NOTÍCIAS

Semáforo: melhor antes ou depois do cruzamento?

No Brasil não há uma padronização. E, segundo especialistas, nem no mundo.

Publicado em
Semáforo: melhor antes ou depois do cruzamento?

Semáforos instalados acima da faixa de travessia dos pedestres, pouco depois da de retenção, podem melhorar a visualização do motorista, porém o pedestre que faz a travessia nesta faixa tem dificuldade para ver – e aquele que a faz do outro lado da interseção nem vê. O contrário, também tem vantagens e desvantagens. A avaliação e decisão ficam a critério dos órgãos executivos de trânsito: o manual de sinalização do Denatran não impõe uma localização exata.

Na prática, cada cidade tem adotado posições diferentes na localização do semáforo. Em São Paulo, por exemplo, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) adota os semáforos sempre depois do cruzamento. “O foco do semáforo é depois do cruzamento, então a faixa de retenção e de pedestres ficam antes. Existem prós e contras. Nos Estados Unidos, por exemplo, é assim. Na Europa o foco é antes do cruzamento. Entendo que o foco depois do cruzamento tem melhor visibilidade, mas não há um consenso no mundo de qual é melhor”, diz o gestor de trânsito do órgão, Luiz Montans. 
Em Salvador a discussão foi além: a prefeitura já foi alvo de contestação jurídica via Ministério Publico Estadual sobre a posição da faixa de pedestres. A alegação é que ela deve ficar depois do semáforo com a justificativa que “não se pode invadir o sinal vermelho para não causar riscos ao ser humano”.
Segundo o manual do Denatran, a faixa de travessia “delimita a área destinada à travessia de pedestres e regulamenta a prioridade de passagem dos mesmos em relação aos veículos” e sua localização “deve respeitar, sempre que possível, o caminhamento natural dos pedestres, sempre em locais que ofereçam maior segurança para a travessia”.

Divulgação

Os semáforos devem ficar antes ou depois da interseção? Não há consenso
entre especialistas e nem na aplicação nas diferentes cidades do Brasil.
Diferente de São Paulo, a imagem mostra a cidade de Curitiba/PR adotando
antes do cruzamento.

O engenheiro e editor do site Sinal de Trânsito, Luis Vilanova, explica melhor: “A cada semáforo, ou grupo focal, está associada uma linha de retenção que fica posicionada antes do semáforo, no sentido do trânsito, e que não pode ser transposta pelos veículos durante o vermelho. Evidentemente, a faixa de pedestres tem de estar posicionada após a linha de retenção correspondente. Portanto, legalmente, não há nada que regule exatamente onde a faixa de pedestres deve estar situada em relação aos semáforos, desde que esteja posicionada após a linha de retenção e que estejamos considerando um mesmo local, por exemplo, um cruzamento, ao considerar o conjunto semáforo, linha de retenção e faixa de pedestres”, diz.
Ainda, na opinião do engenheiro especialista em trânsito e diretor da Perkons, José Mario de Andrade, “é de suma importância o estudo do local pensando nos elementos de trânsito”. Ele destaca que “o conjunto deve favorecer, acima de tudo, uma boa visualização entre condutores e pedestres, pois o contato visual é um fator essencial para garantir a segurança da travessia”.

Risco para os pedestres: atenção para duas situações
Quanto à travessia dos pedestres, o engenheiro Vilanova lembra de duas situações nos cruzamentos semaforizados: uma em que o pedestre possui sinalização com focos e outra em que não possui. No primeiro caso, ele alerta que se deve evitar que o veículo ainda esteja passando por sobre uma faixa de pedestres quando o foco de pedestres já está em verde. “Isso pode ocorrer em cruzamentos de avenidas largas e pode ser uma armadilha para o pedestre. Em particular, crianças são muito vulneráveis a essa armadilha, pois acreditam no que lhes ensinaram: ‘Atravesse na hora que o boneco ficar verde’”, diz. Segundo ele, a solução é simples. “Basta programar um intervalo de vermelho de limpeza (vermelho geral), no qual os veículos da transversal já estão em vermelho e o foco de pedestres ainda não abriu. Geralmente, dois ou três segundos são suficientes para eliminar o risco de atropelamentos”, afirma Vilanova.
Ele também explica que no segundo caso, em que o pedestre não possui foco para ele, a dinâmica da operação é guiada diretamente pelas regras de prioridade do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). “O pedestre deverá atravessar no estágio em que o verde está aberto para a via paralela à sua travessia, pois nessa hora apenas os veículos da conversão estão disputando espaço com os pedestres, e pelo código, esses veículos devem dar preferência aos pedestres passando, apenas, na hora em que ocorrer uma brecha suficiente entre eles”, finaliza.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.