidez do trânsito. Mas temos o cidadão da `melhor idade` que tem maturidade suficiente para evitar uma discussão, quando um estressado lhe dá aquela fechada, ou então do taxista que além de não atender uma solicitação do passageiro para uma manobra perigosa, (ah vira ali), ele ainda lhe dá uma aula de direção defensiva e legislação de trânsito. Ciclistas, mulheres, idosos e pedestres.
    Por que não mostramos o outro lado?
    Uma das questões que precisamos levantar nesta Semana Nacional do Trânsito é essa tendência da mídia e dos próprios órgãos de trânsito de enfocarem somente um lado da tão almejada mudança de comportamento no trânsito, (temos inclusive ótimas propagandas publicitárias neste sentido). Mas e o outro lado?
    A Psicologia nos comprova que o reforço positivo é tão eficiente quanto à punição. Precisamos valorizar o outro lado do comportamento no trânsito e fugir de estereótipos a questão do comportamento no trânsito vai além das placas de advertência e das `canetadas` do agente de trânsito.
    O que a mídia e as instituições ligadas ao trânsito precisam entender é que quando se fala em educação e trânsito podemos encontrar um paradigma duas linhas de pensamento Educação no Trânsito e Educação para o trânsito.
    Educação no Trânsito: pessoas participando do trânsito com educação.
    Educação para o Trânsito: A pessoa foi devidamente formada previamente preparada para isso.
    Acredito que a campanha nacional deveria focar a educação para o trânsito, valorizando fiscalizando as instituições de ensino ligadas ao trânsito. A mídia tem um poder muito forte na formação de opinião, na capacidade de induzir as pessoas, com seus filmes que são repetidos de duas a três vezes no mesmo semestre, suas novelas e seriados os programas jornalísticos que destacam tragédias acidentes, mortes, tragédias isso é mostrado todos os dias. São poucas as redes de TV, rádios, meios de comunicação que dispõem de 10 minutos que seja, para falar sobre EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO, para falar sobre direção defensiva, legislação de trânsito, sobre segurança no trânsito.
    Ao contrário de que muitas pessoas pensam educação para o trânsito não é somente para motoristas, ou para aqueles que querem dirigir, é na condição de usuário da via que a pessoa se socializa, vimos no trânsito um local de convivência social.
    Educar crianças e jovens socializá-los ao trânsito é visto por nós como uma condição necessária e esta primeira formação os trariam novos conceitos e os preparariam educando-os e levando-os para tomada de decisão de ser ou não condutor, de portar ou não, a Carteira Nacional de Habilitação.
    Educação no trânsito. Uma aliança com a vida. Nada melhor que a educação para desenvolver as capacidades humanas visando à integração social e a cidadania.

Gilberto Batista de França
Instrutor de Trânsito

COMPARTILHAR

Veja

também

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Aumento nos combustíveis pode diminuir número de veículos circulando

Crianças e adolescentes por um trânsito mais seguro

Maio Amarelo mostra como cada pessoa pode salvar vidas

Cresce o número de mulheres motoristas profissionais

Tecnologia facilitando a vida dos condutores

Sinalizar corretamente um acidente evita mais vítimas e infrações

Volta às aulas exige cuidados redobrados com o transporte escolar

Cruzamentos ainda são locais com grandes números de acidentes

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.