NOTÍCIAS

Centrais integradas no trânsito

NULL
Publicado em

Falar em mobilidade urbana e gestão do trânsito pressupõe o máximo da aplicação dos recursos eletrônicos disponíveis

    Qualquer projeto que seja implantado atualmente tem que prever a integração de todos os serviços de emergência do Município numa central de atendimento, de forma a facilitar a gestão e gerar economia e rapidez na tomada de decisão para o atendimento da população.
    A partir dessas centrais, os agentes treinados poderão monitorar o trânsito, assim como ruas, praças e prédios públicos, e, ao sinal de qualquer problema ou emergência, podem acionar as equipes especializadas que farão o atendimento, seja de um acidente ou de um ato de vandalismo qualquer.
    Se for uma catástrofe natural, como enchentes, ou acidente com carga perigosa, pela central integrada a Defesa Civil entra em ação. Problemas com segurança, como assaltos, poderão ser coibidos pela fiscalização das câmeras e reprimidos com a rápida intervenção policial.
    Campinas (SP), Belo Horizonte (MG) e Fortaleza (CE) já implantaram seus sistemas integrados, que partem do pressuposto: para salvar vidas, gerar sensação de segurança, desatar os nós dos congestionamentos ou fazer a economia de uma cidade andar, os gestores municipais precisam dar respostas rápidas e transparentes aos problemas que a cidade enfrenta diariamente.
    São Paulo ainda patina na integração. Em parte por seu gigantismo, em parte por falta de transparência em sua política de segurança no trânsito e em parte porque ações judiciais travam todo o processo ao questionar a lisura das licitações paulistanas. Aliás, em São Paulo o atual precário sistema de fiscalização de trânsito está funcionando por meio de contratação em caráter emergencial, uma vez que o processo licitatório sofreu diversas contestações.
    Hoje, na capital do Estado mais rico do país, na terceira maior metrópole do mundo, nem sequer o número de infrações registradas pelos equipamentos eletrônicos e pelos agentes públicos durante o mês é possível saber. Quanto a cidade arrecada com multas e quanto investe no trânsito também é outra informação guardada a sete chaves.
    Até dois anos atrás, os radares fixos registravam 150 mil infrações por mês. As infrações aumentaram ou diminuíram? Sem estatísticas e sem informações à sociedade, o processo de transparência na gestão pública fica seriamente comprometido e a parceria entre o Município e seus munícipes não se estabelece.
    Encontrar soluções que deem mais mobilidade e segurança no trânsito é sempre um desafio para a sociedade. Mas, quando a Prefeitura boicota a informação, cria uma cisão entre o poder público e a sociedade. Aí, então, tudo fica mais complicado.

Silvio Médici
Abramcet


Originalmente publicado no Jornal da Tarde/SP em 18/10/2009.

COMPARTILHAR

Veja

também

Inovação e Gestão Urbana: temas centrais do Perkons Connect

Segurança no trânsito em foco no Perkons Connect

Primeira edição do Perkons Connect será em São José do Rio Preto

Relatório de Transparência Salarial

Visão Zero é capaz de transformar a mobilidade urbana no Brasil

Maio Amarelo 2024: Paz no trânsito começa por você

Perkons destacará suas soluções inovadoras e impacto na segurança viária na Smart City Expo Curitiba 2024

Lei da Cadeirinha completa 16 anos

Celebrando o aniversário do Código de Trânsito Brasileiro: 26 anos de avanços e transformações

Um alerta para o risco das ultrapassagens indevidas

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.