NOTÍCIAS

Câmbio automático para habilitar-se – característica ou adaptação?

por Marcelo José Araújo*

Publicado em

A pessoa que pretende obter a Carteira Nacional de Habilitação, após a realização dos exames físicos e psicológicos, aprendizagem teórico-técnica, fazer o exame teórico-técnica, o candidato fará a aprendizagem prática, e o exame prático. Para esse exame prático deverá ser utilizado um veículo com as características daquela categoria pretendida. Para a primeira habilitação, que será categoria “A” ou “B”, será exigida uma motocicleta de mais de 120 cc para categoria “A” e para categoria “B” um veículo da categoria pretendida. O detalhe é que a Legislação não coloca para a categoria “B” qualquer característica especial para o veículo destinado à prova, a não ser o de se enquadrar na categoria pretendida (“B”).

O grande detalhe é que como está colocado genericamente que o veículo apenas deve enquadrar-se na categoria “B”, aparentemente não haveria qualquer restrição que o veículo a ser realizado o exame fosse automático, por exemplo. O problema é que se o candidato fizer a prova num carro automático, mesmo não sendo deficiente físico, irá aparecer a restrição em seu documento de que estará restrito à condução de carros com esse tipo de câmbio. Qual seria essa justificativa?

Na prova para habilitação da categoria “B” há determinadas faltas que podem ser cometidas e que estão relacionadas com a má utilização do pedal de embreagem, como, por exemplo, apoiar o pé no pedal da embreagem, engrenar as marchas incorretamente ou usar o pedal de embreagem antes do freio, além de outras relacionadas ao controle do veículo. Estaria, então, implícita a necessidade da existência do pedal de embreagem no veículo, porém, não existindo expressamente a previsão de que o veículo tenha que ser mecânico, e tradicional, a inexistência de embreagem apenas tornaria restrita a avaliação do uso da embreagem, mas, não poderia constar como restrição no documento de quem se habilita, já que também não ficou demonstrado que a pessoa não sabe usá-la.

Outro detalhe que merece ser avaliado é que para fins de realização do exame é que para exame de pessoas com deficiência física o fato de o veículo ser “automático” consta como adaptação no veículo, quando na verdade sabemos que não se trata em hipótese alguma de adaptação, e sim de uma característica de alguns modelos de veículo de série. Pior, há uma infinidade de outros tipos de câmbios que não utilizam embreagem nas trocas, como citymatic, o tiptronic, entre outras derivações. O fato é que não são nem mais fáceis nem mais difíceis, e sim formas diferentes de operar o veículo. Significa que uma pessoa que aprendeu e se habilitou num câmbio mecânico pode e certamente terá dificuldade em operar logo de início o câmbio automático, principalmente pelo condicionamento e não necessariamente pela habilidade ou facilidade. Assim como uma pessoa que habilitou-se num câmbio mecânico, mas, passou a utilizar apenas câmbios automáticos terá dificuldade em se readaptar ao mecânico.

*Marcelo José Araújo
Advogado e Consultor de Trânsito. Professor de Direito de Trânsito. Presidente da Comissão de Direito de Trânsito da OAB/PR

COMPARTILHAR

Veja

também

Inovação e Gestão Urbana: temas centrais do Perkons Connect

Segurança no trânsito em foco no Perkons Connect

Primeira edição do Perkons Connect será em São José do Rio Preto

Relatório de Transparência Salarial

Visão Zero é capaz de transformar a mobilidade urbana no Brasil

Maio Amarelo 2024: Paz no trânsito começa por você

Perkons destacará suas soluções inovadoras e impacto na segurança viária na Smart City Expo Curitiba 2024

Lei da Cadeirinha completa 16 anos

Celebrando o aniversário do Código de Trânsito Brasileiro: 26 anos de avanços e transformações

Um alerta para o risco das ultrapassagens indevidas

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.