NOTÍCIAS

População se submete aos clandestinos por carência no transporte público

Especialistas em trânsito comentam situação do transporte coletivo no Brasil e citam casos de cidades brasileiras que coibiram a prática ilegal do transporte clandestino.

Publicado em

Ônibus sucateados, em quantidade insuficiente e com tarifa cara. Essa é a descrição popular da oferta do transporte público no Brasil, que ainda disputa espaço com a prestação clandestina do serviço, a que os passageiros se submetem em seus deslocamentos como alternativa a carência do setor.
Luiz Gustavo Campos, especialista em gestão de trânsito e mobilidade urbana pela PUC-PR, aponta que esse quadro era previsível. “Ao passo que a população cresce e a oferta de transporte público não aumenta o suficiente para atender essa demanda, cria-se um nicho para o crescimento do transporte clandestino de passageiros e do transporte individual”, explica.
Dados da Associação Nacional de Transportes Públicos mostram que, em 1950, 85% da população brasileira utilizava o transporte público, enquanto 15% utilizava transporte individual. Em 2009, essa proporção se igualou em 50%. Uma projeção feita para 2030 aponta que, se nada for feito em relação à mobilidade urbana, 65% das pessoas utilizarão o transporte individual e apenas 35% darão prioridade ao transporte público.
O governo federal incentivou e permitiu o avanço no segmento do transporte individual e tardiamente vem adotando medidas para a melhoria da mobilidade urbana, com prioridade para o transporte público, a exemplo do PAC (Programa da Aceleração do Crescimento) e da Lei 12.587, que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana. Para 2012, o orçamento prevê R$ 32 bilhões para o programa de mobilidade urbana do Ministério das Cidades, sendo R$ 8 bilhões destinados à Copa de 2014 e R$ 24 bilhões para o PAC 2, nos Eixos de Pavimentação e Qualificação de Vias Urbanas e de Mobilidade das Grandes Cidades.
Entretanto, de acordo com Campos, essas medidas não inibirão direta e imediatamente o transporte clandestino ou outros problemas regionais relacionados ao deslocamento de passageiros, como o crescimento do uso de mototáxis e a deficiência na integração das modalidades de transportes. “Os investimentos para as grandes obras do programa de mobilidade são parte da solução. É preciso agir regionalmente também com medidas simples de planejamento, regulamentação e fiscalização do transporte de pessoas”, alerta.

Permissão aos clandestinos
Questionado sobre a situação do transporte clandestino no Brasil, o presidente executivo da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Otávio Cunha, diz que “houve conivência do poder público, que foi benevolente para que esse tipo de transporte crescesse e se instalasse no país. Isso porque a lei é clara, define exatamente quem pode fazer transporte de passageiros e o que precisa ser feito para legalização”. Com experiência de 40 anos no setor de transportes, ele também fala sobre o início da atividade: “O transporte clandestino surge no Brasil com o serviço feito por vans. Antes, já existia o transporte feito por motos. Hoje, já começam a aparecer táxis lotação. Para mototáxi já existe regularização por meio de legislação, porque a oferta ilegal aumentou monstruosamente”, conduz.
Segundo o diretor da NTU, a situação é uma concorrência desleal. “O problema é que eles não pagam impostos, em regime de subempresa. A concorrência predatória é muito nociva e acontece principalmente em regiões metropolitanas” , explica.
Cunha sugere a simplicidade da boa vontade do governo como solução da questão e cita Belo Horizonte como exemplo. “Na capital mineira, o transporte clandestino surgiu forte, mas o poder público reagiu e não aceitou a situação. Em pouco tempo, o transporte clandestino desapareceu e foi criado um serviço subsidiário ao já regulamentado. Em São Paulo, foram criadas as cooperativas regulamentadas. No Rio de Janeiro, coexistem o transporte coletivo e alternativos regulamentados. Já no Recife, tivemos problemas sérios e, com o trabalho do poder público, foi resolvido”, documenta.
“O serviço não colabora e o fato de não estar regulamentado faz com que as pessoas fiquem ao sabor do interesse desse tipo de empresa, ou seja, não existe horário regulamentado nem qualquer compromisso com o usuário”, argumenta Otávio Cunha.
Dentre os entraves de manter motoristas e o setor de transporte dentro da lei está a questão da fiscalização, que precisa ser por amostragem ou denúncias. Segundo Luiz Gustavo Campos, que também é diretor da Perkons, empresa de soluções para fiscalização eletrônica de veículos, lançar mão das tecnologias de monitoramento é um caminho irreversível para o combate ao problema. Ele avalia que a principal dificuldade é a fiscalização de vans, que são comuns também para uso particular. “A administração pública pode contar com sistemas de reconhecimentos de placas e associá-los ao uso de câmeras de monitoramento para auxiliar no mapeamento das rotas e fiscalização do transporte clandestino, em especial as vans. O uso desta tecnologia já está difundido para a verificação do rodízio de placas, restrição de circulação de caminhões, inadimplência de IPVA e licenciamento e identificação de veículos roubados”, explica.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.