NOTÍCIAS

Carona solidária é alternativa também para usuário do transporte público

Especialista da Perkons afirma que a medida sozinha não é solução para mobilidade

Publicado em
Carona solidária é alternativa também para usuário do transporte público

Em tempos em que as pessoas precisam enfrentar diariamente trânsito parado e demora para chegar ao trabalho ou à escola, faz-se necessário procurar opções que resultem em menos carros nas ruas. A carona solidária, no inglês carpooling, é uma alternativa, na prática, ainda pouco atrativa para muitos. No geral, as pessoas se mobilizam e procuram as caronas em momentos pontuais, como por exemplo, uma greve no transporte coletivo, a dificuldade em encontrar um táxi rapidamente, ou por um problema mecânico no seu veículo.


CEO de site de carona afirma que apenas 50% dos usuários cadastrados possuem carros.
Crédito: Shutterstock

A carona solidária seria uma medida para estimular o uso do automóvel por mais de um passageiro, o que contribuiria para a diminuição do tráfego e do volume de poluentes veiculares, mas tem atraído também usuários do transporte de massa segundo a especialista em trânsito da Perkons, Idaura Lobo Dias.

Ela avalia que a medida pode tirar passageiros do transporte público e diminuir a lotação, mas não necessariamente irá contribuir para reduzir o número de veículos das ruas. Por isso, a medida não é uma solução para a melhoria das condições de mobilidade isoladamente, e sim uma alternativa junto a outras. “Mostra-se mais efetiva quando estimulada nos entornos de grandes polos geradores de tráfego – como instituições de ensino, estádios de futebol e grandes empresas -, principalmente nas horas pico, concentradas nos horários de ida e retorno”, afirma.

Entre os motivos para muitos não aderirem à carona estão fatores como segurança, cultura e a participação de instituições e do governo. De acordo com Idaura, o envolvimento das instituições que são polos geradores de tráfego e seu papel no levantamento de cadastro de endereços de colaboradores e adoção de mecanismos para organizar as rotas e propor a adesão são fundamentais. “Para estimular a participação, as instituições podem estabelecer vagas especiais no estacionamento ou outros incentivos. Os órgãos gestores do trânsito podem favorecer o carpooling, destinando faixas de tráfego para quem tiver mais de um passageiro no veículo”, sugere.

A especialista destaca que a adoção da carona solidária requer adaptação e concessões do motorista e passageiro. “É importante que os participantes estejam conscientes quanto ao compromisso com o horário, à predisposição a realizar eventuais desvios de rotas ou de caminhar até um local combinado, que favoreça o trajeto de ambos, e quanto aos comportamentos apropriados – como direção segura, higiene, escolha da música e som alto, zelando pela boa convivência”, aconselha. Outra recomendação é buscar referências sobre demais participantes e estabelecer um acordo, ainda que verbal, de como funcionará a carona.

O que diz a lei

A carona solidária não pode ser cobrada, visto que a condução remunerada é restrita a quem tem permissão para transportar passageiros, conforme artigo 135 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Além disso, o condutor deve ter a informação de que exerce atividade remunerada com veículo incluída na sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH), segundo artigo 147, § 5° do código. Ao realizar o transporte remunerado de pessoas sem a devida licença para esse fim, o condutor infringe o artigo 231, VIII do CTB. A infração é média, punida com multa de R$ 85,13 e 4 pontos na CNH, e o veículo pode ser retido.

Sites especializados em carona solidária prezam pela segurança

Existem sites que promovem com segurança o contato entre os interessados na carona. Se não houvesse um site seguro, o publicitário Paulo Wolf, que há cerca de dois anos dá carona para duas pessoas que residem próximas à sua casa, não seria adepto da prática. “É uma maneira de me tornar útil para pessoas que moram perto e fazem exatamente o mesmo trajeto que eu. Além disso, num trânsito parado é menos estressante ir de um local a outro batendo papo”, diz.

O site utilizado por Paulo é o www.eco-carroagem.com.br, que funciona gratuitamente. O criador do projeto, Michel Mazard, explica que é feito um cadastro rigoroso para garantir a segurança das caronas. O primeiro passo é fazer a inscrição, que será liberada pelo superior imediato da empresa que o futuro cadastrado trabalha, pelo fato de conhecê-lo. “95% dos cadastrados trabalham. Foi a maneira que encontramos para dar segurança a quem pertence à comunidade. Após a terceira reclamação de um mesmo usuário, o site retira-o dos registros”, explica.

O site www.caronetas.com.br, com proposta semelhante, desenvolveu um sistema de milhagem como incentivo à prática. O usuário utiliza as milhas para dar ou receber carona. Os pontos acumulados pelo motorista podem ser trocados por produtos ou serviços, ou mesmo carregados num cartão de crédito.

O CEO do Caronetas, Marcio Nigro, avalia que entre os usuários do site há todos os tipos de pessoa. “50% dos usuários possuem carro. Há aqueles que se inscrevem para ter uma companhia e, dessa forma, se sentem mais seguros, e há outros que procuram sair do transporte público”, acrescenta.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.