NOTÍCIAS

Veículos automotores, problema mundial

por Dirceu Rodrigues Alves Jr.*

Publicado em

O homem em seus primórdios tinha como equipamento para mobilidade apenas as pernas. Andava, corria deslocando-se sem comprometer seu organismo ou o meio ambiente. Passou a fazer uso de animais para deslocamentos maiores. Surgiu a roda que veio trazer maior facilidade e conforto quando sob tração animal. Inicialmente com duas rodas em carroças que evoluíram para quatro e mais rodas. Hoje, evoluídas e motorizadas, as antigas carroças passaram a ser o problema maior que estamos a enfrentar.

Aquilo que foi criado para nossa mobilidade é hoje um problema com repercussão mundial. A Organização Mundial de Saúde estima que 1,2 milhões de pessoas são mortas a cada ano no mundo pela violência no trânsito. O predomínio é entre homens entre 15 e 44 anos. Indivíduos em fase altamente produtiva morrem deixando alto custo econômico para seus países.

Ter um automóvel hoje é ter dores de cabeça que variam desde o custo, manutenção, legalização, seguros, danos a terceiros, mortos, sequelados até a dificuldade para transitar. Aliás, transitar é verbo intransitivo e tão intransitivo que não mais conseguimos transitar livremente.

Se não bastasse, o automóvel trouxe múltiplas outras dificuldades, como locais para estacionar, o flanelinha que nos importuna e nos extorque, os fiscais de rua, a fiscalização eletrônica, tudo concorrendo para enxergarmos o automóvel como verdadeiro empecilho para transitarmos.

Engarrafamentos, lentidão, acidentes, vítimas, mortos, sequelados, hospitais lotados, tudo propiciando a mídia grande quantidade de matéria para divulgação no dia a dia.

O estresse, a violência tem sido impeditivo para superarmos as dificuldades cotidianas. E é esse veículo movido a combustível fóssil que promete transformar o planeta produzindo aquecimento global, mudança climática, chuva ácida, inversão térmica com consequências nocivas à vida vegetal e animal.

É o homem contribuindo para destruição do seu próprio habitat.

A frenagem dessa destruição precisa ser entendida como necessidade prioritária para termos um amanhã mais saudável, sem comprometimento da saúde, do meio ambiente, dando-nos a chance de pensarmos em maior longevidade no planeta Terra com vida sustentável.

Precisamos de mobilidade alternativa que não interfira nas ações multifatoriais necessárias para o equilíbrio e saúde do planeta.

As pesquisas mostram que o problema é insidioso nos quatro cantos do mundo. As montadoras introduzem a cada dia milhões de veículos no trânsito. O combustível fóssil continua sendo o produto a ser queimado para deslocar veículos leves, médios e pesados. É hoje a principal arma contra a vida e a integridade do planeta.

Temos que evoluir para o transporte ecológico movidos a pedaladas, água, eletricidade ou alternativas que venham surgir. Renunciar ao veículo movido a derivados do petróleo é a necessidade maior para preservarmos vidas e o planeta.

*Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior
Diretor de Comunicação e do Departamento de Medicina Ocupacional da ABRAMET
www.abramet.org.br
dirceurodrigues@abramet.org.br

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.