NOTÍCIAS

A velocidade e os novos gestores: Uma corrida para humanização do trânsito

por Ricardo Simões*

Publicado em

Na equação dos acidentes de trânsito, a velocidade aparece como protagonista: é ela a responsável por um terço das mortes. Isso significa dizer que, pela pressa em chegar ao destino ou pela confiança exacerbada na própria destreza ao volante, o motorista acaba empregando velocidades impróprias. Porém, reverter esse cenário fatídico não se restringe às posturas do motorista. É nesse momento que entram em cena os gestores, incumbidos de traduzir os gargalos das cidades em uma realidade com mais qualidade de vida à população.

A receita para isso já foi até preconizada pela Organização das Nações Unidas (ONU), que definiu 50km/h como velocidade máxima para minimizar a severidade dos acidentes. Como um instrumento de conscientização, a fiscalização eletrônica auxilia para que a magnitude da medida seja internalizada pelo motorista.

Fora do campo das ideias, porém, os números revelam uma massa de motoristas que abusam da velocidade no Brasil – e mundo – afora. Parece exagero, mas, conforme dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), mesmo conscientes dos riscos, de 40 a 50% dos condutores perdem as estribeiras na hora de pisar no acelerador, tanto em países em desenvolvimento como naqueles cujo Produto Interno Bruto (PIB) é considerado elevado, como França, Dinamarca e Reino Unido, por exemplo. De um lado, a atitude parece uma reprodução negligente daquilo que é praticado por muitos, cenário que deixa à tona o fato de um sujeito que, enquanto pedestre, é pacífico e respeitador das leis, mas, atrás do volante, se torna colérico e beligerante. De outro, não respeitar os limites de velocidade pode, nada mais ser, que efeito do temperamento do condutor. Em ambos, educação, informação e fiscalização são parte da solução.

Qualquer que seja o caso em que se enquadra o motorista que abusa da velocidade, o comportamento é somado à rotina apressada das cidades, à infraestrutura viária que deixa a desejar e, por fim, aos infratores contumazes – que mesmo correspondendo a menos de 5% dos casos, desarmonizam o trânsito. Em meio a esse cenário polivalente, emergem cidades que apostam na mudança. São os vestígios da combinação de redução da velocidade e fiscalização eletrônica que a cidade de Curitiba experimenta desde novembro de 2015 com a implantação das vias calmas, de 40 km/h. Ao final de 2016 veio a notícia: menos 33% acidentes de trânsito nessas áreas.

Diante dessa referência, como fechar os olhos para a atmosfera controversa que impera na cidade de São Paulo? E como deixar de associá-la, sobretudo, às decisões da gestão? É fato que a administração passada acertou ao adotar o padrão da ONU e, com ele, usufruir dos benefícios da redução de 41% dos acidentes de trânsito com vítima nas marginais. A atual gestão, entretanto, ignorando esses números e recomendações, acatou ao clamor popular e, com isso, anunciou a volta do limite para até 90 km/h em pistas expressas e 60 km/h em pistas locais. O reflexo já é sentido nas ruas, sendo novamente palco de mais óbitos e acidentes severos.

Em suma, o que falta à gestão pública quando o assunto é o plural e controverso trânsito, é consciência e respeito a embasamentos técnicos para tornar as cidades, na limitação em que carregam, espaços humanizados para todos os atores que dele fazem parte, sejam eles motorizados ou não. E aos motoristas, faltam altivez e empatia para tomar para si a parcela de responsabilidade que lhe cabe para reverter um trânsito, hoje, nefasto.

*Ricardo Simões é gerente de produtos da Perkons e membro da Comissão de Estudos de ITS da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.