NOTÍCIAS

Mobilidade em tempo de festas

O estresse acumulado e a falta de paciência com os congestionamentos de fim de ano podem liberar um alterego muito perigoso: o motorista nervosinho.

Publicado em
Mobilidade em tempo de festas

O senhor Walker é um cidadão pacato, gentil, que não faria mal a uma formiga. O Senhor Wheeler é um motorista agressivo, que acredita que o fato de pagar impostos lhe confere direitos de posse sobre as vias. Wheeler desrespeita os pedestres e abusa da velocidade e, porque não, da sorte. No fim, Walker e Wheeler são a mesma pessoa. O último seria o alterego do primeiro quando entra num carro e “se deixa levar pela forte sensação de poder”. Essa história é o enredo do desenho animado bastante conhecido e utilizado por especialistas para falar do comportamento dos motoristas no trânsito.

A confusão e o caos mostrados na animação são, de fato, exacerbados. Mas, se levarmos em conta a influência do ambiente social, principalmente em determinadas épocas do ano, talvez a representação dos personagens do Pateta fique mais próxima à realidade. E, que época, senão o fim de ano gera mais movimentação nos centros comerciais e, consequentemente nas vias?

O intenso fluxo viário durante o período de festas de fim de ano, seja para fazer compras ou para realizar viagens de férias, aumenta o tempo de permanência no veículo e o resultado, segundo Jéssica Miolla, psicóloga especializada em trânsito, potencializa os traços de estresse nas pessoas. “As condições de tráfego interferem diretamente no estado psicofisiológico dos usuários, o que significa irritabilidade e comportamento mais agressivo na direção e, portanto, mais insegurança”, diz. Ela ainda destaca: “quem não fica estressado nos congestionamentos típicos desta época? Aumentam o uso da buzina, os xingamentos, o confronto físico, a alta velocidade e os acidentes”.

Crédito: Arquivo pessoal

As condições de tráfego interferem diretamente no estado psicofisiológico dos usuários de trânsito, o que significa irritabilidade e comportamento mais agressivo, diz psicóloga.

Cenário esperado – fim de dia a hora de voltar para casa já é um transtorno e não é diferente para quem estende a jornada para fazer as compras de Natal nos shoppings e centros comerciais. “Acumulam-se ao cansaço, as chuvas de verão, as preocupações com a localização de vagas para estacionar e para organizar o tempo e a lista de compras em lojas cheias”, elenca Maria Amélia Franco, especialista em gestão de trânsito e mobilidade urbana da Perkons. Ela ainda sugere: “Procure fazer compras pela internet, em grupos para praticar a carona solidária ou então aproveitar para ajudar o comércio local do seu bairro, fazendo compras na sua região. Isso estimula os deslocamentos a pé e reduz os engarrafamentos”.

A corrida por presentes requer também atenção redobrada na operação do trânsito nos grandes centros. Como as lojas ficam abertas até mais tarde, é necessário melhorar o policiamento, garantir a frequência do transporte coletivo e ter equipes extras de agentes para orientar o tráfego. “Além do fluxo de carros, é preciso lembrar que há mais pedestres circulando e, por isso, os riscos são maiores”, alerta Maria Amélia.

 

Shoppings investem em tecnologia para aumentar conforto e atrair os motoristas

Para aumentar o bem estar dos clientes alguns shoppings lançaram mão da tecnologia na hora de ajudar o motorista a encontrar sua vaga no estacionamento. Há dois anos, o MorumbiShopping, localizado em São Paulo instalou um sistema com sensores e luzes que sinalizam vagas exatamente onde elas estão. Posicionados sobre as vagas, cada sensor detecta a presença de veículos e acende uma luz vermelha, indicado que o espaço está ocupado. Quando o carro se retira, o aparelho faz a leitura e aponta o local como vago, acendendo então uma luz verde. 

Crédito: divulgação

Shopping centers utilizam tecnologia com sensores e iluminação para avisar o motorista sobre as vagas disponíveis.

Dicas para lidar com os “nervosinhos”

A psicóloga orienta sobre a conduta correta quando nos deparamos com uma discussão nos trânsito: “O melhor é evitar confronto e deixá-lo ir embora sem reagir. O motorista ‘nervosinho’ está atentando contra a vida das pessoas no trânsito e expressando um comportamento individualista. Os frequentes comportamentos individualistas não devem ser respondidos com a adoção de outro comportamento que ameaça a coletividade. O bom motorista não está preocupado somente com a sua direção, mas também com os outros motoristas que podem representar uma potencial ameaça a sua vida”, afirma.

Além da paciência, cautela e atenção, é necessária a percepção de que o trânsito é um fenômeno coletivo e que as condutas individuais repercutem sobre os demais. “O mais importante é perceber as reais ameaças presentes no trânsito e que a irritabilidade atuará contra sua saúde e segurança. Quando percebemos a magnitude dos riscos presentes no trânsito, automaticamente procuramos dirigir de uma maneira mais cautelosa, prudente e calma, pois sabemos que é o nosso comportamento agressivo que poderá causar danos”, conclui.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print
VEJA TAMBÉM

CTB completa 24 anos com crescimento e envelhecimento da frota nacional

No verão cresce o número de acidentes envolvendo ciclistas

Fugir do local do acidente é crime, mesmo quando não há vítimas

Brasil se mobiliza com ações em homenagem às vítimas de trânsito

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.