NOTÍCIAS

O permanente “bullying” a um planeta de recursos finitos

por Milton Corrêa da Costa*

Publicado em

Hoje, 05 de junho, é o Dia Mundial do Meio Abiente, como se meio ambiente tivesse dia específico para ser lembrado. Chegamos a um ponto tal, com as notícias de constantes desastres ambientais e mudanças climáticas- no Estado do Amazonas as imagens mostraram recentemente que algums cidades ficaram submersas- que hoje ninguém precisa ser mais grande mestre em meio ambiente, em desenvolvimento sustentável ou no estudo dos seres vivos. É fácil constatar que a emissão inconsequente e progressiva de gases poluentes, do desmatamento e da poluição de rios e mares, vem tornando a Terra, com o consequente aquecimento global provocado pelo efeito estufa, um planeta em progressivo desequilíbrio ecológico, com risco iminente, daqui pra frente, da própria sobrevivência humana e do reino animal. Isso é fato real. Como também é fato real que no Brasil, ruralistas, ambientalistas e o próprio governo até hoje sequer chegaram à conclusão sobre o texto mais equilibrado do novo Código Florestal.
Os ambientalistas afirmam agora- matéria de caderno especial de um jornal de grande circulação neste 5 de junho- que o pulmão do mundo não estaria no verde das florestas, mas sobretudo nos oceanos de onde provêm boa parte do oxigênio que respiramos e absorvem o excesso do gás carbônico (CO2) que lançamos na atmosfera. Eles controlam o clima e a água do planeta Terra. Um riqueza incomensurável e um grande desafio. Sequer a maioria das espécies marinhas foi descoberta. Os ocenaos são o maior fronteira da biodiversidade, afirmam. O pequisador Eduardo Sechi, do Laboratório de Tartarugas e Mamíferos Marinhos da Furg observa que, se em 25 anos, forem mantidos os níveis atuais de pesca, é bastante provável que a população das toninhas, os mais ameaçados golfinhos do Brasil, tenha uma redução de 80%.
A matéria informa ainda que um estudo publicado pela revista americana “Science” mostra inclusive que 41% dos ecossistemas marinhos sofrem de maneira grave com a impensada ação humana. Mais ainda: de acordo com os cientistas, não existe região da Terra que não tenha sido afetada pela presença do homem, embora nas áreas próximas asos polos o impacto seja menor. Um outro estudo aponta locais onde a poluição tem diminuído a quantidade de oxigênio na água, um processo chamado de eutrofização, com cosequente morte dos seres vivos que precisam de oxigênio, como peixes e crustáceos.
Por sua vez, o norte-americano Peter May, naturalizado brasileiro, especialista em recuros naturais e coordenador da Conferência de Economia Ecológica, encontro mundial marcado para ocorrer entre 16 e 19 próximos, antes da Rio + 20, alerta: ” O princípio básico da Economia Ecológica é o fato de a natureza ter limites que precisam se contabilizados. Trata-se de uma questão óbvia: se há um planeta finito, a economis não pode atuar como se os recursos fossem infinitos”.
Ainda que por enquanto livres de tsunamis, de grandes tornados e furacões, de permanentes tremores de terra e de terremotos, tipo o que destruiu num passado recente o Haiti- a Itália foi vítima agora de um forte terremoto -o Brasil é porém sinônimo de permanentes catástrofes ambientais, provocadas pelo excesso ou escassez de chuvas onde o cenário em algumas regiões e cidades do país é simplesmente desolador. O fenômeno La Niña vem fazendo o seu estrago e parecemos impotentes ante tamanho desequilíbrio climático. Sequer levamos, com a seriedade devida, a importância do setor de defesa civil no país. Estamos despreparados para enfrentar a força repulsiva e progressiva da natureza. A burocracia e o clientelismo na distribuição de verbas também são bastante evidentes.
A única certeza é que há hoje no Planeta Terra áreas inóspitas à sobrevivência humana e animal. Até onde irão a falta de consciência e o descaso do homem com as permanentes agressões ao meio ambiente? Até onde a natureza permanecerá em sua ação repulsiva e com que intensidade? Com a palavra os líderes mundiais e os doutos em meio ambiente que participarão da RIO + 20, da qual se espera não apenas a assinatura de protocolos de intenção mas sobre tudo que se honre os compromissos firmados. o futuro do Planeta Terra é sombrio e é preciso salvá-lo o quanto antes. Quando o assunto é meio ambiente é preciso quebrar grandes paradigmas.

*Milton Corrêa da Costa 
É coronel da reserva da PM do Rio de Janeiro

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.