NOTÍCIAS

O peso da multa para coibir a indústria de infratores

Reajuste do valor da multa é apontado por parlamentares, especialistas e órgãos de trânsito como a única saída para eficácia da punição pela infração

Publicado em
O peso da multa para coibir a indústria de infratores

O trânsito brasileiro evoluiu; o código que o regula não. Desde sua criação, há 12 anos, o Código de Trânsito Brasileiro recebe propostas de modificações e atualizações. De lá para cá, foram 329 sugestões. E, para desenrolar este novelo, foi criada em abril de 2009 uma subcomissão que estuda as leis de trânsito e suas limitações.
Após um ano de trabalho, numa verdadeira operação pente fino, o grupo de parlamentares conseguiu preparar um anteprojeto com 129 propostas; dentre as mais polêmicas está a sugestão do aumento do valor das multas. Segundo documento da subcomissão, os valores devem ser reajustados em 89,94%, com base no Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA).
Para o deputado Marcelo Almeida, relator da subcomissão, o objetivo é resgatar o espírito originário da lei: “Quando foi criado, o CTB baseava o valor das infrações em UFIR (Unidade Fiscal de Referência). Extinta essa forma de atualização, o Denatran precisou fixar o valor da multa, e esse montante não é atualizado desde 2002.


“Especialistas são unânimes: a multa só tem efeito de conscientização se puder mudar o comportamento do condutor por prejuízo”

O valor baixo da multa não impede uma conduta negativa por parte do motorista, que não se importa em pagar pelas infrações cometidas. A idéia, com o aumento desse valor, é reduzir o número de infrações e, conseqüentemente, incentivar uma mudança de comportamento”.
Tal mudança é detectada através da fiscalização. Onde ela está presente, além do número reduzido de infrações, nota-se uma conduta condizente com a lei. Porém, para Gustavo Fatori, coordenador de infrações de DETRAN-PR, essa constatação comprova que “no Brasil há cultura de respeito à fiscalização e não de respeito à lei. 
Onde temos a fiscalização, por mais que existam infrações, o número é pequeno. O condutor nota o radar e diminui a velocidade, mas volta à velocidade praticada anteriormente assim que ultrapassa o equipamento”, diz.
Segundo Gustavo, essa postura de apenas respeitar a fiscalização é bastante visível. “É a velha história do motorista que foi multado porque o fiscal estava atrás da árvore. Então quer dizer que, se o fiscal estivesse em frente à árvore, o motorista não furaria o sinal? Só o Detran contabiliza cerca de 35 mil multas por mês no Paraná, um número bastante significativo”, contabiliza.
Antes mesmo de o anteprojeto ser pensado pela Subcomissão Parlamentar em Brasília, o consultor e especialista em trânsito Philip Gold já destacava a importância da multa influenciar o comportamento do motorista e apontava o caminho: num estudo apresentado em 2003, Gold apresenta a relação entre a velocidade, gravidade do acidente e valor da multa e como essas variáveis trabalham em prol de um trânsito mais seguro: “Se o valor da multa (e/ou o peso dos outros tipos de punição) não ultrapassar um valor mínimo, o condutor não sente nenhum problema significativo em pagar as multas e, conseqüentemente, não se preocupa em evitar cometer infrações, mesmo que cometa muitas infrações e receba muitas multas”.
Philip prossegue: “Quando a intensidade das atividades de detecção e registro de infrações atinge ou ultrapassa o valor mínimo, o condutor sente que a probabilidade de receber uma multa quando cometer uma infração é grande. Nesta situação, se o valor da multa também atinge ou ultrapassa o valor mínimo, o condutor procura não cometer infrações para não receber as multas pesadas. Assim, pode-se concluir que o objetivo principal foi alcançado, porque houve uma mudança de comportamento.
Quanto maiores os valores, maior o esforço do condutor em não cometer infrações, menor a freqüência de infrações cometidas e, conseqüentemente, maior é a segurança do trânsito. Ou seja, os melhores resultados de um sistema de fiscalização ocorrem quando o valor da punição é acima do valor mínimo e, simultaneamente, a intensidade das atividades de detecção e registro das infrações é acima do valor mínimo”, analisa.

Mesmo, assim, o caminho para um Código de Trânsito atualizado e coerente com a realidade nacional ainda é longo: o anteprojeto que deve resolver parte das questões burocráticas e práticas ainda aguarda a deliberação dos membros da Subcomissão. Após sua conclusão, o material deverá seguir o trâmite legislativo normal: análise das comissões pertinentes, verificação da constitucionalidade, outros protocolos e, finalmente, homologação da lei.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.