NOTÍCIAS

Uma prioridade equivocada

NULL
Publicado em

    Na Grande São Paulo, o total de carros cresce oito vezes mais rápido que a população. Em fevereiro, a frota paulistana ultrapassou os 6 milhões de veículos, um para cada dois moradores. Os congestionamentos chegam a mais de 200 km no horário do pico.
    Por conta disto, o governo do estado decidiu investir R$ 1,3 bilhão para construir 23 km de pista de cada lado do rio Tietê, com três novas faixas em cada uma, além de um conjunto de obras acessórias, como pontes, viadutos e alças de acesso. As marginais que correm paralelas ao rio e ligam as zonas Norte, Sul e Oeste da cidade e também servem de acesso ao aeroporto de Cumbica e às rodovias Anhangüera, Bandeirantes, Castelo Branco, Dutra, Fernão Dias e Ayrton Senna foram construídas há 52 anos e entraram em colapso faz tempo.
    Mas, a questão é: vai resolver o problema do trânsito? Acredito que sequer amenize o tráfego. O problema vai muito mais além da construção de mais pistas na marginal: – para onde irão os carros que ocuparão as novas pistas?   Sim porque os carros não aparecem do nada nem desaparecem após trafegarem  na marginal. Eles vêm e vão de estradas, ruas e avenidas que já estão superlotadas e completamente paradas. É o mesmo que  aumentar o diâmetro de um cano d`água de sua casa, sem aumentar a entrada de água nem a torneira.
    Portanto, São Paulo gastará R$ 1,3 Bilhão para ter mais carros presos nas marginais. Me parece um estacionamento caro demais.
     Para aqueles que dirigem seus automóveis para São Paulo vindos de outras cidades, a solução é criar transportes coletivos para os que moram em outras cidades e trabalham em São Paulo. O investimento em transporte coletivo para retirar aqueles que ocupam as marginais para ir e voltar do trabalho dentro de São Paulo produziria uma redução nos congestionamentos muito maior na marginal, do que fazer novas pistas.
    Outra alternativa seria a construção de uma linha de metrô acompanhando a marginal pois mais pessoas seriam atendidas, mais carros sairiam das ruas e o trânsito melhoraria mais. Isto sem falar na redução da poluição.
    A construção de novas pistas na marginal do Tietê terá também como consequência a redução da área permeável da cidade. Sabe-se que haverá uma compensação ambiental, mas nem todas as árvores serão plantadas exatamente na marginal.   A cidade vai sim perder permeabilidade. Com essa obra serão perdidos 19 hectares – como se fossem 19 quadras da cidade de área permeável a transformada asfalto.  A compensação ambiental, por meio do plantio de árvores não ser irá compensar adequadamente uma vez que as árvores serão plantadas em áreas verdes, que já são permeáveis hoje.
    Se a rede viária da cidade for ampliada indiscriminadamente, aumentando cada vez mais a impermeabilização do solo, teremos cada vez mais problemas de drenagem.  Portanto, é preciso planejar a expansão urbana, e isso é uma coisa que até hoje não ocorre  na metrópole de São Paulo.   Não há planejamento metropolitano. Cada município faz aquilo que bem entende, não há dialogo entre eles. E os rios, infelizmente, não obedecem a limites municipais.
    A população da Grande São Paulo clama por uma alternativa consistente, pois essa a gente já viu que não vai dar certo.

Cristina Baddini Lucas
Especialista em Trânsito, Consultora do Diário
crisbaddini@dgabc.com.br &nbsp

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.