NOTÍCIAS

Morte no trânsito: um dos maiores absurdos que o governo criou

por Gerardo Carvalho (Pardal)*

Publicado em

Acabei de receber a notícia de mais uma morte por atropelamento. Não sei até quando direi: mais uma Semana Nacional de Trânsito e nada de novo debaixo do sol. Todo ano, tem um seminário, um congresso sobre trânsito, mas de novo só o hotel onde é feito – e às vezes já é repetido.

Aconteceu de 12 a 14/9/13, num hotel de Fortaleza, o VII Encontro Ibero-americano da Federação Nacional das Autoescolas/Centro de Formação de Condutores – CFC – (FENEAUTO). Estranha a quase nula divulgação na mídia! O que se pode esperar na prática desse congresso, cuja mascote foi o simulador de direção para os futuros motoristas? Exigência que o Contran vem querendo impor desde 1998, pela Resolução do Contran, 74, art.4º, VI. Pelas conversas que pude observar, os empresários presentes não estão animados com este “game” viário: R$ 38 mil e R$ 1.600 mensais para manter o drive.

Tudo isso acontecendo, entra ano e sai ano, e a segurança no trânsito diminuindo e a violência aumentando. Por que será? A resposta é claríssima e admitida por todos – não sei pelo governo: FALTA DE EDUCAÇÃO. Infelizmente, não é posta em prática propositadamente. Com tristeza, concluir isto. Você já viu “Trânsito” em algum livro didático? Nem eu. Depois de 37 anos de magistério em escola pública. E o pior: aposentar-me-ei com a mesma inquietação. Não investindo em educação no trânsito na escola (caput do art. 76 do Código de Trânsito) e no ensino médio (Contran: Res. 265, art.1º) o governo dá clara prova de “sadismo”. Não já bastam tantas mortes?

Pela Res. 74, o Contran acrescentou, às autoescolas práticas, uma tarefa cujo efeito será sempre foi uma ilusão: educar o pretenso condutor. Primeiro, o instrutor teórico – professor? – precisa só do ensino médio para ensinar. Onde ele recebeu/recebe formação para tal? Segundo, o candidato (adolescente, jovem, adulto) já de cabeça “formada”, muito dificilmente, apreende alguma coisa e consegue avaliar sua mentalidade para uma interiorização ou mudança positiva de atitudes. Seu interesse maior é passar na prova. Como um pardal que chilreia no deserto, concluo que o Brasil, só e somente só, descerá do sangrento pódio de “campeão” mundial em acidente de trânsito, quando o MEC criar a disciplina CIDADANIA, incluindo obrigatoriamente o trânsito como um dos temas principais, desde as creches até à universidade. Sendo obrigatório também a formação dos professores sob a responsabilidade do órgão estadual/municipal de trânsito (art. 22,XII,XIII; 24,XIV,XV). Como tema transversal, o resultado é duvidoso. Fica tudo diluído e o mais indispensável não acontece: construção/mudança comportamental.

*Gerardo Carvalho (Pardal)
Professor, educador de trânsito, Jornalista

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.