NOTÍCIAS

Sinalização de radares – Res. 396 do Contran

por Marcelo José Araújo*

Publicado em

A publicação da Resolução 396 do CONTRAN reacendeu a discussão sobre a sinalização informativa da presença de fiscalização eletrônica de velocidade nas vias, bem como a possibilidade de autuação mesmo sem a placa R-19 (velocidade máxima permitida), nesse caso seguindo a regra geral do Art. 61 do Código de Trânsito, qual seja, conforme a classificação da via.
Com relação à fiscalização de velocidade conforme a classificação da via vemos como totalmente inadequada, pois implicaria em informar a pessoa se a via que se encontra é uma rápida, arterial, coletora ou local, e se for para fazer isso é melhor colocar a placa R-19.  Tal classificação é antiga e inspirada para não dizer plagiada daquela do Código de 1966 (rápida, preferencial, secundária e local), e que as pessoas não têm a menor condição de identificar com facilidade essa classificação para relacionar com a velocidade máxima permitida para ela.
As placas de Regulamentação possuem formato e cores próprias (octogonal – PARE, triangular – Dê a Preferência, Circular as demais) são imperativas, uma ordem, cuja desobediência implica em infração de trânsito, portanto a primeira conclusão lógica é que por sua natureza é dispensável informar que a desobediência a ela constitui-se em infração, e que está sujeita a fiscalização. Ocorre que trânsito é mais que engenharia e legislação.  É educação, psicologia, medicina, etc.  Desde 1994, antes da vigência do CTB, quando os primeiros equipamentos eletrônicos de fiscalização de velocidade foram implantados, as pessoas foram condicionadas a informação sobre a fiscalização eletrônica.  Após 1998 já sob a égide do CTB as Resoluções 08, 79, 141 e 146 com suas alterações sempre trouxeram ou de forma clara e objetiva ou de forma indireta que deveria haver informação além da placa de Regulamentação. 
Todo esse histórico e o condicionamento que os motoristas foram submetidos (uma espécie de pacto), somado a volatilidade e fragilidade de uma Resolução (ato normativo que pode ser mudado a qualquer momento inclusive por Deliberação individual do Presidente do CONTRAN) é que nos recomenda prudência antes de alterar qualquer sinalização, até porque tais mudanças seriam onerosas. Mudanças radicais não se mostram saudáveis.

 

*Marcelo José Araújo
Professor de Direito de Trânsito, Secretário Municipal de Trânsito de Curitiba

COMPARTILHAR

Veja

também

Pesquisa mostra que 43% dos usuários têm medo de usar transporte público no pós-pandemia

Perkons é uma das melhores empresas para trabalhar

Cidades apostam na Muralha Digital para gestão de trânsito e repressão a crimes

Perkons apresenta primeiro carro 100% elétrico da frota para manutenção dos equipamentos de Curitiba

Perkons e Prefeitura de Curitiba iniciam teste de equipamento que promete identificar condutores barulhentos no trânsito

Juntos salvamos vidas é o tema da Semana Nacional de Trânsito

Lombada eletrônica completa 30 anos e já ajudou a salvar mais de 80 mil vidas

Homens continuam a ser mais imprudentes no trânsito

Perkons, uma das empresas mais inovadoras do país, completa 31 anos

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.