NOTÍCIAS

Sinalização de radares – Res. 396 do Contran

por Marcelo José Araújo*

Publicado em

A publicação da Resolução 396 do CONTRAN reacendeu a discussão sobre a sinalização informativa da presença de fiscalização eletrônica de velocidade nas vias, bem como a possibilidade de autuação mesmo sem a placa R-19 (velocidade máxima permitida), nesse caso seguindo a regra geral do Art. 61 do Código de Trânsito, qual seja, conforme a classificação da via.
Com relação à fiscalização de velocidade conforme a classificação da via vemos como totalmente inadequada, pois implicaria em informar a pessoa se a via que se encontra é uma rápida, arterial, coletora ou local, e se for para fazer isso é melhor colocar a placa R-19.  Tal classificação é antiga e inspirada para não dizer plagiada daquela do Código de 1966 (rápida, preferencial, secundária e local), e que as pessoas não têm a menor condição de identificar com facilidade essa classificação para relacionar com a velocidade máxima permitida para ela.
As placas de Regulamentação possuem formato e cores próprias (octogonal – PARE, triangular – Dê a Preferência, Circular as demais) são imperativas, uma ordem, cuja desobediência implica em infração de trânsito, portanto a primeira conclusão lógica é que por sua natureza é dispensável informar que a desobediência a ela constitui-se em infração, e que está sujeita a fiscalização. Ocorre que trânsito é mais que engenharia e legislação.  É educação, psicologia, medicina, etc.  Desde 1994, antes da vigência do CTB, quando os primeiros equipamentos eletrônicos de fiscalização de velocidade foram implantados, as pessoas foram condicionadas a informação sobre a fiscalização eletrônica.  Após 1998 já sob a égide do CTB as Resoluções 08, 79, 141 e 146 com suas alterações sempre trouxeram ou de forma clara e objetiva ou de forma indireta que deveria haver informação além da placa de Regulamentação. 
Todo esse histórico e o condicionamento que os motoristas foram submetidos (uma espécie de pacto), somado a volatilidade e fragilidade de uma Resolução (ato normativo que pode ser mudado a qualquer momento inclusive por Deliberação individual do Presidente do CONTRAN) é que nos recomenda prudência antes de alterar qualquer sinalização, até porque tais mudanças seriam onerosas. Mudanças radicais não se mostram saudáveis.

 

*Marcelo José Araújo
Professor de Direito de Trânsito, Secretário Municipal de Trânsito de Curitiba

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.