NOTÍCIAS

Propagandas para segurança no trânsito são falhas

Autora diz que este tipo publicidade apoia-se na desconstrução dos anúncios de automóveis e não oferecer nada no lugar.

Publicado em

“Se a publicidade é tão poderosa, por que nem sempre funciona quando o assunto é utilidade pública”? Estruturado nessa pergunta, o livro Duas faces da publicidade: campanhas sociais e mercadológicas, da publicitária e mestre em Comunicação Ana Marusia Meneguin, fala da propaganda social abordando a efetividade do discurso nos anúncios relacionados à direção segura.

Confira entrevista que a autora concedeu à Perkons:

“Uma pista é parar de enxergar a propaganda social como mera reprodução ou adaptação da linguagem da publicidade mercadológica”, Ana Marusia.
Crédito: Arquivo Pessoal.

Perkons: Você analisa propaganda de automóveis e para a segurança no trânsito. Quais as principais características e preocupações de cada tipo de propaganda?

Ana Marusia: O poder da publicidade está no contrato que faz com o público. Nos anúncios de automóveis apresenta-se um bem físico associado a uma marca, com a promessa de conquista: do espaço, tempo, sexo oposto e posicionamento social. Se essa promessa é cumprida na realidade do consumidor, o ciclo se repete e sustenta a indústria automobilística. Já a propaganda de segurança no trânsito foca a manutenção, principalmente, da integridade física de si e dos outros. É um “não apelo”: não corra, não ultrapasse o sinal vermelho, não dirija depois de beber. O contrato com o público é falho, porque muitas vezes se apoia em desconstruir os anúncios de automóveis, sem oferecer nada no lugar e, frequentemente, coloca a culpa no cidadão.

Perkons: Se a publicidade é tão poderosa, por que nem sempre funciona quando o assunto é utilidade pública?

Ana Marusia: É por causa do contrato entre anunciante e público (o discurso e os efeitos de sentido entre interlocutores). Se o contrato traz “cláusulas” simples, pontuais e imediatas – por exemplo: a compra de um produto ou a ida a um posto de vacinação – conjugadas à sensação de realização, a publicidade tende a ser bem-sucedida. Se o contrato é complexo, contraditório, pede uma inação em vez de uma ação e não oferece a contrapartida de realização, não há ideia supercriativa vencedora de Leão de Cannes que seja efetiva.

Perkons: O que fazer para que a publicidade para a segurança no trânsito concorra com igualdade de apelo?

Ana Marusia: Há um grande desequilíbrio e descompasso entre elas. Claro que é difícil nivelar com as montadoras em disponibilidade de verba, frequência na mídia, ainda mais para iniciativas que não visam ao lucro. Uma possível solução pressupõe duas frentes. A primeira é concreta, já que a publicidade não funciona sozinha. Precisa ser integrada a um esforço muito mais amplo: o cumprimento da “promessa” na realidade. No caso da segurança no trânsito inclui educação, fiscalização, punição, investimentos em infraestrutura e transporte coletivo, entre outros. A segunda está na dimensão simbólica, no discurso das campanhas. Tenho me dedicado a pesquisar este tema. Ainda está no início, mas uma pista é parar de enxergar a propaganda social como mera reprodução ou adaptação da linguagem da publicidade mercadológica.

Perkons: As montadoras estão constantemente investindo em publicidade para venda de automóveis sem levar em consideração a situação do trânsito de hoje. Como equilibrar a venda dos carros com a situação do trânsito?

Ana Marusia: Quando o próprio Governo incentiva a produção e o consumo de automóveis, por exemplo, na redução do IPI para controle da inflação, não há muito que cobrar das montadoras. A impressão que se tem é que o automóvel sempre será solução para tudo no Brasil, até para a economia. Esse raciocínio precisa mudar. Ao mesmo tempo, me pergunto por que os carros são equipados com recursos que possibilitam certos desempenhos que não são permitidos; por exemplo, um motor que atinge altas velocidades.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.