NOTÍCIAS

Com R$ 24 bilhões eu…

Especialistas respondem como utilizariam a verba do PAC-2 para a mobilidade urbana [Parte I].

Publicado em

A Perkons convidou especialistas para responderem como aplicariam R$ 24 bilhões em ações de trânsito e de transporte e por quê. Esta é  a quantidade que pode chegar os recursos do PAC-2 para mobilidade urbana.
Confira nesta matéria a opinião de Nazareno Stanislau Affonso – Coordenador Nacional do MDT (Movimento Nacional pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade para Todos), Luis Vilanova – Responsável pelo site Sinal de Trânsito e David Duarte Lima, Doutor em Segurança de Trânsito pela Université Libre de Bruxelles. Em breve a opinião de mais três especialistas!


Sobre o PAC-II, em todos os contatos com o Ministério das Cidades e na apresentação da Casa Civil, no Conselho das Cidades, em maio, foi explicitado que R$ 6 bilhões eram para asfalto, incluindo as calçadas – uma boa novidade. No Conselho defendemos que a prioridade absoluta era para asfaltar vias de transportes público. Na minha opinião, deveria ser reservado R$ 1 bilhão para as calçadas com prioridade para aquelas de muita movimentação de pedestres.
Os demais R$ 18 bilhões, por definição do Ministério das Cidades, são para cidades com mais de 300 mil habitantes e restritos a sistemas estruturais de transportes coletivos (metrô, ferrovias urbanas, BRT, VLT). Acho que deveriam ter como premissas a segurança no trânsito e vir reforçando os projetos aprovados para o PAC da Copa, incluindo corredores auxiliares ou complementares e sistemas de bicicletas e calçadas acessíveis. Para isso deveriam ser reservados R$ 4 bilhões. Os demais R$ 14 bilhões deveriam: primeiramente, reservar R$ 1 bilhão para o sistema cicloviário, que não consta da proposta original da Casa Civil, R$ 6 bilhões para os BRTs e os demais R$ 7 bilhões para os sistemas metroferroviários.
Infelizmente, não há previsão para investimentos na área de segurança no trânsito, destacando que esses sistemas de transportes públicos comprovadamente têm reduzido mortos e feridos pelas vias onde são implantados.

Nazareno Stanislau Affonso
Urbanista e Coordenador Nacional MDT – Movimento Nacional pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade para Todos.

___________________________________________________________________________________

Inicialmente, eu devolveria R$ 12 bilhões para que fossem aplicados em Educação Básica. É disso o que mais o Brasil precisa.
Bem, agora que ficamos R$ 12 bilhões mais pobres, vamos distribuir os outros 12 – que ficariam em R$ 8 bilhões para Transporte e R$ 4 bi para Trânsito.
No que tange ao Trânsito, eu distribuiria os R$ 4 bilhões da seguinte forma:
– R$ 1,5 bilhão para a implementação de projetos e adoção de medidas voltadas à Segurança Viária.
– R$ 1,2 bilhão para a implementação de projetos e adoção de medidas voltadas à Fluidez.
– R$ 600 milhões para construir sistemas centralizados de monitoração das condições de trânsito, a fim de subsidiar ações operacionais e disponibilização de informações aos usuários.
– R$ 500 milhões dedicados à fiscalização de trânsito, englobando fiscalização automática (80%) e manual (20%).
– R$ 200 milhões para a implementação de programas de Educação de Trânsito.

Transporte

No que se refere ao setor de Transporte, confesso que não sou especialista no assunto. Por isso, vou apenas sugerir uma macro-divisão dos R$ 8 bilhões que lhe couberam. Eu separaria R$ 5 bilhões para o transporte ferroviário (metrô e trem), R$ 2 bi para o sistema de ônibus (principalmente com a implementação de faixas exclusivas à esquerda) e R$ 1 bilhão para efetivar a integração entre os diversos modos de transporte.

Luis Vilanova
Engenheiro de trânsito responsável pelo site Sinal de Trânsito

___________________________________________________________________________________

Bom, vamos começar pelo começo, ou seja, pelo diagnóstico da situação atual e proposição de possíveis soluções para os problemas. 
Em primeiro lugar, a mobilidade no Brasil é deficiente, em alguns locais ou para alguns modos de locomoção é precária. No meio urbano há dificuldades, no meio rural as estradas são ruins. E R$ 24 bilhões não dariam para resolver tudo. Mas há como melhorar.
Em segundo lugar, três problemas do trânsito merecem atenção especial: a questão energética, a questão ambiental e os acidentes. Os dois primeiros precisam ser melhor equacionados. A eficiência energética dos veículos e da mobilidade de forma geral passa por uma reengenharia das vias, melhoria do transporte de massa, políticas estatais de incentivo a veículos eficientes. Ou seja, deve fazer parte de um grande programa. A questão ambiental é igualmente complexa, tem a ver com a eficiência energética, e exige medidas amplas, de longo prazo. A inspeção veicular, que é uma espécie de check-up da saúde dos veículos, é um requisito imprescindível nesse processo.
O terceiro problema, os acidentes de trânsito, requerem um esforço extraordinário para sua abordagem correta e controle. No Brasil, todos os anos morrem 40 mil pessoas, 700 mil ficam feridas, e dessas pelo menos 150 mil ficam com sequelas ou incapacidades. É um enorme problema de Saúde Pública que custa 30 bilhões de reais à sociedade.

Prioridades
Para mitigar essa chaga social é preciso estabelecer prioridades.
– Primeiro, diminuir o número de mortes. E dá para fazer isso sem reduzir o número de acidentes. Por exemplo, se todos usassem o cinto de segurança, inclusive no banco de trás, reduziríamos pelo menos 3000 mortes por ano. Uma medida simples e efetiva.
– Segundo, reduzir o número de feridos graves e incapacitados. Além do cinto, seria preciso melhorar o resgate, reduzir a velocidade em pontos ou áreas específicas.
– Terceiro, reduzir o número de feridos, e assim sucessivamente. Porém, o programa deve ser abrangente, detalhando especificidades e com um cronograma bem estabelecido, no qual haja metas e métodos. Motociclistas, que este ano passam a ser o grupo que mais morre, devem ter tratamento especial, uma abordagem específica. Pedestres, ciclistas, idosos, crianças, motoristas jovens merecem segmentação e atenção especial.
É, portanto, uma tarefa muitíssimo grande. Hoje, porém, se o governo colocasse R$ 24 bilhões para resolver os problemas do trânsito não teríamos como utilizar todo esse dinheiro. Faltam-nos órgãos eficientes, diagnóstico preciso, prioridades e planos. De outro lado, somente para melhorar a trafegabilidade das nossas rodovias seriam necessários 200 bilhões de reais. Olhando o tamanho do problema, 24 bilhões é pouco, mas pode ser um excelente começo.

David Duarte Lima
Doutor em Segurança de Trânsito pela Université Libre de Bruxelles.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.