NOTÍCIAS

A mobilidade em 2012

por Cristina Baddini Lucas*

Publicado em

A injustiça social nos deslocamentos urbanos levou o País a ter uma mobilidade da exclusão e insustentável financeira e ambientalmente, tratando o transporte público apenas como uma mercadoria. Atualmente, 60 milhões de viagens são realizadas diariamente por transporte público urbano no Brasil, e o setor de transportes precisa passar por grande transformação, pois nos próximos cinco anos o Brasil abrigará a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, e o transporte urbano precisará ainda passar por avanços para atender à demanda exigida.
Para isso, algumas obras já estão em fase de implantação e outras ainda precisam ser definidas. Espero que esses recursos sejam aplicados com controle social e garantam acessibilidade universal para transformar a rua dos carros em rua das pessoas e venham acompanhados do barateamento das tarifas em todo o território nacional.
Enfim, a grande luta é por cidade equânime e da diversidade, onde os benefícios do desenvolvimento urbano sejam democraticamente distribuídos e os ônus minimizados para todos e todas. A solução, infelizmente, não é simples, nem imediata e muito menos barata e depende de ações coordenadas e integradas de vários setores do governo, da sociedade e da indústria.
A ideia que vem sendo discutida junto aos vários níveis de governos é repensar a mobilidade em 2012 e atentar principalmente aos seguintes itens:

– Transformar os estacionamentos na via pública em aumentos de calçadas, ciclovias e faixas exclusivas de ônibus;
– Utilizar faixas de vias, que hoje são dos automóveis, para implementação de corredores exclusivos de ônibus que sejam fiscalizados permanentemente;
– Assumir compromisso público para que o dinheiro recolhido com as multas de trânsito seja aplicado na fiscalização, educação, reforma de calçadas, criação de ciclovias e qualificação e implementação de novos corredores de ônibus, metrôs, ferrovias, bondes modernos, e que, anualmente, as prefeituras, os governos dos Estados e federal prestem contas públicas de como aplicaram esse dinheiro;
– Criação de calçadas públicas acessíveis para as pessoas portadoras de deficiência (realizadas e fiscalizadas pelo poder público), mormente onde houver fluxo de pedestres muito intenso. Para as demais calçadas de defronte às garagens, que se estabeleçam normas instruindo os cidadãos a reduzirem os aclives de acesso dos automóveis de forma a garantir e facilitar a circulação de pedestres em níveis razoáveis, além de exigir o plantio de árvores;
– Nos bairros, estreitar as vias, alargando as calçadas para os pedestres e criar ciclofaixas e, nos locais possíveis, fazer com que a elevação das calçadas cruzem as ruas de forma a demonstrar aos motoristas que as ruas são igualmente das pessoas;
– Fiscalizar com multa as faixas de pedestre, para que sejam respeitadas, assim como já acontece em Brasília e em outras cidades, onde os motoristas se tornaram, a partir de então, motoristas cidadãos;
– Integrar metrôs, ferrovias e ônibus, todos com acessibilidade para pessoas com deficiência, e estes com as bicicletas e calçadas acessíveis;
– Implementar a bilhetagem eletrônica temporal (bilhete único), onde o usuário poderá utilizar o transporte público por uma ou duas horas, garantindo cidadania e redução de custo;
– Regular os estacionamentos de automóveis com taxas progressivamente mais altas segundo a proximidade aos grandes centros urbanos e, com esses recursos, criar fundo público para aplicação dos recursos em obras de transportes públicos, calçadas e ciclovias;
– Implementar em todo o País, até 2014, a utilização de combustíveis limpos nos ônibus urbanos, com destaque para o diesel com 50 ppm (partículas por milhão de enxofre), bem como o biocombustível, gás e outros combustíveis que são de responsabilidade federal, com apoio de recursos federais e estaduais.

 

*Cristina Baddini Lucas
Assessora do MDT, colunista do Diario do Grande ABC (Coluna De Olho no Trânsito)

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.