NOTÍCIAS

Congestionamentos

por Cristina Baddini Lucas*

Publicado em

A malha viária do ABC não comporta tantos veículos circulando e criando congestionamentos na Região. Somos responsáveis por 15% do total de viagens diárias realizadas em toda a metrópole de São Paulo e a contínua expansão da malha viária não é mais possível. Hoje em dia, as pessoas nos carros enfrentam congestionamentos seja qual for a alternativa de trajeto que escolherem. E assim a vida urbana vem perdendo qualidade a cada dia.
É fundamental que haja algum nível de gestão regional priorizando o transporte coletivo urbano e metropolitano, priorizando a modalidade de maior capacidade de transporte de pessoas, reduzindo o consumo de combustíveis, proporcionando melhor qualidade ambiental, reduzindo os acidentes e mortes no trânsito tudo isto com a priorização para o transporte coletivo. Neste sentido, o Grande ABC trabalha na implantação do Monotrilho e Trem Expresso ligando o ABC a São Paulo com bons resultados sob o aspecto da melhoria da qualidade de vida.

O desafio
Bons sistemas de transporte público são essenciais para reduzir a dependência do automóvel, mas não são suficientes. É preciso também que os governos adotem medidas restritivas ao transporte individual motorizado, pois há um grave desequilíbrio entre os investimentos que toda a sociedade faz na infraestrutura rodoviária e o seu uso quase exclusivo por parte de quem anda de carro no dia a dia. É preciso taxar estacionamentos e fazer pedágios urbanos nos grandes centros, destinando os recursos arrecadados aos transportes públicos.

Operação Compartilhada
O Grupo de Trabalho de Mobilidade Urbana do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC fez um plano emergencial para o trânsito da região chamado “Operação Compartilhada”, que foi aprovada pelos Prefeitos da Região e anunciada pelo Presidente do Consórcio Mário Realli. A Operação Compartilhada estipula ainda a integração dos agentes de trânsito do ABC, o fim das vagas de estacionamento das ruas dos três eixos prioritários escolhidos pelo alto nível dos congestionamentos.
ABC proíbe caminhões nos horários de pico
Conforme o último levantamento do Departamento Nacional de Trânsito, realizado em setembro, a região possui 1.413.085 veículos. Destes, 1.065.983 são compostos por veículos leves e 71.951 são pesados. Alguns especialistas criticaram estas medidas, mas primeiramente elas não podem ser analisadas isoladamente e em segundo lugar, não se compara diretamente número de automóveis com caminhões. Sabemos que a circulação de caminhões é muito mais lenta e o espaço na via que um caminhão ocupa é três vezes maior que o de um automóvel. Além do mais, a região do Grande ABC é industrial e a circulação de caminhões se dá muito além da logística de distribuição de cargas para o comércio, mas também pela saída das mercadorias e automóveis das indústrias do ABC. Um caminhão que se acidenta , se quebra ou uma carreta que se enrosca já é o suficiente para paralisar uma ou mais cidades da região. Saliento que uma medida que otimize esta distribuição e uma melhoria no trânsito venha a beneficiar o comércio e a indústria local. Vocês concordam que de nada adianta um caminhão carregado ficar parado no congestionamento.Acredito que a infraestrutura urbana que fica ociosa no entrepico e principalmente a noite pode atender com bastante eficiência a carga que se desloca nas cidades.

Parabéns
Foi um passo importante para a solução de problemas de circulação enfrentados pelas cidades.Os prefeitos estão tendo vontade política para empunhar a bandeira de usar os espaços urbanos da melhor maneira possível em prol da população. Espero que o Consórcio seja um viabilizador de ações conjuntas para a segurança no trânsito e melhoria da vida de quem vive e circula pelo ABC.

*Cristina Baddini Lucas
Assessora do MDT, colunista do Diario do Grande ABC (Coluna De Olho no Trânsito)

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.