NOTÍCIAS

O tratamento do CTB às principais causas de acidentes de trânsito

por Vanderlei Santos*

Publicado em

Segundo informações prestadas pela Seguradora Líder dos Consórcios do Seguro DPVAT, que é responsável pela garantia das indenizações por acidentes de trânsito, estes foram a causa de 58.134 mortes e 239.738 casos de invalidez permanente no Brasil, no ano de 2012.

Associando estes números podemos avaliar os dados da Organização Mundial de Saúde (World Reporto n Road Traffic Injury Prevention), que aponta como as principais causas dos acidentes de trânsito por responsabilidade dos condutores: o excesso de velocidade; a presença de álcool, drogas medicinais ou recreativas; a fadiga; o desrespeito à sinalização e a desatenção.

Analisando-se criticamente, a Lei 9.503/97, que instituiu o Código de Trânsito Brasileiro, tratou pontualmente esses comportamentos, prevendo sanções como infração ou crime de trânsito. Cabe verificar se as normas têm sido adequadas para atingimento de seu fim, que é o seu respeito pelos indivíduos, no caso, objetivando o trânsito em condições seguras.

Pode-se, assim, inferir que o CTB tratou a questão da direção sob influência de álcool ou qualquer substância psicoativa, de forma severa, como infração no artigo 165, do CTB, classificando esta como gravíssima, penalizando o condutor com multa pecuniária de R$1.915,40, sete pontos na CNH e suspensão do direito de dirigir por 12 meses. O Código, entretanto, foi além, considerando a conduta tão perigosa que a considerou crime, tratado no artigo 306, prevendo detenção de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

A conduta de dirigir em excesso de velocidade foi tratada de forma gradativa. Nos casos mais graves, in casu, velocidade superior a máxima em mais de 50%, foi prevista a penalidade multa de R$ 574,62, suspensão do direito de dirigir e apreensão do documento de habilitação. Também foi tratado como crime de trânsito, no artigo 311, sujeito a detenção de seis meses a um ano, ou multa. E indiretamente no artigo 308, do CTB. Porém, o excesso de velocidade entre 20 e 50% foi tratado como infração grave, com multa de R$ 127,69 e cinco pontos na CNH. E dirigir acima da velocidade permitida, em até 20%, restou tratado como infração média, multa de R$ 85,13 e quatro pontos.

Essa última situação compararia uma das principais causas de acidentes de trânsito, segundo a OMS, as condutas de estacionar/parar em local proibido; não permitir passagem pela esquerda; ou arremessar objetos de dentro do veículo.

Adiante, pode-se mencionar a infração de desrespeito ao sinal vermelho, que se pode harmonizar ao quadro da OMS como desrespeito à sinalização, onde novamente o legislador do Código foi coerente no tratamento, abordando a infração no artigo 208, sujeitando o infrator as penalidades gravíssimas, multa de R$ 191,54 e sete pontos na CNH.

Por fim, cumpre analisar a infração de dirigir falando ao telefone celular, apontada como principal causa de conduzir sem a devida atenção. A mesma é abordada pelo Código de Trânsito como infração média. Mas, aqui, cabe uma abordagem histórica. Quando da instituição do CTB, havia no Brasil aproximadamente 4.400.000 (quatro milhões e quatrocentos mil) aparelhos celulares, segundo dados do World Factbook, e não havia este hábito entre os brasileiros, inclusive pelo valor da chamada que era elevadíssimo. Atualmente são mais de 265.000.000 (duzentos e sessenta e cinco milhões) de aparelhos, e conduzir falando ao celular é fato corriqueiro, que merecia ser revista pelo Poder Legislativo.

Desta maneira, pode-se concluir que o tratamento do Código de Trânsito Brasileiro é adequado as principais causas de acidentes de trânsito, em que pese haver a necessidade de revisão de questões pontuais, como as infrações por excesso de velocidade em até 20% e em conduzir utilizando telefone celular. O que merece atenção do Estado é a revisão dos valores das multas que não têm sido reajustadas a vários anos, tornando a penalidade de multa irrisória e não atinge os fins a que se destina, reprovação e prevenção, e também a necessidade de acentuar as campanhas educativas, incluindo a fiscalização às normas de trânsito, ações que devem ser constantes.

Vanderlei Santos*
Advogado, especialista em direito administrativo de trânsito e gerente comercial da Perkons.
vanderleisantosadv.blogspot.com.br

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.