NOTÍCIAS

O verdadeiro significado de trânsito

por José Mario de Andrade*

Publicado em

“Ação ou efeito de passar, andar / afluência de veículos e pedestres / morte”, esses são os sinônimos de trânsito no dicionário. É curioso como a semântica traduz a realidade da mobilidade brasileira. Quando analisamos as milhares de vidas perdidas a cada atualização das estatísticas, nada fica mais coerente do que assimilar a palavra trânsito à morte.
É quase impossível dissociar a violência do trânsito brasileiro nas atuais circunstâncias. A rotina frenética, aliada à falta de tempo, pressão, além da infraestrutura precária, resultam na grande doença que se reflete nas vias. Isso significa crescente número de acidentes graves e fatais, causado por essa somatória de fatores cada vez mais presentes na sociedade moderna.
Descumprir regras como uma tentativa de retomar o poder perdido, ou que nunca se teve, dirigir em velocidades excessivas pela “necessidade” de viver o tempo instantâneo trazido pela internet e desrespeitar o próximo como forma de afirmação pessoal são alguns sintomas dessa enfermidade social. Acrescente-se a isso as escassas políticas públicas voltadas ao planejamento urbano e implantação de infraestrutura adequada.
A sensação que se tem é a de que as pessoas não sabem o que realmente está acontecendo. O trânsito brasileiro é mais violento do que se pensa. Se levarmos em conta as informações da quantidade de solicitações de seguros DPVAT, nosso país está na 3ª posição do ranking de lugares em que mais se mata e mais se morre em trânsito: ficando apenas atrás da China e da Índia.
Só em 2010, foram pagas 252.351 indenizações às vítimas de acidentes de trânsito em todo o Brasil, sendo mais de 50 mil desses processos por morte, valor que supera a casa das centenas de milhões.
Morte e trânsito. Palavras sinônimas no dicionário e na vida fora dos livros. Quando, na verdade, trânsito deveria ser sinônimo de vida, como no livre e ordenado fluxo do sangue, que permite aos seres humanos permanecerem vivos, saudáveis, interligados e produtivos.
Temos uma grande oportunidade de mudar isso neste momento em que a ONU pede aos países medidas efetivas de redução de mortes nas vias. Não é possível que permaneçamos expectadores desse triste espetáculo. A Década de Ação pela Segurança no Trânsito está aí. Faltam, agora, apenas nove anos.

 

*José Mario de Andrade
Engenheiro Elétrico, Especialista em Trânsito e professor de Engenharia de Trânsito na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Graduado em Engenharia de Operação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1969, possui também especialização em Administração Industrial pela Universidade Federal do Paraná, MBA em Gestão de Vendas pela Faculdade Martinus, e Técnicas Avançadas de Administração do ESADE/Espanha. Atua na Perkons desde a fundação da empresa, em 1991, e hoje ocupa o cargo de Diretor de Negócios Internacionais da Perkons S.A. É membro da Diretoria do Consorcio Tránsito Ciudadano, de Callao/PERU, e da Perkons OPS, Barranquilla/COLOMBIA.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.