NOTÍCIAS

Prêmio para a inimiga do planeta

NULL
Publicado em

    No Brasil, a motocicleta era, até o final dos anos 80, um veículo esportivo, limitado a um grupo pequeno de pessoas da classe média e alta. Mas nenhum bem de consumo teve o preço tão achatado nas duas últimas décadas e obteve como resultado o crescimento de 21% ao ano na produção de motocicletas.
    Após uma forte estratégia da indústria para a ampliação das vendas, houve um crescimento exponencial, de 129 mil unidades em 1990 para mais de 1,5 milhão em 2009. Estima-se em quase 10 milhões a atual frota nacional de motocicletas. A pergunta que paira no ar é: como essa mudança foi possível em um ambiente tão nebuloso para os outros setores?
    Com estímulos fiscais e um mercado potencial elevadíssimo, não foi difícil convencer multinacionais como a Honda e a Yamaha a se estabelecerem aqui e até a tradicional Harley-Davidson instalou sua única fábrica fora dos Estados Unidos em Manaus.
    Mas as razões não se esgotam ai. A proliferação das motos tem muitas causas. Uma é o custo menor que o de um carro. Há consórcios em que se pode comprar uma moto por 100 reais ao mês. A maior parte das pessoas que compra moto ganha um salário mínimo.
    A segunda razão é o menor custo de operação. Segundo a Associação Nacional de Transportes Públicos- ANTP, uma viagem de sete quilômetros num grande centro urbano custa 60 centavos numa moto; um real e 20 em ônibus; e um real e 80 de carro.
   A terceira razão é o tempo menor gasto nas viagens de moto. Nesse mesmo percurso de sete quilômetros, enquanto a moto gasta 16 minutos, o carro precisa de pelo menos 20 minutos e o ônibus de 43 minutos. Por isso muitos usam motocicletas para ganhar tempo. A agilidade de operação e sua relativa facilidade de estacionamento são contadas como uma grande vantagem.  
   A grande desvantagem é a insegurança, uma vez que o risco de acidentes com vítimas graves e fatais é cinco vezes superior ao de quem usa automóvel. Na cidade de São Paulo, por exemplo, as motocicletas já representam mais de 8 por cento da frota de veículos porém já  respondem por 29,5 por cento das mortes no trânsito no Brasil.
    Do ponto de vista ambiental, a moto é responsável por uma emissão de poluentes quase sete vezes superior ao volume de poluentes emitidos por um carro novo. Em 2000, uma motocicleta nova emitia 12 gramas de monóxido de carbono (CO) por quilometro, quantidade mais de 16 vezes maior que o volume de 0,73 gramas de CO emitidos por um carro em um quilometro rodado.  Em 2006, esse índice baixou para 2,3 gramas/km por moto contra 0,33 gramas/km por carro. Os dados referem-se a motos com motores de 150 cilindradas ou menos. O agravamento da situação climática mundial já se tornou uma verdadeira emergência planetária e nessa linha de pensamento me parece contraditório a Moto Honda da Amazônia ser homenageada com o certificado e selo de “Empresa Parceira da Natureza durante a 4ª Conferência Latino Americana de Preservação ao Meio Ambiente, com avaliação feita pelo IBDN – Instituto Brasileiro de Defesa da Natureza, dentro do Tema Sustentabilidade “”O Caminho que Pode Mudar o Mundo””. O selo é concedido às empresas que demostram comprometimento e responsabilidade com as questões socioambientais, ao promover a defesa e a preservação do meio ambiente às atuais e futuras gerações. Realmente não dá para entender!

Cristina Baddini Lucas -&nbsp

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.