NOTÍCIAS

Se estiver com sono ou cansado, não dirija!

por José Augusto Valente*

Bocejos constantes: sinal de alerta para parar e descansar

Publicado em

Conduzir um veículo é tarefa muito mais complexa do que muita gente imagina e exige boas condições físicas e mentais para executá-la com segurança: para si e para os outros.
Há vários fatores que levam à direção perigosa: drogas, imperícia e impaciência, entre outras. Em relação ao impacto das bebidas alcoólicas na condução, as pessoas já estão razoavelmente convencidas que é altamente negativo e perigoso para si e para os outros. Entretanto, muito pouco se fala sobre o efeito do cansaço e do sono como um dos principais fatores de acidentes com veículos.
A grande maioria dos motoristas já experimentaram a desagradável sensação de sono ao volante, surpreendendo-se, muitas vezes, no início de um cochilo, que poderia ter sido fatal.
Recentemente, um acidente com Pedro Leonardo, filho do cantor Leonardo, chamou a atenção para esse problema. O rapaz tocou durante a madrugada e após o show (ou ensaio), por volta de 5 h da manhã, resolveu pegar a estrada em Uberlândia rumo à Goiânia, onde mora.
Tudo leva a crer, que ele tenha cochilado e que o veículo tenha saído da estrada capotando algumas vezes. Se ele estivesse usando o cinto de segurança, provavelmente, o acidente provocaria apenas algumas lesões não muito graves. Entretanto, sem cinto, ele foi batendo com o corpo em vários pontos do carro, até ser expelido pelo vidro traseiro. Até agora seu estado é grave.
É bastante provável, também, que o recente acidente com cinco jovens que saíram do Espírito Santo para a Bahia e cujo veículo “errou” a ponte, caindo no rio e matando afogados todos os seus ocupantes, tenha sido motivado por cansaço e sono.
O que dizem os estudos sobre os efeitos do cansaço e do sono sobre a segurança na condução de veículos?
Estudos apontam que quase metade dos acidente em rodovias tenha o sono como principal “vilão”. Dalva Poyares, neurologista do Instituto do Sono, alerta os motoristas a nunca “subestimar o sono”.
— O sono exerce uma certa pressão. Chega o momento em que a pressão é tão grande que você vai dormir de qualquer jeito.
Existem poucas estatísticas sobre acidentes causados pelo sono. Nos boletins de ocorrência, a polícia costuma registrar esses casos como falta de atenção ou excesso de velocidade. Entretanto, quando o motorista sobrevive, é comum declarar que a situação anterior ao acidente era de cansaço, seguindo-se o cochilo quase-fatal.
Estatísticas mundiais, entretanto, mostram que entre 26% e 32% dos acidentes de trânsito são provocados por motoristas que dormem na direção. Eles são responsáveis por índices entre 17% e 19% das mortes no local do acidente, de acordo com Marco Túlio de Mello, coordenador do Centro de Estudo Multidisciplinar em Sonolência e Acidentes da Unifesp e chefe da disciplina Medicina e Biologia do Sono.
Os números foram obtidos em pesquisa da Universidade de Gênova, na Itália, já que no Brasil não há dados sobre o assunto. “Motoristas com distúrbios do sono correm
duas a três vezes mais riscos de se envolver em acidentes. Quando tratados, a redução é de 70%”, afirma Mello.
Na hora do sono, muita gente acha que vidro aberto, som alto, café e energético resolvem o problema. Os médicos, porém, não recomendam esses truques contra o sono. O melhor conselho é parar num posto e tirar um cochilo, como aponta Dirceu Rodrigues Alves, diretor da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego).
— Brigar com o sono é uma guerra perdida. É necessário que se procure um lugar seguro, se pare e durma de 30 minutos a 1 hora.
Há motoristas – amadores e profissionais – que lutam contra o sono e, mesmo que tenham dormido mal à noite, preferem ir de carro – para o trabalho ou para a faculdade –, arriscando-se a acidentes, do que deixar o carro em casa e ir de ônibus, onde poderiam cochilar à vontade, sem arriscar a sua vida ou a de terceiros.
Por tudo isso, além do slogan “se beber, não dirija”, aconselhamos esse outro: “se estiver com sono ou cansado, não dirija!”

*José Augusto Valente
Diretor Executivo do portal T1 e da TVT1

Opinião originalmente publicada no portal T1, em 30.04.2012.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.