NOTÍCIAS

Agressão à saúde e segurança

por Dirceu Rodrigues Alves Jr*

Publicado em

Dois capacetes para a motocicleta – Projeto de Lei 7451/2010

Veja esse Projeto de Lei que tramita nas Comissões de Viação e Transporte e Constituição e Justiça e de Cidadania no Congresso Nacional.

Proposição: PL-7451/2010
Autor: Eduardo Cunha – PMDB /RJ
Data de Apresentação: 08/06/2010
Apreciação: Proposição Sujeita à Apreciação Conclusiva pelas Comissões – Art. 24 II
Regime de tramitação: Ordinária
Situação: CVT: Aguardando Parecer.
Ementa: Acrescenta inciso ao art. 105 da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para incluir dois capacetes como equipamentos obrigatórios das motocicletas e afins.
Indexação: Alteração, Código de Trânsito Brasileiro, exigência, equipamento obrigatório, capacete, motocicleta, ciclomotor.
Despacho: 21/6/2010 – Às Comissões de Viação e Transportes e Constituição e Justiça e de Cidadania (Art. 54 RICD) Proposição Sujeita à Apreciação Conclusiva pelas Comissões – Art. 24 II Regime de Tramitação: Ordinária

Veja, o capacete é um Equipamento de Proteção Individual (EPI). Precisa ser ajustado proporcionalmente ao tamanho da cabeça, dando segurança e proteção. A parte interna é constituída de material que absorva o suor, logicamente tornando-se ambiente propício para proliferação de microorganismos.
Como aceitar que esse equipamento passe de cabeça em cabeça e que seja o difusor de doenças?
Na pele, couro cabeludo, nariz, olhos, boca, temos milhões de microrganismos.  O interior do capacete armazena esses microorganismos que para o indivíduo que os deixou ali podem não fazer mal. O organismo dele já reconhece e sabe se defender dos mesmos, mas para qualquer outra pessoa pode ser extremamente agressivo causando infecções localizadas ou generalizadas. Entra também à oleosidade da pele, do couro cabeludo, o suor, a chuva, a umidade do ar que tornam o ambiente propício para que esse interior do capacete se torne um ninho de microrganismos. Além de tudo, temos que lembrar que o motociclista na via pública, ao deslocar-se, turbilhona a poeira do solo, assim como todos os veículos, impregnando a roupa, a pele, os olhos, a via respiratória, digestiva e o capacete do motociclista ou carona com poeiras, cistos, bactérias, vírus, bacilos, fungos, etc. A possibilidade de aparecimento de doença é muito grande.
Por tudo isso temos que estar ligados no uso individual, jamais emprestar o capacete. Há também necessidade de higienização permanente do nosso capacete.
Entendido tudo isso estaremos rodando com muito mais segurança.
O Projeto de Lei que está sendo avaliado nas Comissões do Congresso precisam enquadrá-lo como equipamento individual, jamais passado de cabeça em cabeça porque estaremos expondo a saúde dos usuários da motocicleta a múltiplos agentes nocivos como:

1 – Fitirius Púbis (chato)
2 – Piolhos
3 – Carrapatos
4 – Ácaros
5 – Bactérias
6 – Fungos
7 – Bacilos
8 – Vírus

Infelizmente o Projeto de Lei contraria o objetivo maior que é a segurança e ainda permite a disseminação de doenças entre os usuários das motocicletas.

 

*Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior
Diretor de Comunicação e do Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional da ABRAMET
www.abramet.com.br
dirceurodrigues@abramet.com.br
dirceu.rodrigues5@terra.com.br

 

COMPARTILHAR

Veja

também

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Aumento nos combustíveis pode diminuir número de veículos circulando

Crianças e adolescentes por um trânsito mais seguro

Maio Amarelo mostra como cada pessoa pode salvar vidas

Cresce o número de mulheres motoristas profissionais

Tecnologia facilitando a vida dos condutores

Sinalizar corretamente um acidente evita mais vítimas e infrações

Volta às aulas exige cuidados redobrados com o transporte escolar

Cruzamentos ainda são locais com grandes números de acidentes

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.