NOTÍCIAS

Mobilidade em tempos de chuva

Para professor da UFPE, sistema de mobilidade não foi planejado para uma convivência harmônica com o de drenagem.

Publicado em
fgqfdnugydni2hzqelo5

Uma pesquisa do Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre, divulgada em abril, mostrou quais estados têm maior número de ocorrência por enchente.  O levantamento foi realizado pelo Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi) e leva em consideração dados e 2001 a 2014. São Paulo apresentou 33,6% das ocorrências nacionais, depois a região sul se destaca: Santa Catarina com 11,25%, Rio Grande do Sul apresentou 9,06% das ocorrências e Paraná com 8,33%. Rio de Janeiro e Minas Gerais registraram respectivamente 7,28% e 5,86%. Juntos, esses estados acumulam 75,24% do total de sinistros que tem como causa enchentes.

Além dos problemas econômicos, habitacionais e dos riscos de saúde pública causados, a interrupção do tráfego está entre os problemas trazidos pelas chuvas e demanda ações e políticas públicas para garantir a mobilidade mesmo nos períodos chuvosos.

O doutor em Engenharia Civil na área de Transportes e Gestão de Infraestruturas Urbanas e professor da Universidade Federal de Pernambuco, Leonardo Meira, acredita que o problema da mobilidade no trânsito em épocas chuvosas passa por três frentes: sistema de drenagem urbano mal dimensionado e com manutenção insuficiente; falta de consciência das pessoas que jogam lixo nas vias; e o sistema de mobilidade que, muitas vezes, não foi planejado para uma convivência harmônica com o sistema de drenagem.

Ele acredita que para superar estes problemas é preciso conscientizar os cidadãos, por meio de campanhas publicitárias, que jogar lixo nas ruas pode prejudicar milhares de pessoas. Também sugere o estabelecimento de um cadastro sobre o sistema de drenagem integrado com o sistema de mobilidade. “Ou seja, pelo menos aqui em Pernambuco – e acredito que não seja muito diferente em vários locais do Brasil – o poder público não possui um banco de dados confiável sobre a situação do sistema de drenagem, muito menos um cronograma rígido e efetivo de acompanhamento e manutenção dessa infraestrutura. Sem essas ações, as políticas públicas ficam desconectadas e prejudicam a sociedade como um todo”, explica.

Cenários e Soluções

Haverá condições mínimas de dirigibilidade enquanto a altura do nível da água não ultrapassar a metade da altura das rodas. Crédito: Blog Diário de Pernambuco.

Algumas cidades possuem características geográficas que contribuem para alagamentos e enchentes. Belo Horizonte, por exemplo, têm cinco bacias hidrográficas. A administração municipal desenvolveu através do Programa Drenurbs ações para a despoluição dos rios e a redução dos riscos de inundação. Apesar das medidas preventivas, ainda são registrados pontos de alagamentos e de blecautes na cidade. Quando há queda de energia e momentânea falha nos equipamentos de trânsito, a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTRANS) aciona geradores para manter operando semáforos e equipamentos eletrônicos de monitoramento.   Em nota, a assessoria de imprensa da empresa explica que possuem um Centro de Controle Operacional (CCO), responsável por monitorar os 80% semáforos da cidade, através dele é possível saber quais equipamentos estão ligados, desligados ou piscando. Nos outros 20% os agentes em campo ou usuários acionam o CCO pela central de atendimento.

Para evitar que motoristas sigam em direção a trechos alagados, a BHTRANS veicula alertas nos Painéis de Mensagens Variáveis nos principais corredores de tráfego de Belo Horizonte e também divulga informações sobre os cuidados que os motoristas devem ter em épocas de chuva: através de entrevistas e notas para a imprensa, via Twitter e pelo Portal da BHTRANS.

Conhecida como Veneza brasileira pela quantidade de rios e canais, Recife sofre com as precipitações e as variações das marés, apesar de já ter passado por períodos de forte seca. Em 2010, foi decretado estado de emergência depois de uma forte chuva que deixou 9 mortos, 814 desabrigados e 2.949 desalojados.

Devido às características que propiciam o alagamento e à necessidade de medidas para garantir que na estação das chuvas haja mobilidade, a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), responsável pela gestão do tráfego na cidade, recomenda que os recifenses redobrem a atenção, reduzam as velocidades nos cruzamentos e deem prioridade aos veículos que trafegam pela direita. Em caso de falta de luz, os semáforos têm tecnologia para autonomia de três a quatro horas de funcionamento.

O que o motorista deve fazer, caso haja alagamento:
De acordo com o analista técnico em eletrônica Felício Schilingovski Félix, a primeira recomendação é evitar a exposição do veículo em trechos alagados. Caso o automóvel já esteja em local de inundação, haverá condições mínimas de dirigibilidade enquanto a altura do nível da água não ultrapassar a metade da altura das rodas. Veja mais dicas no box:

Fique atento!

Percebendo que um trecho está alagado, o veículo deverá ser conduzido preferencialmente em direção a regiões mais elevadas o mais rápido possível.

Durante o tráfego, a velocidade deverá ser baixa e regular, sem exceder a velocidade de 20 km/h e com cuidado para evitar solavancos decorrentes de acelerações e desacelerações, preferencialmente em segunda marcha.

É desejável que haja a manutenção de distância para com os demais automóveis de modo a evitar que ondas atinjam o capô e cofre do motor. 

Se o veículo ficou estacionado, choveu e não há a certeza acerca do nível atingido pelo alagamento ou mesmo se houve tal ocorrência, deve ser evitado ligar o motor.

COMPARTILHAR

Veja

também

Pesquisa mostra que 43% dos usuários têm medo de usar transporte público no pós-pandemia

Perkons é uma das melhores empresas para trabalhar

Cidades apostam na Muralha Digital para gestão de trânsito e repressão a crimes

Perkons apresenta primeiro carro 100% elétrico da frota para manutenção dos equipamentos de Curitiba

Perkons e Prefeitura de Curitiba iniciam teste de equipamento que promete identificar condutores barulhentos no trânsito

Juntos salvamos vidas é o tema da Semana Nacional de Trânsito

Lombada eletrônica completa 30 anos e já ajudou a salvar mais de 80 mil vidas

Homens continuam a ser mais imprudentes no trânsito

Perkons, uma das empresas mais inovadoras do país, completa 31 anos

Chuva e neblina podem comprometer a segurança no trânsito

Nascemos do ideal por um transitar seguro e há três décadas nossos valores e pioneirismo nos permitem atuar no mercado de ITS atendendo demandas relativas à segurança viária, fiscalização eletrônica de trânsito, mobilidade urbana e gerenciamento de tráfego.

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.