NOTÍCIAS

Cadeirinhas: Ong alerta para ajustes na Resolução do Contran

Publicado em

Em entrevista exclusiva, a Coordenadora Nacional da Ong Criança Segura, Alessandra Françoia, explica os pontos da Resolução 277/08 do Contran que devem ser revistos e dá dicas aos pais

Assessoria da Imprensa Perkons

A partir do próximo dia 9 de junho entra em vigor a Resolução 277 do Contran – Conselho Nacional de Trânsito, publicada há dois anos, que regulamenta o transporte de crianças de até dez anos de idade em veículos. Crianças de até sete anos e meio devem ser transportadas obrigatoriamente no banco traseiro e em dispositivos de retenção e quem descumprir pagará multa de R$ 191,54. Segundo estudos americanos, cadeiras de segurança para crianças, quando instaladas e usadas corretamente, diminuem os riscos de óbito em até 71% em caso de acidente.
Para a ONG Criança Segura, a resolução ainda necessita de ajustes, mas é um primeiro passo que deve ser comemorado. Confira mais a respeito nesta entrevista com a Coordenadora Nacional da Ong, Alessandra Françoia.



Perkons – Como foi a atuação da Criança Segura para que esta resolução saísse?
Alessandra Françóia
A Criança Segura vem acompanhando e participando desta discussão desde 2006, quando integrou a Câmara Temática de Saúde e Meio Ambiente do Contran – Conselho Nacional de Trânsito. Além disso, a Criança Segura trabalha na formação de multiplicadores e divulga a mensagem da importância do uso de cadeirinhas desde 2001, no Brasil.

PK – A Ong recomenda o uso da cadeirinha de acordo com o peso e altura da criança, mas a resolução 277/08 do Contran fala em idade. Quais consequências podem haver? A Ong está fazendo algo para mudar isto junto ao poder público?
AF
Sim, a ONG Criança Segura orienta o uso dos dispositivos considerando-se peso e a resolução fala em idade. Isso é um dos pontos que avaliamos que precisa ser repensado ou avaliado no momento da fiscalização da Resolução. Mesmo considerando-se idade, a resolução prevê obrigatoriedade do equipamento até sete anos e meio e a Criança Segura orienta que o equipamento seja utilizado até os 10 anos. Isso porque até os dez anos, a criança ainda possui vulnerabilidade física e não tem altura suficiente para o cinto e por isso o transporte deve ser feito ainda com o uso das cadeirinhas.
A partir da vigência plena da resolução, toda a sociedade pode enviar sugestões para a melhora do conteúdo da norma e a Criança Segura irá recomendar a alteração da idade para o uso do assento de elevação até 10 anos.

PK – Que outros pontos vocês avaliam que necessitam de ajuste na resolução?
AF
Além da alteração da idade máxima para uso dos dispositivos, a ONG também acredita que precisam ser revistos veículos que não foram incluídos na obrigatoriedade. É o caso de táxis, ônibus e vans escolares. No caso deste último, a discussão seria ainda maior, pois estes veículos não disponibilizam cintos de três pontos necessários à instalação do equipamento.

PK – Além da questão financeira, quais outros motivos são recorrentes para os pais não usarem o equipamento?
AF
Acreditam que a criança já não está mais em idade de usar o equipamento, alegam que a criança não gosta ou não aceita a cadeirinha, que o equipamento é de difícil instalação, entre outros. Sabemos, porém, que nenhuma destas situações deve se sobrepor ao mais importante: a segurança da criança.

PK – Que dicas que vocês dão aos pais para que convençam seus filhos que nunca usaram cadeirinha a passar a usar?
AF
Deixamos aqui um alerta para que a cadeirinha passe a fazer parte verdadeiramente da rotina das famílias brasileiras. Somente com o equipamento essa criança estará sendo transportada com segurança. Utilizando o dispositivo de retenção certo para cada criança, ou seja, de acordo com o peso e devidamente instalado e certificado, pais estarão assegurando o desenvolvimento saudável e futuro de seus filhos.
Os pais podem comprar o equipamento com a criança e deixá-la escolher. Também se pode fazer uma interação da criança com o produto em casa fazendo relação com situações que ela goste de fazer.

Serviço
Confira outras dicas e dúvidas frequentes sobre o tema no site da ONG Criança Segura. Clique aqui.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.