NOTÍCIAS

Quantos mais morrerão nas estradas por conta da competitividade?

por Mauro Roberto Schlüter*

Publicado em

Vejo muitas pessoas expressando a sua opinião, sejam articulistas, jornalistas e outros formadores de opinião, apontando a sua mira para as empresas e caminhoneiros. Infelizmente a maior parte dos textos mostra apenas aquilo que é aparente neste cenário de horror da logística nacional, que invariavelmente passa pela constatação de que o motorista estava drogado com rebites, que o veículo estava com problemas mecânicos (sem freio), ou então com excesso de carga. Poucos se dão ao trabalho de investigar os verdadeiros motivos que levam a esta perversa consequência.
Há muito tempo que dedico uma parcela significativa das minhas pesquisas em logística para o TRC (transporte rodoviário de cargas), fruto do vínculo criado por ocasião do início da minha carreira profissional como vendedor de serviços de transporte. Muito antes dos articulistas e pseudo conhecedores do TRC brasileiro emitirem a sua opinião nos meios de comunicação, alguns aspectos precisam ser esclarecidos:
1º – O TRC do Brasil é um dos mais competitivos do mundo (se não o mais competitivo). Isto decorre da inexistência de barreiras de entrada (seja econômica ou regulamentar). Como consequência a tarifa é vista por muitos como o único fator de diferenciação (são poucas as transportadoras que realmente conseguem passar ao mercado a ideia de que são diferenciadas).
2º – Por conta da baixa tarifa, existe uma pressão por diminuição de custos, que é obtida pela máxima utilização possível do caminhão. Isto significa mais horas de trabalho para que o caminhoneiro autônomo possa fazer frente às despesas, e mais horas de trabalho para os motoristas de algumas transportadoras que recebem “prêmio por produtividade”.
3º – A fiscalização é pífia. Alguém já viu ou soube de algum caminhão que foi obrigado a não seguir viagem para que o motorista descansasse? Como é fiscalizada a falta de manutenção adequada? Por que não fazem testes para saber se o motorista está ou não sob efeito de rebites?
4º – Muitos embarcadores poderiam ser agentes de responsabilidade social e fiscalizar as empresas que contratam. As empresas que já o fazem são minoria.
5º – A lei do tacógrafo eletrônico existe há mais de 15 anos e até agora não entrou em vigor. Não existe nenhum impedimento para que este instrumento possa ser implantado na frota, mas por ironia a prioridade do governo é com a cobrança eletrônica dos pedágios.
6º – A pressão por competitividade entre os modais coloca o rodoviário como único perdedor. Como será feita esta transição? O paradoxo da competitividade da matriz modal do país passa pelo aumento de morte nas estradas, pois a pressão tarifária levará a todos os players do TRC a jogar as tarifas a níveis mais baixos, e como consequência teremos uma gestão de custos baseado na transgressão às leis de peso, jornada de trabalho e saúde dos caminhoneiros.
7º – Se houver uma forte fiscalização para reprimir excesso de cargas, excesso de jornada, uso de drogas e estado precário dos caminhões, o sistema logístico do país sofrerá colapso.
8º – O TRC é parte de um sistema maior (o sistema logístico do país), e portanto o seu planejamento político deve ser realizado de forma sistêmica.
A quem interessa deixar tudo como está? Quem paga esta conta nas nossas estradas?

*Mauro Roberto Schlüter
Professor de Logística da Mackenzie Campinas
Diretor do IPELOG
mauro@ipelog.com

Opinião originalmente publicada no portal Guia do Transportador, em 30.04.2012.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.