NOTÍCIAS

Acessibilidade: a legislação brasileira deve ser colocada em prática.

Especialistas criticam a aplicação da lei.

Publicado em
Acessibilidade: a legislação brasileira deve ser colocada em prática.

A legislação brasileira é uma das mais completas do mundo no quesito acessibilidade. A afirmação, da deputada federal Mara Gabrilli, está embasada em leis como a 10.098/2000, que estabelece normas de acesso às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, regulamentada pelo Decreto n° 5.296, de 2004. Uma curiosidade é que o mesmo decreto prevê que todos os ônibus em circulação deverão oferecer, até 2014, condições ideais de acesso a esse público. “O que falta é fiscalização para o cumprimento da legislação”, afirma. O cumprimento da lei, inclusive, passa pela educação e conscientização da população, que também é um direito assegurado pelo decreto citado, e pelo próprio CTB. Mas, segundo Gabrilli, “as ações efetivas são poucas.”


Deputada Mara Gabrilli é empossada na
Câmara Federal; tetraplégica, ela promete
trabalhar em projetos voltados à Acessibilidade
(Crédito: Rodolfo Stuckert / Câmara Federal)

Outro exemplo, dado pelo advogado e mestre em Direito do Estado Julyver Modesto de Araujo, é a lei que prevê a isenção de IPI para aquisição de veículos de passageiros por pessoas com deficiência. Essa lei faz ‘companhia’ a uma série de dispositivos que tratam do assunto, inclusive o Estatuto do Idoso. Além disso, o Contran publicou, no final de 2008, duas resoluções que versam sobre a criação de vagas especiais de estacionamento para pessoas idosas e com deficiência. “E encontra-se em tramitação, no Congresso Nacional, um Projeto de Lei para instituir o Estatuto da Pessoa com Deficiência, que deve reunir todas as regras atualmente existentes; infelizmente, a discussão sobre o projeto já se arrasta há 10 anos e, entre alguns entraves, precisa se ajustar à Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, realizada pela ONU, em 2006“, acrescenta Araujo.
Mas uma lei só vale quando executada e quando sua aplicação é discutida e planejada. A deputada Mara Gabrilli, que é tetraplégica, sabe bem que não é só com projetos de lei que o ideal da acessibilidade será alcançado na prática. “Não adianta ter ônibus adaptado se a pessoa não tem uma calçada acessível para chegar ao ponto de ônibus”, comenta. “Além disso, é um trabalho estrutural que exige mudanças de posturas também, como no que diz respeito à fiscalização destes acessos e o cumprimento da própria legislação.”


“A principal questão é pensar na pessoa
com deficiência como um ser humano,
que deve ser tratado com dignidade e
respeito”, diz o advogado Julyver Araújo.
(Crédito: arquivo pessoal)

Araújo cita também o Programa Brasileiro de Acessibilidade Urbana – Brasil Acessível, do Ministério das Cidades, que visa o estímulo e apoio aos governos municipais e estaduais para garantir o direito de acessibilidade das pessoas com dificuldade de locomoção. “Acredito que, independente da preparação necessária para os grandes eventos a serem realizados no Brasil nos próximos anos, muito já tem sido feito, como reflexo direto de uma mudança de mentalidade dos governantes e de toda a sociedade, a fim de integrar as pessoas com deficiência ao cotidiano de nossas cidades”, opina. “A principal questão é pensar na pessoa com deficiência como um ser humano, que deve ser tratado com dignidade e respeito, atendendo-se aos princípios fundamentais do País, previstos no artigo 1º da nossa Constituição Federal”, finaliza Araujo.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.