NOTÍCIAS

“O motorista brasileiro é absolutamente imprudente na direção”

NULL
Publicado em

Nesta entrevista exclusiva, o autor do estudo sobre comportamento do condutor brasileiro, divulgado no último dia 23, dr. Paulo Resende fala sobre os bastidores da pesquisa, resultados, sua opinião e expectativa. Ele é doutor em Engenharia de Transportes e Logística (University of Illinois, EUA) e coordenador do núcleo CCR de infraestrutura e logística da Fundação Dom Cabral. Na pesquisa foram analisados 533 trechos de rodovias brasileiras, tanto concedidas como públicas; dados de acidentes, da Polícia Federal e Concessionárias, e números de VMD (Volume de tráfegos) do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte). O período verificado foi entre 2005 e 2009. 

Perkons – Qual foi a maior dificuldade no levantamento?
Paulo Resende –
Começamos com uma decepção. Eu esperava ter dados de um período maior. Quando fomos analisar os dados sobre os acidentes, parece que o Brasil não teve acidente antes de 2005 porque não existia banco de dados consolidado. Quando procuramos a PRF pra fazer o levantamento, desde 2002 para fechar dez anos de análise, eu não consegui. E não por má vontade da polícia. Fomos para uma sala enorme cheia de BOs (Boletins de Ocorrências) e teríamos que contar tudo. Já a primeira e maior dificuldade foi que havia nesse banco de dados 120 mil acidentes analisados, mas não classificados. Tem uma descrição. Tivemos que ler durante seis meses a descrição para dar uma nomenclatura.

PK – O senhor afirma que o brasileiro não sabe conviver com estradas em boas condições. Por que?
PR –
Pela análise dos tipos de acidentes mais comuns e frequentes em estradas em boas condições: capotamento, saída de pista, batida traseira e abalroamento – batida lateral. As três primeiras estão mais relacionadas à velocidade e a última com falta de atenção. Isto nos indica que o motorista ou estava em alta velocidade por ser pista boa ou estava distraído, provocando colisão traseira.

PK – E a diferença para uma estrada ruim?
PR –
Em uma estrada ruim todos andam em velocidade menor, há menos diferença de velocidade entre os carros e o mais comum é a colisão frontal, que é resultado de audácia e não de direção defensiva – que, no caso dos brasileiros, resulta de dois fatores: o primeiro é “conheço essa estrada como a palma da minha mão”. E geralmente é pista simples, que o motorista entra na contramão pra ultrapassar. O outro fator é o fator carro velho, com pouca potência, em pista simples, onde a ultrapassagem em regiões mais acidentadas, com aclive forte, acha que o carro vai dar conta de ultrapassar e quando se vê já esta na contramão sem condição de voltar pra pista.
Nos nossos estudos, o que mais mata em estradas boas é o excesso de velocidade com batida traseira ou saída de pista. E nas ruins, a colisão frontal. Os dois tipos demonstram uma imprudência absoluta. O motorista brasileiro é absolutamente imprudente na direção.

PK – A pesquisa traz o dado que quase 66% dos acidentes com morte, em trechos urbanos rurais aconteceram nos finais de semana e de madrugada. O que isso revela?
PR –
Revela que ou o motorista está cansado ou está em um estado de consciência de direção sob influência. Me parece que se fizermos uma relação entre final de semana, madrugada e rodovias com trechos urbanos, esses três fatores me levariam a concluir que existe uma possibilidade alta de termos influência do álcool, mas não posso comprovar cientificamente. No caso do brasileiro, o teste do bafômetro, que entraria no Boletim de Ocorrência e serviria para constatação, não é feito pela grande maioria dos brasileiros.

PK – Qual o perigo da existência de rodovias cortando trechos urbanos?
PR –
Um perigo enorme, isso é comprovado mundialmente e nos países mais desenvolvidos, quando tem investimento em rodovias que cortam regiões urbanas, a primeira coisa que fazem é construir os contornos urbanos. Essa priorização existe porque em termos de acidentes, o primeiro fator preocupante é justamente a diferença de comportamento provocado pelo propósito da viagem. Quando você está em uma rodovia por longa distância, o propósito se adéqua a isso: a velocidade é maior, você troca menos marcha, você tem uma atenção maior ao comportamento do tráfego a sua volta e a rodovia é preparada pra imprimir maior velocidade. O que interessa é a mobilidade, com fluidez e velocidade. Quando você tem um trecho urbano, a mobilidade dá lugar ao acesso. Os motoristas estão preocupadas em ter acesso a alguma coisa, mesmo que seja em velocidade menor. Quando você mistura acesso com mobilidade, o resultado, em termos de acidentes, não é bom. Você tem muitas pessoas com propósitos de viagem diferentes. Aí que gera o conflito e os altos índices de acidentes.

PK – A conclusão do estudo é de que a maioria dos acidentes está ligada a fatores comportamentais, como excesso de velocidade, imprudência, manobras perigosas e falta de experiência na direção. Qual a sua sugestão para mudar isto?
PR –
Maior fiscalização, com certeza, uma mudança imediata nas leis brasileiras que pudesse permitir uma percepção sobre o estado físico e mental do motorista e a punição. Que a recusa ao bafômetro seja considerada uma demonstração de culpa passível de punição agravada se no exame posterior de exame clínico for comprovado. Defendo que nos acidentes de trânsito o culpado deva ser exemplarmente punido, como acontece em todos os países desenvolvidos, com prisão, perda de carteira e serviços comunitários. O que temos no Brasil é o sentimento de absoluta impunidade, os motoristas se sentem tranquilos depois de causar acidente. Nesse ponto, o sistema legal brasileiro comete um erro grave de confiar na consciência das pessoas. Acredito que algumas se envolvem com culpabilidade e última coisa que têm é consciência.

PK – Qual a sua expectativa de como este estudo pode contribuir à sociedade brasileira?
PR –
Discussão. Só quem já perdeu pessoas em acidentes sabe o quanto dói. Tenho muita, muita, vontade pra conversar sobre o assunto. Quanto mais pessoas, melhor. O estudo é uma contribuição interessante que, se a gente puder fazer com que o motorista no último momento pense no estudo e mude seu comportamento e uma morte for evitada, já valeu a pena. Tenho também um uma expectativa grande que os gestores públicos, e principalmente os legisladores brasileiros, levem esses estudos debaixo do braço, leiam e que pelo menos toque no coração deles e nas suas prioridades. Para que se um dia cair na mão deles uma possibilidade de modificação das leis pensem no estudo e contribuam para um morto a menos nas estradas. Se cada um deles pensasse que cada um pode contribuir com uma morte a menos teríamos milhares de mortes a menos.

Serviço:
Confira a apresentação da pesquisa

Confira o texto de divulgação da pesquisa

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.